SEMANA 7
1 pág.

SEMANA 7


DisciplinaDireito Constitucional I64.427 materiais1.490.652 seguidores
Pré-visualização1 página
DIREITO CONSTITUCIONAL II - CCJ0020 
Título SEMANA 7 
DESCRIÇÃO: 
José resolveu candidatar-se ao cargo de Deputado Federal. Não se elegeu por 05 votos! Ficou como 1.º suplente do seu partido. Apesar da derrota eleitoral, como teve muitos votos, foi chamado para uma reunião do partido na Câmara dos Deputados. Passeando pelos corredores viu que em uma sala ocorria um debate da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) sobre a constitucionalidade de um Projeto de Lei. Assistia atento ao debate quando observou que um parlamentar do seu partido, que era o referido PL, estava bastante exaltado e gritava ao microfone chamando a vários de seus colegas deputados de \u201cvagabudos\u201d. O parlamentar teve o som do seu microfone cortado e assim foi forçado a parar de argumentar. 
José, indignado, não pensou duas vezes, dono de uma voz poderosa, começou a argumentar no mesmo sentido que o parlamentar antes fazia. Quando foi solicitado a calar-se, enervou-se mais e disse que era suplente e estava trabalhando enquanto os outros todos ali eram \u201cvagabundos\u201d, \u201cganhavam sem trabalhar\u201d, \u201cnão serviam para nada\u201d e que \u201cdeveriam era fechar o congresso\u201d. José e o parlamentar de seu partido foram contidos pela Polícia do Legislativo e indiciados pelos crimes de injúria e desacato. 
Descreva como ficaria a situação de cada um dos Réus.
DESENVOLVIMENTO:
Estabelece o art. 53, caput, da CF: \u201cOs deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos\u201d.
A imunidade parlamentar é absoluta quanto às manifestações proferidas, tanto no interior da Casa Legislativa, quanto fora do recinto parlamentar, desde que ligadas ao exercício do mandato. As declarações ditas ofensivas devem ser consideradas no contexto do debate, entendendo que seu teor guarda pertinência com sua atividade parlamentar. 
Porém, em relação ao Suplente (José), a inviolabilidade penal parlamentar não o alcança, pois, somente quem está no exercício do cargo é que tem imunidade parlamentar. Da mesma maneira, não vale para o parlamentar licenciado do cargo. Desse modo, José responderá pelo crime.