A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
34 pág.
kant - sobre o progresso da história

Pré-visualização | Página 1 de 12

http://dx.doi.org/10.5007/1677-2954.2013v12n1p67
ethic@ - Florianópolis v.12, n.1, p. 67 – 100, Jun. 2013.
KANT SOBRE O PROGRESSO NA HISTÓRIA 
KANT ON PROGRESS IN HISTORY 
JOEL THIAGO KLEIN 
(UFRN / Brasil) 
RESUMO 
O objetivo deste artigo é analisar o significado da tese central da filosofia kantiana da história: que a humanidade se 
encontra em um constante progresso para o melhor. Contudo, apesar de parecer a primeira vista simples, a discussão 
do próprio significado dessa tese está longe de alcançar um consenso na literatura. A originalidade deste trabalho é 
apresentar pela primeira vez um mapeamento geral, sistemático e exaustivo das diferentes interpretações e críticas 
que essa tese recebeu ao longo da história. Nesse sentido, qualquer resposta que pretenda ser minimamente 
satisfatória precisa levar em consideração todos os argumentos e posições aqui apresentados. 
Palavras-chave: Kant; filosofia da história; progresso jurídico e progresso moral 
ABSTRACT 
The objective of this paper is to analyze the meaning of the central thesis of Kantian philosophy of history: that 
humanity is in constant progress. However, although it seems simple at first glance, the question of the meaning of 
this thesis is still a topic for intense debate. The originality of this paper is to present, for the first time, a general, 
systematic and exhaustive chart of the different interpretations and criticisms this thesis has received throughout 
history. Thus, any interpretation that aims to be minimally satisfactory needs to consider all arguments and positions 
presented here. 
Keywords: Kant; philosophy of history; legal and moral progress 
A filosofia kantiana da história não é mais uma versão panglossiana da história 
caracterizada por uma ingenuidade infantil, ou por uma exigência lógica do “melhor dos mundos 
possíveis”. Kant reconhece que ao se contemplar o palco do mundo, apesar da “esporádica 
aparição da sabedoria em casos isolados, tudo, no entanto, se encontra em seu conjunto, tecido de 
loucura, vaidade infantil e, com muita frequência também de infantil maldade e ânsia 
destruidora”.1 Também concorda com Rousseau, preferindo o estado dos selvagens ao estado 
atual de civilidade, caso a humanidade não progrida moralmente, pois é neste ínterim que ela 
“padece os piores males sob a aparência enganadora do bem-estar exterior”.2 Assim, pode-se 
observar que o desenvolvimento humano está historicamente associado ao crescimento da 
miséria, da violência e da pressão social.3 Claro que Kant também não está defendendo que o 
progresso precise gerar infelicidade, já que ela é vista como consequêcia do mau uso das forças 
KLEIN, J. T. Kant sobre o progresso na história 68
ethic@ - Florianópolis v. 12, n. 1, p. 67 – 100, Jun. 2013.
racionais humanas, mas que a felicidade não pode ser tomada como o critério essencial para 
valorar o desenvolvimento humano na história. 
Mas se não se trata de um progresso do bem-estar ou da felicidade, então qual o progresso 
a que se refere a filosofia da história? Segundo Kant, a história humana é a história do 
desenvolvimento da liberdade.4 Nessa perspectiva, 
a história da natureza inicia com o bom [vom Guten], pois é obra de Deus, a história da 
liberdade inicia com o mau [vom Bösen], pois é obra do homem. Para o indivíduo, que 
no uso de sua liberdade tem em vista apenas a si mesmo, aquela mudança foi uma perda, 
para a natureza, cujos fins dizem respeito ao homem enquanto espécie, foi um ganho.5
Mas se a história da humanidade começa com uma “queda” e ainda assim se trata de um 
desenvolvimento da liberdade, então se coloca inevitavelmente a pergunta sobre que tipo de 
progresso e de ganho se está falando? Que liberdade é essa que se desenvolve na história? Ao 
