A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
77 pág.
Dicionario Financeiro_Completo

Pré-visualização | Página 1 de 28

DICIONÁRIO FINANCEIRO.
Alavancagem
 Imagine que um investidor queira comprar R$ 50 mil em determinada ação e disponha de apenas R$ 30 mil. Esse investidor tem tanta certeza de que vai obter lucro com o papel que pede um empréstimo de R$ 20 mil para cobrir o restante da operação. Se as previsões dele se concretizarem, ao fim de determinado período poderá vender o papel e apurar dinheiro suficiente para pagar o empréstimo e ainda lucrar. Mas, se a ação se desvalorizar, ele terá que conseguir mais dinheiro para cobrir o prejuízo. A isso, o mercado dá o nome de alavancagem.
Alavancagem significa obter recursos para investimentos e realização de operações. Esse tipo de operação possibilita a uma empresa, fundo de investimento ou indivíduo se fortalecer numa posição através de capitais de terceiros. Na prática, quem opera alavancado investe mais do que de fato possui.
Risco é tão elevado quanto possibilidade de ganho
A alavancagem é uma operação muito arriscada, pois só se consegue êxito quando as expectativas efetivamente se confirmam. Ou seja: os ganhos obtidos através dos investimentos e aplicações têm de superar os custos do capital obtido. "O investidor deve estar muito bem informado para entrar numa posição alavancado", 
No mercado financeiro, a alavancagem é realizada quando o investidor ou até mesmo os fundos de derivativos realizam investimentos em montantes superiores aos que eles possuem, utilizando capitais de terceiros. "Muitos fundos de derivativos operam com algum grau de alavancagem", Estes investem um montante acima do seu patrimônio e se endividam para obter maiores ganhos. 
Quem aplica em um fundo de investimentos que opera alavancado tem que ter consciência do risco. Se as expectativas do gestor se confirmarem, a alavancagem pode resultar em um rendimento extraordinário. No entanto, se ocorrer o inverso, o fundo dará prejuízo e os cotistas podem até mesmo ser obrigados a colocar mais dinheiro para cobrir o prejuízo. Por isso, é importante ler com atenção o regulamento dos fundos antes de aplicar. Se o fundo puder operar alavancado, esta informação, por lei, deve constar no regulamento.
Empresa também pode operar alavancada
No universo empresarial, a alavancagem mostra o total de capitais de terceiros utilizado em investimentos por uma empresa. Em um sentido mais restrito, alavancagem pode ser a relação entre endividamento de longo prazo e o capital empregado por uma empresa. Quanto maior for este quociente - ou seja, quanto maior a utilização de capitais de terceiros de longo prazo - maior é o grau de alavancagem da companhia. 
Uma empresa que faz seus investimentos utilizando capitais de terceiros, como financiamentos de longo prazo, possui elevado grau de alavancagem. Isso mostra que esta companhia não utiliza seus próprios recursos para crescer. Mesmo neste caso, há um grande risco embutido. Os lucros obtidos em decorrência dos investimentos realizados devem compensar os custos dos capitais de terceiros utilizados na realização dos investimentos. 
Por isso, antes de comprar papéis de uma empresa, uma boa dica é verificar se ela está ou não operando alavancada, e qual o grau de alavancagem. Se for muito alto, mesmo que a empresa tenha um desempenho extraordinário nos próximos anos, sobrará pouco ou nenhum lucro para ser distribuído entre os acionistas, já que boa parte da receita será utilizada para cobrir obrigações.
Balanço
 
