A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
283 pág.
Guia Acadêmico FDCE UFMG

Pré-visualização | Página 33 de 50

e/ou demais membros do projeto, instruem e 
acolhem as pessoas a serem orientadas – observando o trato necessário para lidar com a causa 
 
Extensão {115} 
alheia e a delicadeza que as situações demandam – de modo a permitir que estas se sintam 
tranquilas para falarem de seus problemas, discriminações e/ou qualquer tipo de violência que 
sofram. O objetivo é alcançar a empatia das partes envolvidas, possibilitando atendimentos 
mais humanos. 
Percebe-se que muitas vítimas de sexismo, homofobia e transfobia não sabem como 
exigir os seus direitos e, sequer, que eles existem. Não há, para tanto, ampla informação 
acerca das garantias que as mulheres, homossexuais e transgêneros possuem – especialmente 
os dois últimos grupos –, o que reforça as práticas violentas e segregadoras. Assim, buscar-se-
á orientar as pessoas assistidas (mulheres e comunidade LGBT) sobre os direitos que elas já 
possuem e como podem fazer para cobrá-los juridicamente, encaminhando-as, quando for o 
caso, aos órgãos competentes – Delegacia de Mulheres, Defensoria Pública, a próprio DAJ (se 
for o caso), entre outros – com as devidas orientações quanto aos procedimentos que devem 
ser tomados. 
 
6.6.5 – Método de seleção de novos extensionistas 
 
 Em breve o Diverso informará a todxs a respeito do edital de seleção de novxs 
estagiárixs e extensionistas voluntárixs. Fiquem de olho em nossa página no Facebook: 
Diverso – Direitos e Diversidades. 
 
 6.6.6 - Bibliografia 
 
Segue abaixo, para aquelas e aqueles que se interessarem, uma pequena parte da 
bibliografia utilizada no Diverso para constantes estudos e aperfeiçoamento crítico a respeito 
do tema trabalhado. 
Para uma lista mais completa, os seguintes links podem ser acessados: 
https://drive.google.com/open?id=0B8YR9k73AuOtNE9lUDBhbmZzbW8 
https://drive.google.com/open?id=0B5DQ4DwbQedTM1NpLWhDdGRzbEU 
BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo. 2. A experiência vivida. 2 ed. Trad. Sergio Milliet. 
São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1967. 
 
BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo. 1. Fatos e Mitos. 4 ed. Trad. Sergio Milliet. São 
Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970. 
 
 
Extensão {116} 
BOCK, Gisela; JAMES, Susan (Ed.). Beyond Equality and Difference. Citizenship, feminist 
politics andfemale subjectivity. London/New York: Routledge, 1992. 
 
BORRILLO, Daniel. Homofobia. História e crítica de um preconceito. Trad. Guilherme João 
de Freitas Teixeira. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. 
 
BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. 2 ed. Trad. Maria Helena Kühner. Rio de 
Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. 
 
BUTLER, Judith. Deshacer el Genero. Trad. Patrícia Soley-Beltran. Barcelona: Paidós, 2006. 
 
BUTLER, Judith. Gender Trouble. Feminism and the Subversion of Identity. New York: 
Routledge, 1999. 
 
BUTLER, Judith. Mecanismos psíquicos del poder. Teorias sobre la sujeción. Trad. 
Jacqueline Cruz. Madrid: Ediciones Cátedra, 2001. 
 
BUTLER, Judith; HABERMAS, Jürgen; TAYLOR, Charles; WEST, Cornel. The Power of 
Religion in the Public Sphere. New York: Columbia University Press, 2011. 
 
FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade. I. A Vontade de Saber. 13 ed. Trad. Maria 
Thereza C. Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1988. 
 
HOLLANDA, Heloisa Buarque. Tendencias e Impasses. O feminismo como crítica da 
cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. 
 
MAYORGA, C. (Org. ; Perucchi, J. (Org.); PRADO, M. A. M. (Org.). Olhares Diversos: 
direitos sexuais, feminismos e lesbianidades. Belo Horizonte: Campagna, 2011. 
 
MILL, John Stuar. The Subjection of Women. (From the edition of 1869). Auckland: The 
Floating Press, s/a. 
 
MURARO, Rose Marie. Sexualidade da mulher brasileira: corpo e classe social no Brasil. 
São Paulo: Record, 1996. 
 
