A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Capitulo 19

Pré-visualização | Página 1 de 2

Capitulo 19
Qual a diferença entre erro simples e delírio? Explique.
O erro simples é atribuído, a coincidências ocasionais ou fortuitas, a força de relações consistentes de causa-efeito aceitar ingenuamente as impressões de nossos sentidos como verdades indiscutíveis. Os erros são possíveis de serem corrigidos pela experiência, pelas provas e pelos dados que a realidade oferece. Já o delírio é, quase sempre, um juízo falso; o seu conteúdo é impossível. O delírio é uma produção associal, idiossincrática em relação ao grupo cultural do doente. Geralmente se trata de uma convicção de um só homem.
O que são ideias prevalentes e sobrevalentes?
São ideias que, por conta da importância afetiva que têm para o indivíduo, adquirem predominância enorme sobre os demais pensamentos, conservando-se obstinadamente em sua mente: “Não consigo pensar em outra coisa” é um exemplo de queixa típico de quem experimenta essas ideias. As ideias prevalentes fazem sentido para o paciente. As pessoas que têm ideias prevalentes ou sobrevalentes identificam-se plenamente com elas e colocam a sua personalidade totalmente a seu serviço. São levadas por motivações afetivas pessoais.
Defina delírio segundo a concepção de Jasper. Como pode ser identificado clinicamente?
Segundo Jasper o delírio é o juízo patológico falso, sendo assim o delírio é um erro de ajuizar que tem origem mental, sua base é mórbida pois é motivada por fatores patológicos. Jasper descreveu três características básicas para identificação em clínica.
1°: Quando o doente apresenta uma convicção extraordinária a sua crença é total, não se pode colocar em dúvida a veracidade do delírio.
2°: O delírio é impossível de ser modificado pela experiência, prova da realidade, argumento lógico, plausível, é irremovível. 
3°: O conteúdo é impossível, sabe-se que alguns pacientes podem eventualmente delirar o seu delírio, entretanto, cabe ressaltar que o delírio é de fato um ajuizamento falso.
Quais as dimensões do delírio?
O delírio tem várias dimensões, que servem como indicadores de sua gravidade, e são eles: 
- Grau de convicção: é o grau que determina até que ponto o paciente está convencido da realidade de suas ideias delirantes.
- Extensão: Quando envolve diferentes áreas da vida do paciente.
- Bizarrice: É o distanciamento das convicções culturalmente compartilhadas pelo grupo social de origem do paciente, tem valor diagnostico importante para se identificar a esquizofrenia.
- Desorganização: Verifica-se até que ponto as ideias delirantes são consistentes internamente, tem lógica própria e em que grau são sistematizadas com ordem interna.
- Pressão ou preocupação: Quando o paciente está preocupado e envolvido em suas crenças delirantes, o quanto ele se sente pressionado pelo delírio.
- Resposta afetiva ou afeto negativo: Quando a crença delirante abala ou toca afetivamente o paciente quando ele fica assustada, ansiosa, triste ou irritada em consequência do delírio.
- Comportamento desviante: Verifica –se o quanto o paciente age em função de seu delírio e em que medida ele pratica atos estranhos, perigosos ou inconvenientes a partir de suas ideias delirantes.
Estabeleça a diferença entre delírio primário e secundário.
O fenômeno primário, é psicologicamente incompreensível, não tem raízes na experiência psíquica do homem normal; por isso é impenetrável, incapaz de ser atingido pela relação intersubjetiva, pelo contato empático entre entrevistador e entrevistado.O verdadeiro delírio expressa uma quebra radical na biografia do sujeito, a transformação qualitativa de toda sua existência, sua pessoa se modifica, sua personalidade sofre verdadeira transmutação. Já o delírio secundário é externamente ao primário, diferindo deste por não se originar de alteração primária do pensamento, do ajuizar, mas de alterações profundas em outras áreas da atividade mental (afetividade, consciência, etc.), que indiretamente fazem com que se produzam juízos falsos. É fruto de condições psicologicamente rastreáveis e compreensíveis.
