A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
53 pág.
Aula 05   Planejamento Governamental

Pré-visualização | Página 1 de 15

C A M I L A C A N D E I R A M A G A L H A E S , C P F : 6 1 3 9 4 1 6 5 3 1 5
C A M I L A C A N D E I R A M A G A L H A E S , C P F : 6 1 3 9 4 1 6 5 3 1 5
CURSO ON-LINE - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 
TEORIA, EXERCÍCIOS E DISCURSIVA P/ TCU 
PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 
 
www.pontodosconcursos.com.br 1
Aula 5 
PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL 
 
 
Olá amigos! Como é bom estar aqui! 
 
Esta aula visa suprir a maior carência que tive ao estudar AFO para concursos. 
Pouco ou quase nenhum material, pouco ou quase nenhum professor se 
predispõe a ensinar sobre as leis que regem o Planejamento Governamental. 
São elas: Lei 10.180/01 - Sistema de Planejamento e de Orçamento Federal; 
Decreto 2829/98 - Normas para a elaboração e execução do Plano Plurianual e 
dos Orçamentos da União; Lei 11.653/08 - PPA 2008-2011 e Decreto 
6.601/2008 - Gestão do Plano Plurianual 2008-2011 e de seus programas. Por 
meio da Lei 11.653/08 e do Decreto 6.601/2008 estudaremos o Plano 
Plurianual: a estrutura, base legal, objetivos, conteúdo, tipos de programas. 
 
Você verá que aqui se cobra a letra da lei. Assim, não explicarei tão 
detalhadamente os termos utilizados, o que tornaria a aula mais extensa ainda 
e sairíamos do foco do que as provas realmente cobram. 
 
Minha missão será a de um facilitador da aprendizagem, mais ainda do que 
nas outras aulas. Minha metodologia será organizar os dispositivos das leis 
que realmente as bancas cobram nas provas e tornar a leitura bem mais 
agradável do que a leitura da letra fria da lei. Verá, nos exercícios, que alguns 
pontos se repetem nas questões e é isso que quero mostrar ao estudante, para 
que ele estude o que realmente é cobrado nas provas. 
 
Ao final trataremos das questões discursivas, incluindo o cronograma e as 
regras gerais para envio e correção. 
 
Relembro que a Constituição Federal de 1998 (CF/88) recuperou a figura do 
planejamento na administração pública brasileira, mediante a integração entre 
C A M I L A C A N D E I R A M A G A L H A E S , C P F : 6 1 3 9 4 1 6 5 3 1 5
C A M I L A C A N D E I R A M A G A L H A E S , C P F : 6 1 3 9 4 1 6 5 3 1 5
CURSO ON-LINE - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 
TEORIA, EXERCÍCIOS E DISCURSIVA P/ TCU 
PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 
 
www.pontodosconcursos.com.br 2
plano e orçamento por meio da criação do Plano Plurianual (PPA) e da Lei de 
Diretrizes Orçamentárias (LDO). O PPA, assim como a LDO, é uma inovação 
da Constituição de 1988. Antes do PPA, existiam outros instrumentos de 
planejamento estratégico, como o Orçamento Plurianual de Investimentos 
(OPI), o qual não se confunde com o PPA. 
 
1. LEI 10.180/01 
 
1.1 Considerações Iniciais 
 
As atividades de planejamento e de orçamento federal, de administração 
financeira federal, de contabilidade federal e de controle interno do Poder 
Executivo Federal são organizadas por sistemas. Assim, a Lei 10.180/2001 
trata da organização e disciplina os Sistemas de Planejamento e Orçamento 
Federal, de Administração Financeira Federal, de Contabilidade Federal e de 
Controle Interno do Poder Executivo Federal. 
 
Em nossa matéria, as questões de prova versam principalmente sobre o 
Sistema de Planejamento e Orçamento Federal e sobre o Sistema de 
Administração Financeira Federal. 
 
