A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Anatomia Animal - Sistema Nervoso ligado aos equinos.

Pré-visualização | Página 1 de 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI- UFVJM
FCA- ZOOTECNIA
Deidimara Mafra, Julia Eduarda, Maria Eduarda.
 ANATOMIA ANIMAL
DIAMANTINA- MG
2018
UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI- UFVJM
FCA- ZOOTECNIA
Deidimara Mafra, Julia Eduarda, Maria Eduarda.
Confecção de aquários para o corte transversal da cabeça de um equino 
Trabalho apresentado à disciplina de Anatomia Animal, ministrada pelo Professor Dr. Alexandro Aluísio Rocha, como requisito parcial para a obtenção de créditos.
DIAMANTINA – MG
2018
SUMÁRIO 
1. INTRODUÇÃO................................................................................................4 
2. OBJETIVO GERAL.........................................................................................9
3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS .........................................................................9 
4. MATERIAIS E MÉTODOS..............................................................................9
5. RESULTADOS E DISCUSSÃO......................................................................10
6. CONCLUSÃO.................................................................................................10
7. AGRADECIMENTOS......................................................................................11
8. REFERÊNCIAS...............................................................................................11
INTRODUÇÃO: 
Os primeiros ancestrais dos equinos viveram no período eoceno, a cerca de 55 milhões de anos, denominado Hyracotherium. Ele possuía quatro dígitos, e media cerca de 40cm de altura e 70cm de comprimento. Ainda nesse período, a 49 milhões de anos surgiu o Propahaotherium possuindo 70cm de altura e 1m de comprimento com 4 dígitos nas patas dianteiras e 3 nas patas traseiras. 
No período oligoceno, há 35 milhões de anos surgiu o Mesohippus, que possuía 60cm de altura, e 1m de comprimento, pesando entre 40 a 50kg e continha 3 dígitos. 
No período mioceno, há 25 milhões de anos apareceu o Parahippus, que continha 80cm de altura e 1,3m de comprimento, e pesava de 60 a 70kg. 
No período plioceno, há 5 milhões de anos, surgiu o Pliohippus, com aproximadamente 1,2m de altura e 1,5m de comprimento, pesando entre 70 e 80kg, agora com um dígito, como o cavalo atual. 
No período pleistoceno, há 2 milhões de anos apareceu o Onohippidium, com cerca de 1,5m de altura e 650kg.
O gênero Equus, que antecede diretamente o cavalo moderno, apareceu também no período pleistoceno, há cerca de 1 milhão de anos. 
 
