A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
PERÍODO DA REFORMA E CONTRARREFORMA

Pré-visualização | Página 1 de 1

PERÍODO DA REFORMA E CONTRARREFORMA 
1.500 à 1750
Contexto
A Europa é berço deste movimento, que tentou modificar o sistema da teologia cristã por novos paradigmas, principalmente sob uma maior fundamentação bíblica. Além da Europa houve uma grande expansão à América do Sul por missionários portugueses e espanhóis (que na era moderna será de suma importância). 
Contexto
A região da Europa Ocidental teve como referências Martinho Lutero, Huldrych Zwinglío e João Calvino. Houve uma sucessão de acontecimentos e a grande concentração da reforma se dá por Lutero na Universidade de Wittenberg (nordeste alemão).
Contexto
Um grande momento da expansão do cristianismo concentra-se em 1600, pela exportação da teologia na América do Sul, além do oriente (Índia, China e o Japão). 
Termos
Reforma é um termo amplo que designa e expressa as reformas: Luterana, a igreja reformada (calvinismo) , a reforma radical (anabatismo) e a contrarreforma (reforma católica). Em sentido mais restrito, usadas em várias obras é concentrada na reforma magisterial ou principal (igreja luterana e reformada), excluindo-se a reforma católica e o anabatismo. 
Reforma Magisterial
Reforma magisterial, proposta por Martinho Lutero, prevê até certo ponto o poder à disciplina, repressão à heresia e a manutenção da ordem (príncipes, magistrados, conselheiros municipais).
Principais Nomes da Reforma
Martinho Lutero: estudou em Erfurt dedicando-se à ciência antes de iniciar seus estudos teológicos no mosteiro agostiniano local. Ensinou estudos bíblicos sobre Salmos, Romanos, Gálatas e Hebreus (período de 1512-1518). Nesse período houve grande transformação à doutrina da justificação, proposta por Lutero, frente à indignação a uma necessidade de mudança da igreja quanto ao afastamento da doutrina e práticas do novo testamento.
Lutero
Em 1517 Lutero publicou as 95 teses sobre as indulgências. A principal ideia era que a igreja havia tornado mandante do evangelho e não sua serva. Desenvolveu a doutrina da justificação pela fé na obra “A liberdade de um cristão”.
João Calvino
Nasceu em Noyon, nordeste de Paris, em 1509, centro do meio acadêmico escolástico, mudando-se pera Orleans, onde estudou direito civil. Converteu-se com seus vinte e poucos anos e associou-se aos movimentos de reforma que resultou um seu exílio à Basiléia. 
Huldrych Zwinlglío
Importante nome para a propagação inicial da reforma, estudou em Viena e Basiléia antes do trabalho paroquial do leste da Suíça, apesar de não causar o mesmo impacto de Lutero e Calvino, por estes concentrarem abordagens criativas e sistemáticas. 
A reforma Luterana
O cerne desta reforma é a doutrina da justificação, principalmente através da publicação das 95 teses, alcançou uma extensão maior, já que nesse período a instituição da Universidade não representava importante elemento teológico (Wittenberg). 
A reforma Luterana
As indulgências
Era uma forma natural da expressão de gratidão de maneira prática, a oferta era de gratidão e não condição para o perdão. Porém, no tempo de Lutero esse ato havia se corrompido, tornando-se num sentido distorcido, as pessoas achavam este uma forma fácil de garantir a salvação. Para Lutero o perdão é uma mudança no relacionamento entre o pecador e Deus e não especulação financeira. 
A reforma Luterana
Previa em seu programa a visão do príncipe piedoso, o que não foi aprovado por pensadores reformados como Calvino. Ilustra-se com isso uma delimitação aos territórios alemães e no muito a Escandinávia. Porém, como é configurado, predominante teologia em : Inglaterra, Países Baixos é a reformada. 
A reforma - calvinismo
Encontram-se originadas da Suíça e apesar de Calvino ter dado configuração definitiva, pensadores como Zwinglio foram precursores a este estilo. Por isso identifica-se a consolidação da igreja reformada no período de (1531) com a morte de Zwinglio e até João Calvino, principal porta-voz da década de 1550. 
A reforma - calvinismo
O termo calvinismo é utilizado para referir-se as ideias religiosas da igreja reformada, porém, no século XVI a teologia reformada se dá por ideais ou fontes além do próprio Calvino. Por isso é considerado “reformado o termo preferível para tratar das igrejas (Suíça, dos Países baixos e Alemanha). 
A reforma católica
Tida ao mesmo tempo como mudança dentro da igreja e resposta às justificações protestantes através do concílio de Trento em 1545, esclareceu aspectos confusos e inclui variantes dentro da igreja: disciplina eclesiástica, educação religiosa e atividade missionária (fundação dos jesuítas). 
Pilares da reforma
Reformadores como Lutero e Calvino defenderam uma necessidade de retorno às escrituras, constituindo um dos pilares da reforma (sola scriptura) reforçando as escrituras como suficientes à teologia cristã. A ênfase era tida da seguinte forma: quando não era possível constatar que determinada crença baseava-se nas escrituras esta não devia ser imposta a ninguém (excluída). Os sermões expositivos, comentário bíblico e as obras de teologia bíblica (como as institutas de Calvino) passaram a ser característicos da reforma. 
A doutrina da graça
Lutero domina o primeiro período da reforma, proclamando a doutrina da justificação pela fé. Vem a pergunta: como encontrar um Deus de graça? (sola fide) somente pela fé, atraíram muitos ouvintes da Europa Ocidental. Enquanto Lutero via essa importância, sendo portanto associada a reforma luterana, Calvino mantinha a doutrina, porém relacionava esta a doutrina da predestinação. A doutrina da eleição incondicional passou a ser considerada um resumo conciso da natureza imerecida da graça. 
MAPAS – centro de atividade teológica durante a reforma europeia
MAPAS – Europa

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.