PRADO, M. A. M.; MACHADO, F. V. Preconceito contra homossexualidades. A hierarquia 
da invisibilidade. São Paulo: Editora Cortez, 2008. 
 
PRADO, M. A. M.; MACHADO, F. V.; SANTOS, L. C. ; Mountian, I. Los movimientos 
LGTB y la lucha por la democratización de las jerarquias sexuales en Brasil. Revista Digital 
Universitaria, v. 11, p. 68, 2010. 
 
PRADO, Marco Aurélio Máximo; MACHADO, F. V. Far beyond the rainbow. The 
constitution of collective identities between civil society and the State, Annual Review of 
Critical Psychology (Online), v. 11, p. 131-150, 2014. 
 
SCOTT, Joan. O Enigma da Igualdade, Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 13(1): 11-
30, janeiro-abril/2005. 
 
 
Extensão {117} 
SOUZA, Érica Renata. Família e Parentalidade Homossexual: revendo teorias, repensando 
práticas. Revista Brasileira de Sexualidade Humana, v. 17, p. 283-297, 2006. 
 
SOUZA, Érica Renata. Interseções entre Homossexualidade, Família e Violência: relações 
entre lésbicas na região de Campinas, SP. Sociedade e Cultura (Impresso), v. 15, p. 297-308, 
2012. 
 
WELZER-LANG, Daniel. A Construção do Masculino: a dominação das mulheres e a 
homofobia. Trad. Miriam Pillar Grossi, Revista Estudos Feministas, Florianópolis, p. 460-
482, 2/2001. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Extensão {118} 
6.7 - PRUNART 
 
6.7.1 - O que é o PRUNART. 
 
 É um programa situado na Faculdade de Direito e Ciências do Estado da Universidade 
Federal de Minas Gerais e que congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão nos cursos 
de graduação e pós-graduação da universidade. O PRUNART possui alunos pesquisadores de 
todas as áreas do conhecimento, inclusive, Medicina, letras, filosofia, sociologia e etc. 
 
6.7.2 - Síntese do manual do Programa 
 
 O Programa de Apoio às Relações de Trabalho e à Administração da Justiça é uma 
proposta que envolve a articulação das atividades e ensino, pesquisa e extensão, a partir da 
identificação de situações problema de interesse público e social relacionadas à organização 
do trabalho e à administração da Justiça, extraídas do diálogo entre a universidade, as 
instituições públicas do trabalho integrantes do Poder Executivo e do Sistema de Justiça (e. g. 
MTe, MPT, Poder Judiciário e OAB) e as instituições intermediárias de representação social e 
ou coletiva (e. g. entidades de representação sindical). O Programa enfatiza a função social da 
universidade, estabelecida a partir da Constituição Federal de 1988, e visa ao 
desenvolvimento das atividades acadêmicas vinculadas às linhas de pesquisa do Programa de 
Pós-Graduação FDUMFG destinadas a contribuir para o enfrentamento dos desafios 
contemporâneos que se apresentam à organização das relações do trabalho e à administração 
da Justiça relacionados à normatização, à aplicação do direito e à atuação das instituições do 
trabalho, de forma a contribuir para a busca da efetividade dos direitos e a realização do 
Estado Democrático de Direito e do projeto sociedade inscrito na Constituição Federal. 
Situações-problema extraídas da realidade concreta, qualificadas como de interesse público e 
social de alta relevância para a consolidação do Estado Democrático de Direito, são a fonte de 
inspiração das atividades acadêmicas do Programa e implicam, necessariamente, uma 
abordagem inter, multi e transdisciplinar. A elaboração de tais diagnósticos exige a 
participação do conjunto dos atores públicos e sociais nelas envolvidos. Por isso mesmo é que 
se impõe uma reorientação epistemológico-neoparadigmática (intersubjetividade e 
 
Extensão {119} 
complexidade) apta a dar suporte jurídico-político-filosófico às práticas acadêmicas 
protagonizadas pelo Programa. 
 
Referência: VASCONCELOS, Antônio Gomes. Programa Universitário de Apoio às 
Relações de Trabalho e à Administração da Justiça. Belo Horizonte: RTM, 2012. 
Observação: existem manuais do programa disponibilizado na biblioteca da Faculdade 
de Direito e Ciências do Estado da UFMG. 
 O Programa ainda possui termo