A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2088 pág.
Os Fundamentos da libertade

Pré-visualização | Página 1 de 50

www.princexml.com
Prince - Personal Edition
This document was created with Prince, a great way of getting web content onto paper.
DADOS DE
COPYRIGHT
Sobre a obra:
A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diver-
sos parceiros, com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em
pesquisas e estudos acadêmicos, bem como o simples teste da qualid-
ade da obra, com o fim exclusivo de compra futura.
É expressamente proibida e totalmente repudíavel a venda, aluguel, ou
quaisquer uso comercial do presente conteúdo
Sobre nós:
O Le Livros e seus parceiros disponibilizam conteúdo de dominio
publico e propriedade intelectual de forma totalmente gratuita, por
acreditar que o conhecimento e a educação devem ser acessíveis e
livres a toda e qualquer pessoa. Você pode encontrar mais obras em
nosso site: LeLivros.club ou em qualquer um dos sites parceiros ap-
resentados neste link.
"Quando o mundo estiver unido na busca do conhecimento,
e não mais lutando por dinheiro e poder, então nossa so-
ciedade poderá enfim evoluir a um novo nível."
3/2088
Friedrich A. Hayek
OS FUNDAMENTOS DA
LIBERDADE
Supervisão e introdução de Henry Maksoud.
Tradução de Anna Maria Capovilla e José Ítalo
Stelle.
Editora Visão, 1983
Título do original: The Constitution of
Liberty Traduzido a partir da First
Gateway Edition, 1972
Versão preliminar: Carmen Lídia
Richter Ribeiro Moura, Denis Fontes
de Souza Pinto, Denise Vreuls, José
Vicente da Silva Lessa.
Versão 0.1 (Para erros e sug-
estões: epubsliberais@mailtor.net)
Agosto/2014
5/2088
“Nosso estudo não investiga o que é
perfeito, pois bem sabemos que a per-
feição não se encontra entre os ho-
mens; mas busca a forma de organiz-
ação humana que contenha o menor
número de embaraços, ou os mais
perdoáveis.”
ALGERNON SIDNEY
Discourses concerning Government
(Londres, 1698), página
142, Works (nova edição: Londres,
1772, página 151).
À civilização
desconhecida que se desenvolve nos
Estados Unidos da América.
7/2088
SUMÁRIO
Uma Introdução às Obras de F. A.
Hayek
Prefácio à Edição Americana
Prefácio à Edição Brasileira
Introdução da Edição Original
PARTE I — O VALOR DA LIBERDADE
Capítulo I—Liberdade e Liberdades
Capítulo II— Os Poderes Criativos de
uma Civilização Livre
Capítulo III — O Sentido Comum do
Progresso
Capítulo IV — Liberdade, Razão e
Tradição
Capítulo V — Responsabilidade e
Liberdade
Capítulo VI — Igualdade, Valor e
Mérito
Capítulo VII — O Governo da Maioria
Capítulo VIII — O Assalariado e o
Homem Independente
PARTE II — A LIBERDADE E A LEI
Capítulo IX — A Coerção e o Estado
Capítulo X — Lei, Ordens e Ordem
Capítulo XI — As Origens do Estado de
Direito
Capítulo XII — A Contribuição Amer-
icana: o Constitucionalismo
9/2088
Capítulo XIII — O Liberalismo e a
Burocracia: o Rechtsstaat
Capítulo XIV — As Salvaguardas da
Liberdade Individual
Capítulo XV — A Política Econômica e
o Estado de Direito
Capítulo XVI— O Declínio do Direito
PARTE III — A LIBERDADE NO ESTADO
PREVIDENCIÁRIO
Capítulo XVII — O Declínio do Socialismo e
a Ascensão do Estado Previdenciário
Capítulo XVIII — Sindicatos Trabal-
histas e Emprego
Capítulo XIX — A Previdência Social
Capítulo XX—Taxação e
Redistribuição
10/2088
Capítulo XXI — A Estrutura Monetária
Capítulo XXII — Habitação e Planeja-
mento Urbano
Capítulo XXIII — A Agricultura e os
Recursos Naturais
Capítulo XXIV — Educação e Pesquisa
POSFÁCIO: Por Que Não Sou Um
Conservador
11/2088
Uma Introdução
às Obras de F. A.
Hayek
HENRY MAKSOUD
Este livro é uma daquelas obras notá-
veis que se pode ler começando da
primeira página ou que pode ser com-
pulsada como se faz com um bom di-
cionário ou com a própria Biblia,
abrindo-se para lê-la em qualquer
parte. O título do original em inglês,
“The Constitution of Liberty”, poderia
