A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Aula 02

Pré-visualização | Página 1 de 2

INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS
Prof. Ronaldo Meneses
Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Entrada e Fornecimento de Água Fria
A alimentação de uma instalação predial pode ser através de:
 Rede Pública;
 Sistema Privado.
	
Poço artesiano;
Poço pouco profundo;
Poço profundo
Poço pouco profundo
Poço profundo
Instalação predial de água fria
Ramal Predial
	O abastecimento de água aos prédios é feito a partir da rede de distribuição pública por meio de um ramal predial, o qual corresponde a:
Ramal predial propriamente dito ou ramal externo;
Alimentador predial ou ramal interno de alimentação.
Ramal Predial
Interligação à rede pública
Através de um “colar de tomada”
Medição de Água 
Através do Hidrômetro
Padrão CAGEPA – Hidrômetro no Muro
13
14
Padrão CAGEPA – Hidrômetro no Muro
15
Padrão CAGEPA – Hidrômetro no Muro
16
17
18
19
Economia de água;
Justiça social;
Cobrança proporcional;
Medição de Água Individualizada
Redução do desperdício;
Redução do efluente de esgoto;
Economia de energia elétrica;
Redução do índice de inadimplência;
Identificação de vazamentos.
Medição de Água Individualizada
Medição de Água Individualizada
Medição de Água Individualizada
Medição de Água Individualizada
Situações exigidas pela CAGEPA
Sistemas de abastecimento da rede predial
Sistema de distribuição Direto;
Sistema de distribuição Indireto;
Sistema de distribuição Misto.
Sistema de Distribuição Direto
Sistema de Distribuição Direto
É o sistema no qual os pontos de utilização são abastecidos diretamente da rede pública. 
Neste caso, se tem uma melhor qualidade da água, devido à taxa de cloro residual existente na água e devido a ausência de um reservatório.
Sistema de Distribuição Direto
Vantagens
dispensa reservatórios;
proporciona um menor custo da estrutura;
possibilita a disposição de uma maior área útil, pois o espaço dos reservatórios pode ser utilizado para outra finalidade;
melhor qualidade da água.
Sistema de Distribuição Direto
Desvantagens
falta d’água ao cessar o abastecimento da rede pública;
solicita continuamente a rede pública, com pressões e vazões adequadas ao sistema predial;
tem-se um aumento na reserva do sistema público para poder atender aos picos de consumo do edifício;
30
Sistema indireto de distribuição
No sistema indireto, a água chega aos pontos de utilização através de reservatórios situados dentro da edificação
1º caso: Um reservatório elevado. Fornecimento intermitente, com pressão.
31
33
Sistema indireto de distribuição
2º caso: Dois reservatórios. Fornecimento intermitente sem pressão.
	Quando a pressão da rede pública for insuficiente para abastecer um reservatório elevado é necessário a construção de um reservatório inferior para armazenagem da água e deste, por bombeamento, a água é elevada até o reservatório superior.
34
35
Sistema indireto de distribuição
3º caso: Mais de um reservatório elevado. Fornecimento intermitente sem pressão.
	Se o número de pavimentos for grande, ocasionando uma pressão muito alta na coluna (pressão superior a 40 mca) pode-se optar pela construção de dois ou mais reservatórios elevados de modo que cada um atenda um total máximo de 12 a 13 pavimentos.
36
Sistema indireto de distribuição
4º caso: Sistema hidropneumático ou de pressurização de água.
	No sistema hidropneumático a rede de distribuição é pressurizada através de um tanque de pressão que contém água e ar.	
	Uma instalação hidropeneumática supõe cuidados de manutenção e não deve ser considerada como uma alternativa normal da instalação com reservatório superior. 
	É um sistema pouco utilizado devido seu alto custo de instalação, sendo recomendado somente em casos especiais para aliviar a estrutura.
37
Sistema indireto de distribuição
		
		
	O sistema hidropneumático é muito utilizado em:
instalações industriais para dispensar a construção de castelos de água (reservatórios sobre torres ou estruturas); 
residências cujo projeto arquitetônico não admite um reservatório na cobertura;
Edifícios cujas limitações de área, gabarito, estrutura ou concepção arquitetônica não torne possível ou aconselhável o emprego dos reservatórios elevados.
38
Sistema indireto de distribuição
Vantagens
Menor probabilidade de falta de água
Não necessita de pressões e vazões adequadas da rede pública para garantir o abastecimento ao sistema predial
Desvantagens:
proporciona um maior custo da estrutura devido a necessidade de construção de reservatórios;
redução da área útil, pois faz-se necessário um espaço para reservatórios;
menor qualidade da água.
39
Sistema misto de distribuição
Quando ocorre o abastecimento por distribuição direta e indireta ao mesmo tempo.
40
41
Reservatórios
Reservatórios
No Brasil – reservatório superior;
Instalações sob baixa pressão;
Compensar falta de água na rede pública
Reservatórios
No Brasil – reservatório superior;
Instalações sob baixa pressão;
Compensar falta de água na rede pública
44
46
Consumo de água em edificações
Critério para previsão 
Meio rural ...................................................... 50 l/hab./dia
Pequenas cidades ...............................50 a 100 l/hab./dia
Cidades médias .................................100 a 200 l/hab./dia
Cidades grandes ................................200 a 300 l/hab./dia
Atenção: Consumo Per Capita
47
Consumo de água em edificações
Critério para previsão 
Para 200 l/hab/dia supõem-se:
Uso doméstico ...........................................................100 l
Uso no local de trabalho...............................................50 l
Usos diversos (restaurantes, locais de diversão).........25 l
Perdas ..........................................................................25 l
Total .............................................................. 200 l/hab./dia
48
Consumo de água em edificações
A parcela de uso doméstico distribui-se: 
Asseio pessoal ......................................................... 50 l
Bebida, cozinha...........................................................15 l
W.C. ............................................................................20 l
Lavagem de casa e de roupa .....................................15 l
Total ............................................................ 100 l/hab./dia
São encontradas na literatura tabelas que fornecem uma estimativa para cálculo de consumo diário de água conforme a natureza do serviço a que a mesma se destina.
Consumo Predial Diário
50
Consumo de água em edificações
Por exemplo:
51
Consumo de água em edificações
Taxa de ocupação de acordo com a natureza do local
Consumo em função da taxa de ocupação
53
Mínimo de Aparelhos 
Número mínimo de aparelhos para diversos usos
Exemplo: 
Escolas
Um lavatório para cada 60 alunos nas escolas primárias;
Um lavatório para cada 100 alunos nas escolas secundárias;
Um vaso para cada 100 meninos tanto nas escolas primárias quanto nas secundárias.
54
Mínimo de Aparelhos 
55
Mínimo de Aparelhos 
56
Reservatórios
Capacidade dos reservatórios
Finalidade da edificação
Distribuição de água nos reservatórios inferior e superior
Em residências de pequeno tamanho, recomenda-se uma capacidade mínima de 500 litros.
Os reservatórios com capacidade superior a 4000 litros devem ser divididos por uma parede em dois compartimentos iguais, para que a limpeza ou manutenção em um deles possam ser inspecionados periodicamente.
57
Reservatórios
Dimensionamento
Vazões consideradas
De alimentação (15% do consumo diário)
De distribuição	
Volume de água nos reservatórios
Inferior 3/5 do total (60%)
Superior 2/5 do total (40%)
Reserva para Combate a incêndio
58
Reservatórios
Dimensionamento
Reserva para combate a incêndio
A reserva para combate a incêndio pode ser estimada