Sistema Nervoso: 
Sistema Nervoso é uma rede de comunicações que capacitam animal a se ajustar às alterações no meio externo e interno. Ele apresenta componentes sensoriais que detectam modificações ambientais. 
Esse sistema é dividido em sistema nervoso centra e sistema nervoso periférico. O sistema nervoso central se distribui em encéfalo e medula. Já o sistema nervoso periférico se ramifica em sistema nervoso periférico somático e sistema nervoso periférico autônomo, esse sistema ainda se ramifica em simpático e parassimpático. 
Sistema Nervoso Central:
O sistema nervoso central é constituído em encéfalo e medula espinhal, que se dividem de acordo com o esquema abaixo. 
A medula espinhal conduz os potenciais de ação dos estímulos motores do encéfalo para as porções distais, conduz estímulos sensitivos das partes distais para o encéfalo. Ela recebe potenciais de ação oriundos de receptores da pele, músculos, tendões, articulações e órgãos viscerais. Também emite axônios dos nervos motores inferiores que saem pela raiz ventral e atingem o músculo esquelético. A medula contém axônios que conduzem informações sensoriais para o cérebro e do cérebro para os neurônios motores inferiores, integrando as partes mais distantes do corpo ao centro nervoso. 
O bulbo contém vários núcleos motores de nervos cranianos e centros autônomos que controlam o coração, a respiração, pressão sanguínea, reflexo da tosse, da deglutição e do vômito.
A ponte possui grande quantidade de neurônios que retransmite informações dos hemisférios cerebrais para o cerebelo garantindo assim a coordenação dos movimentos e a aprendizagem motora, ou seja, serve de elo entre as informações do córtex que vão para o cerebelo para que este coordene os movimentos pretendidos e reais e participa da regulação da respiração.
O mesencéfalo é importante para o movimento ocular e o controle postural subconsciente e contem a formação reticular que regula a consciência. Ele dispõe de um sistema de conexão dos sistemas auditivos e visual.
O diencefalo é dividido em tálamo e hipotálamo, o primeiro processa os estímulos sensoriais que se projetam para o córtex cerebral e estímulos motores provenientes do córtex cerebral para o tronco encefálico e a medula espinhal. E o segundo regula o S.N.A., hipófise, a temperatura corporal, a ingestão de alimentos e o equilíbrio hídrico.
Os hemisférios cerebrais são formados pelo córtex cerebral, substância branca subjacente e gânglios da base eles contém estruturas associadas as funções sensoriais e motoras superiores e à consciência.
Sistema Nervoso Periférico: 
O Sistema nervos periférico é constituído por nervos cranianos e espinhais com seus gânglios associados e as terminações nervosas. 
Os nervos espinhais são aqueles que fazem conexão com a medula espinhal e são responsáveis pela inervação do tronco, membros e parte da cabeça, eles saem aos pares da medula, a cada espaço intervertebral. São formados pela união das raízes dorsais e ventrais, formam o tronco, saem pelo forame intervertebral e logo em seguida formam os ramos anteriores e posteriores. 
Os nervos cranianos são os que fazem conexão com encéfalo (cérebro, cerebelo e tronco encefálico) sendo que a maioria faz conexão com o tronco encefálico.Esses nervos sensoriais ou motores servem à pele, músculos da cabeça e órgãos especiais dos sentidos, tais como:
Audição;
Olfato. 
Paladar;
Tato;
Visão.
Os nervos cranianos são divididos em doze pares: 
	Olfatório; 
	Facial;
	Óptico;
	Vestíbulo- coclear;
	Oculomotor;
	Glossofaríngeo;
	Troclear;
	Vago;
	Trigêmio;
	Acessorio
	Abducente;
	Hipoglosso. 
Os Cinco Sentidos E Seu Vínculo Com Os Nervos Craniais: 
Audição:
O cavalo tem audição muito bem desenvolvida, o que lhe permite ouvir ruídos de longa distância e distinguir de que direção este veio. A posição das orelhas do cavalo demonstra, de forma simples e direta, quais as suas intenções. 
O nervo vestíbulo-coclear está diretamente relacionado a audição, sua função é orientar a movimentação e a audição. É um nervo sensitivo, as fibras desse nervo auxiliam impulsos nervosos relacionados ao equilíbrio e audição. 
Olfato: 
No estado selvagem, o cavalo tem capacidade de sentir o cheiro de seus inimigos a 2 km de distância. Os cavalos se identificam pelo seu odor, cheirando sucessivamente a narina, o flanco, a inserção da cauda, a base do pescoço e a virilha. 
O nervo olfatório é um nervo sensitivo, com a função de olfação, sua origem se da no bulbo olfatório. 
Paladar: 
Os animais possuem capacidade um pouco superior à do homem de sentir o gosto dos alimentos, pois possuem a capacidade de identificar alguns venenos colocados junto à sua alimentação. 
Os cavalos têm uma preferencia por alimentos doces, gostando muito de açúcar que é normalmente utilizado como agrado. A ingestão de sal, que o animal deve fazer no seu dia a dia se da muito mais por necessidade fisiológica que por preferencia de paladar. 
O nervo glossofaríngeo tem percepções gustativas no posterior da língua e sensoriais da faringe, laringe e palato. É um nervo misto. 
Tato: 
O tato do equino é diferente do de outras espécies, sendo considerado tato três partes diferentes do cavalo: as vibrissas, os cascos e a percepção cutânea.
Vibrissas são os pelos táteis da extremidade do focinho utilizados para reconhecer

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.