Classifique os delírios de acordo com sua estrutura
Os delírios são classificados em simples que são ideias que se desenvolvem em torno de um só conteúdo, de um tema único, geralmente de um único tipo como temas religioso, persecutório, por exemplo. Delírios complexos ou pluritemáticos que são aqueles que englobam vários temas ao mesmo tempo, com múltiplas facetas, envolvendo conteúdos de perseguição, místico-religiosos, de ciúme, de reivindicação, entre outros e delírios não-sistematizados que são delírios sem concatenação consistente. Os conteúdos e os detalhes dos delírios não-sistematizados variam de momento para momento
Caracterize o processo sequencial no desenvolvimento do delírio conforme os pressupostos de Klaus Konrad.
Konrad dividiu a Evolução do delírio em cinco estágios, e pela seguinte ordem:
- O Trema: É a tensão causada antes de surgir a ideia delirante, o paciente fica em um clima ameaçador, difuso e indefinido.
-Fase Apofânica: Estágio de manifesto, apresenta uma tensão acumulada, o indivíduo vivencia a revelação se sentindo de forma passiva no centro do mundo, observado por todos.
-Fase Apocalíptica: É uma fase desorganizada após a revelação, vivencias ameaçadoras, perda de sensação de continuidade de sentido do mundo.
- Fase Da Consolidação: Certa estabilidade, cristalização, com elaboração intelectual em torno do delírio. Há desorganização e reorganização.
- Estado Residual: Perda de impulso e afetividade, o paciente não confia mais e nem se relaciona com os demais, busca isolar-se.
Quais os mecanismos constitutivos ou formadores do delírio? Caracterize-os.
Os mecanismos que constituí o delírio são:
Interpretação: É a distorção radical na interpretação dos fatos e vivencias, há múltiplas interpretações e apesar de ser delirante há uma certa lógica.
Intuição: Quando o indivíduo percebe uma nova realidade irredutível, não busca provas que legitimam seu delírio.
Imaginação: É associada a interpretação.
Afetividade: Apresenta catatimia que é a distorção do conteúdo das percepções, pensamentos e lembranças devido a experiências, angústias ou desejos carregados de emoções e de afetos.
Memória: São as recordações delirantes.
Alteração da consciência: O indivíduo apresenta ansiedade intensa e confusão de pensamento.
Alterações sensoperceptivas: Construído por experiências alucinatórias ou pseudo-alucinações, desenvolve a temática e a experiência gerada pela atividade alucinatória.
Quais os mecanismos de estabilização/ manutenção do delírio?
Os mecanismos de estabilização do delírio são a inercia em mudar as ideias, pobreza de comunicação interpessoal, comportamento agressivo.
Classifique o delírio de acordo com seus conteúdos.
Delírio de perseguição: O indivíduo acredita que está sendo perseguido por pessoas conhecidas ou desconhecidas, eles acreditam que essas pessoas querem envenena-las, prende-las, por exemplo, vale ressaltar que a perseguição é o tema mais frequente dos delírios.
Delírio de referência: O indivíduo apresenta a tendência dominante a experimentar a tendência dominante a experimentar fatos cotidianos fortuitos, objetivamente sem maiores implicações, como referência a sua pessoa. 
Delírio de mecanismo: Um mecanismo psicológico particularmente importante na formação dos delírio e perseguição e de referência é que Freud denominou de projeção: inconscientemente, o indivíduo “projeta” para fora de seu mundo mental no mundo externo, ideias, conflitos, temores e desejos.
Delírio de relação: O indivíduo constrói conexões significativas entre os fatos normalmente percebidos, surgem geralmente sem motivação compreensível.
Delírio de influência e controle: O indivíduo vivência intensamente o fato de estar sendo controlado por forças, pessoas ou entidades externas. 
Delírio de grandeza: O indivíduo acredita ser extremamente espacial dotado de capacidade e poderes. Assim o delírio é dominado por ideias de poder e riqueza.
Delírio Mítico ou religioso: O indivíduo afirma ser um novo messias,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.