longo da história da interpretação kantiana muitas respostas foram dadas a essa questão e em 
meio a essa grande multiplicidade, torna-se míster apresentar o estado da arte, algo que também 
sempre pressupõe, por sua vez, uma determinada interpretação. Para reconstruir as diversas 
respostas oferecidas ao longo da história, divide-se o texto em quatro seções: na primeira, 
apresenta-se a tese de um progresso meramente jurídico e os argumentos que fundamentam essa 
leitura; na segunda seção, identifica-se a tese e os argumentos usados para defender a tese de um 
progresso moral; na terceira seção, expõe-se as críticas sistemáticas tanto à leitura jurídica, 
quanto à leitura moral; finalmente, na quarta seção apresenta-se algumas leituras que defendem 
uma posição intermédia. 
1. Tese do progresso meramente jurídico 
Uma leitura frequente acerca do progresso na filosofia kantiana da história é aquela que 
restringe o enfoque do progresso ao mero desenvolvimento da liberdade externa e, 
consequentemente, ao âmbito no qual ela se manifesta, o da legalidade. Essa leitura tem como 
consequência uma aguda separação entre o âmbito da ética e filosofia da religião e o âmbito do 
direito e da filosofia da história.6 
Para Höffe, por exemplo, “o progresso só pode ser esperado no âmbito exterior, na 
instituição de relações de direito segundo critério da razão prática pura. A fundação de estados de 
69 KLEIN, J. T. Kant sobre o progresso na história 
ethic@ - Florianópolis v. 12, n. 1, p. 67 – 100, Jun. 2013.
direito e a sua convivência em uma comunidade mundial de paz é a suma tarefa, o fim terminal 
da humanidade.”7 Ou ainda, como assevera ironicamente Geismann: 
A filosofia da história e a filosofia da religião, na medida em que elas por princípio não 
podem se tocar em lugar algum ou se intersectar, possuem igualmente por princípio algo 
que as une, o volume que as amarra à filosofia prática kantiana, a qual pressupõe ambas 
respectivamente como complemento necessário.8 
Ao restringir a relação entre a filosofia da história e a filosofia da religião ao volume da 
academia no qual os textos de Kant estão editados, mostra-se o quão drasticamente o autor 
compreende a separação entre aqueles âmbitos da filosofia prática. Também Brandt assume tal 
posição: para Kant, “em seu sujeito moral e social não há qualquer reflexão sobre a relação de 
ambos os níveis do agir. Os móbeis sociais são legalmente canalizados, mas não eticamente 
socializados; a virtude não é chamada para se contrapor às três formas da paixão”, pois, segundo 
Brandt, “a Natureza cuidou para que o dever do indivíduo e da igreja ética não consigam superar 
a violência fática da luta por reconhecimento em relação ao lenho retorcido”,9 isto é, Brandt 
interpreta a tese do lenho retorcido na IaG como um inescapável fato antropológico que impede a 
perspectiva de um melhoramento nas disposições dos indivíduos. Também Wild se alinha a essa 
interpretação.10
No Brasil, essa leitura foi defendida por Terra. Segundo ele, “se a filosofia da história e a 
política abrem novos horizontes para a realização do direito”, então em relação a ética, “estes 
horizontes já tinham sido abertos em uma obra anterior à Doutrina das virtudes, ou seja, em A 
religião nos limites da simples razão.”11 Em outras palavras, pode-se “entender a filosofia da 
história como história das conquistas e consolidação do direito e a política como ausübende 
Rechtslehre”, enquanto que se compreende a RGV na perspectiva da comunidade ética.12 Dessa 
forma, “a política visa ao bem-estar dos cidadãos, mas só vê sua obtenção como acréscimo da 
ação que tem como ponto de partida o direito. Nessa medida, é a realização do direito racional 
sem descuidar da prudência.”13
i. Argumento da opacidade da ação humana 
 
Toda história,