Em época de divulgação de resultados, os investidores ficam muito atentos aos chamados balanços das empresas que têm capital aberto nas Bolsas de Valores. A explicação é simples: o balanço mostra a saúde financeira de uma empresa e, conseqüentemente, indica se os acionistas poderão receber bons dividendos (parte dos lucros). Essa expectativa, muitas vezes, afeta o mercado acionário, empurrando as ações para cima ou para baixo.
O Balanço é um documento que mostra os ativos, passivos e demonstrativos de resultados e de fluxo de caixa num determinado período.
Os ativos representam as disponibilidades de investimentos da empresa, como caixa, estoques e bens; e os passivos são os compromissos, como contas a pagar, fornecedores, financiamentos, entre outros. O demonstrativo de resultados (DRE) revela o desempenho do faturamento, das contas de receita e despesa e do resultado final (lucro ou prejuízo). Já as demonstrações de fluxo de caixa, chamadas de Demonstrativo das Origens de Aplicações dos Recursos (DOAR), mostram quanto a empresa recebeu e pagou (receita menos despesa)
Jjunto com os balanços, as empresas divulgam notas explicativas. As de capital aberto são obrigadas a divulgar, especificamente, todas as medidas tomadas no exercício anterior e os planos para o período seguinte. “Esses detalhes são importantes e são lidos com atenção pelos investidores”, 
Os analistas fundamentalistas costumam avaliar o comportamento financeiro de uma empresa comparando os balanços, já que é possível detectar a evolução de uma ou mais contas e projetar a evolução dos resultados.
Arbitragem
A arbitragem sempre existe em situações onde ocorrem discrepâncias entre duas taxas que deveriam ser iguais. Sempre que houver alguma diferença entre uma mesma taxa, haverá a arbitragem. A operação consiste em lucrar exatamente na diferença entre elas. Vamos entender isso melhor:
Suponhamos que existam duas cidades próximas A e B, de maneira que não há custos de transporte e de transferência de dinheiro entre elas. Por ter um mercado financeiro mais desenvolvido, a taxa de juros na cidade A é inferior à da cidade B. Na cidade B, o volume de crédito ofertado não atinge o total da população demandante e, portanto, como a demanda supera a oferta, a taxa de juros sobe até que o valor dela limite a demanda ao tamanho da oferta.
Este é o cenário ideal para o arbitrador. A operação consiste em adquirir empréstimos à uma taxa inferior na cidade A e, posteriormente, emprestar este montante na cidade B a taxas superiores. Por exemplo, o arbitrador capta este dinheiro na cidade A com taxa de juros no valor de 5% e empresta novamente na cidade B com taxa no valor de 8%. O lucro da operação está na diferença entre as duas taxas. 
Por que a Arbitragem é importante para o equilíbrio dos mercados? 
O arbitrador é um elemento muito importante no mercado. Através de sua atuação, as taxas convergem, criando uniformidade nos mercados. 
Seguindo o exemplo acima, sendo percebida a existência de uma diferença entre as taxas das duas cidades, a procura por crédito na cidade A com o intuito de novamente emprestar este dinheiro na cidade B aumentará muito. O aumento de demanda por crédito na cidade A irá pressionar o preço dos juros nesta cidade. Ao mesmo tempo, na cidade B, o aumento da oferta de crédito irá baixar o preço da taxa de juros. 
Estes dois movimentos são simultâneos e somente irão parar no momento em que as taxas se igualarem, por exemplo no patamar de 6,5%. A taxa de juros das duas cidades se uniformizou e não se torna mais interessante a operação de arbitragem. 
Arbitragem com a taxa de câmbio
Esta recente desvalorização do real é vista, por muitos economistas como exagerada. Haveria então, um desequilíbrio na taxa de câmbio brasileira que estaria sobredesvalorizada. É possível imaginar, portanto, operações de arbitragem com esta taxa. Veja como:
Se o investidor possui dólar ou ativos em dólar, este pode sempre transformá-los em reais. Momentos como estes parecem ser ideais para isto. Ao converter uma quantidade de dólar em reais, o investidor obterá um montante superior de moeda nacional do que receberia se o câmbio estivesse equilibrado. Por exemplo, se o investidor trocasse US$ 100 à uma taxa de câmbio dólar/real no valor de R$ 2,30, ele receberia R$ 230. 
Com o retorno do câmbio ao seu patamar de equilíbrio, o investidor irá realizar a arbitragem se novamente transformar seus reais em dólares, obtendo uma quantia em dólares superior a inicial. Se, por exemplo, a taxa de câmbio dólar real cair para R$ 2,00, ao trocar novamente as moedas, o investidor