ser literalmente traduzido para o por-
tuguês como ‘A Constituição da Liber-
dade’ ou então como ‘Os Fundamentos
da Liberdade’. Ao tratar dessa questão
com o professor Hayek, recebi
dele completa liberdade para escolher
o que julgasse melhor pára o caso, le-
vando em conta, indusive, futuras ver-
sões de outras obras suas. É, pois, de
minha inteira responsabilidade.a de-
cisão quanto ao título ‘Os Fundamen-
tos da Liberdade’ para esta edição
brasileira. Aliás, a edição em espanhol
também usa a expressão ‘Fundamen-
tos’ em lugar de ‘Constituição’ e o
próprio Hayek confessa que gostaria
de ter podido dar o título “The Consti-
tution of Liberty” ao seu livro mais re-
cente, “Law, Legislation and Liberty”.
Essa decisão, portánto, preserva a pa-
lavra ‘constituição’ para eventual util-
ização futura na versão
brasileira desse seu outro livro, como
gostaria de ter feito o autor no original
em inglês. Ademais, a expressão
13/2088
‘constitution’ do original em inglês
refere-se, nesta obra, essencialmente
a ‘aspectos característicos’, ‘pro-
priedades’, ‘bases’ ou ‘fundamentos’
da liberdade e não propriamente a
‘normas de organização de um sistema
de governo’, embora o livro
trate ampiamente também do tema
‘Constituição’ e ‘Constitucionalismo’.
Já no terceiro volume (“The Political
Order of a Free People”) do “Law, Le-
gislation and Liberty”, Hayek trata do
novo sistema de govemo que denomin-
ou ‘Demarquia’ e dedica um capítulo
ao tema “A Model Constitution”, onde
expõe os princípios básicos da con-
stituição desse novo sistema de
governo.
Friedrich August Hayek nasceu em Vi-
ena no dia 8 de maio de 1899 numa
família de cientistas e professores
acadêmicos. No início de sua vida
14/2088
estudantil universitária, esteve inde-
ciso entre seguir a carreira de eco-
nomista ou a de psicólogo. Escolheu a
economia e seu trabalho nesse campo
é notável, tendo recebido em 1974 o
Prêmio Nobel de Economia; prêmio
que aliás há muito merecia - e, con-
forme insistem muitos analistas,
merecia ter recebido sem
compartilhá-lo com Gunnar Myrdal,
cuja linha de pensamento difere quase
diametralmente da de Hayek. Hayek
poderia ter-se tornado um psicólogo
de igual destaque: embora se pro-
clamasse um simples amador no as-
sunto, publicou em 1952 um livro
sobre a percepção sensorial (“The
Sensory Order”) que passou a ser in-
cluído entre as obras de maior relevo
da Psicologia.
Quando ainda muito jovem, em Viena,
foi socialista, como era da moda: “Não
15/2088
propriamente um socialista ex-
tremado, mas um socialista fabiano,
algo assim como os socialistas amer-
icanos, que se denominam ‘liberais’
nos Estados Unidos atualmente. Foi
com os trabalhos de Ludwig von Mises
que, por volta de 1922, vi como estava
no caminho errado; me convenci de
quão falaciosos e equivocados eram os
caminhos do socialismo de todas as
marcas e, principalmente, de que o so-
cialismo é incompatível com a
liberdade”, declarou-nos Hayek em
novembro de 1977, na primeira de
suas visitas ao Brasil a convite da rev-
ista VISÃO. Parece que esse equívoco
intelectual de sua juventude marcou
bastante o filósofo político Hayek;
como se nota freqüentemente em sua
obra, Hayek, embora um crítico duro,
direto e objetivo, sempre trata seus
adversários com afável cortesia pois
16/2088
sempre os julga como pessoas que
cometem ou cometeram erros de en-
foque intelectual.
Muitos dos equívocos intelectuais que
se constatam freqüentemente não se
devem a convicções intuitivas de seus
autores, mas principalmente a falta de
orientação e confusão na aquisição de
informações básicas filosóficas. Nout-
ras palavras: é costumeiro (por razão
de erudição exagerada com baixa as-
similação cultural) misturar conceitos
de filósofos que divergem fundament-
almente entre si para formar supostas
‘novas idéias’ ou para

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.