1.2 Sistema de Planejamento e Orçamento Federal 
 
1.2.1 Composição 
 
O Sistema de Planejamento e Orçamento Federal compreende as atividades 
de elaboração, acompanhamento e avaliação de planos, programas e 
orçamentos, e de realização de estudos e pesquisas sócio-econômicas. 
Integram o Sistema: 
• O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, como órgão 
central; 
• Órgãos setoriais, que são as unidades de planejamento e orçamento 
dos Ministérios, da Advocacia-Geral da União, da Vice-Presidência e da 
C A M I L A C A N D E I R A M A G A L H A E S , C P F : 6 1 3 9 4 1 6 5 3 1 5
C A M I L A C A N D E I R A M A G A L H A E S , C P F : 6 1 3 9 4 1 6 5 3 1 5
CURSO ON-LINE - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 
TEORIA, EXERCÍCIOS E DISCURSIVA P/ TCU 
PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 
 
www.pontodosconcursos.com.br 
 
3
Casa Civil da Presidência da República. O órgão setorial desempenha o 
papel de articulador no seu âmbito, atuando verticalmente no processo 
decisório e integrando os produtos gerados no nível subsetorial, 
coordenado pelas unidades. Ficam sujeitos à orientação normativa e à 
supervisão técnica do órgão central do Sistema, sem prejuízo da 
subordinação ao órgão em cuja estrutura administrativa estiver 
integrado. Os órgãos integrantes da Presidência da República, 
ressalvados outros determinados em legislação específica, estão na 
área de atuação do órgão setorial da Casa Civil. 
• Órgãos específicos, que são aqueles vinculados ou subordinados ao 
órgão central do Sistema, cuja missão está voltada para as atividades de 
planejamento e orçamento. Também estão sujeitos à orientação 
normativa e à supervisão técnica do órgão central, sem prejuízo da 
subordinação ao órgão em cuja estrutura administrativa estiver 
integrado. 
 
As unidades de planejamento e orçamento das entidades vinculadas ou 
subordinadas aos Ministérios e órgãos setoriais ficam sujeitas à orientação 
normativa e à supervisão técnica do órgão central e também, no que couber, 
do respectivo órgão setorial. Por exemplo, a unidade de planejamento e 
orçamento da Universidade Federal de Juiz de Fora fica sujeita à orientação 
normativa e supervisão técnica do órgão central (MPOG) e, no que couber, do 
respectivo órgão setorial (Ministério da Educação). 
 
A CF/88 concede autonomia administrativa e financeira em alguns dos seus 
dispositivos, como no art. 99, quando determina que “ao Poder Judiciário é 
assegurada autonomia administrativa e financeira”. Da mesma forma, dispõe 
que essa autonomia não é irrestrita, como no § 1º do artigo citado: “Os 
tribunais elaborarão suas propostas orçamentárias dentro dos limites 
estipulados conjuntamente com os demais Poderes na lei de diretrizes 
orçamentárias”. 
 
A Lei 10.180/01 reforça que esta autonomia não é irrestrita, dispondo que: 
C A M I L A C A N D E I R A M A G A L H A E S , C P F : 6 1 3 9 4 1 6 5 3 1 5
C A M I L A C A N D E I R A M A G A L H A E S , C P F : 6 1 3 9 4 1 6 5 3 1 5
CURSO ON-LINE - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 
TEORIA, EXERCÍCIOS E DISCURSIVA P/ TCU 
PROFESSOR: SÉRGIO MENDES 
 
www.pontodosconcursos.com.br 4
Art. 5o Sem prejuízo das competências constitucionais e legais de outros 
Poderes, as unidades responsáveis pelos seus orçamentos ficam sujeitas à 
orientação normativa do órgão central do Sistema. 
 
1.2.2 Finalidades 
 
Conhecida sua estrutura, vamos à finalidade do Sistema. Segundo o art.2º da 
referida Lei, são finalidades do Sistema de Planejamento e de Orçamento 
Federal: 
• Formular o planejamento estratégico nacional; 
• Formular planos nacionais, setoriais e regionais de desenvolvimento 
econômico e social; 
• Formular o plano plurianual, as diretrizes orçamentárias e os 
orçamentos anuais; 
• Gerenciar o processo de planejamento e orçamento federal; 
• Promover a articulação com os Estados, o Distrito Federal e os 
Municípios, visando a compatibilização de normas e tarefas afins 
aos diversos Sistemas, nos planos federal, estadual, distrital e 
municipal. 
 
1.2.3 Competências 
 
Trataremos agora das competências no Sistema de Planejamento e Orçamento 
Federal. Segundo o art. 7º da Lei 10.180/01, compete às unidades 
responsáveis pelas atividades de PLANEJAMENTO: 
• Elaborar e supervisionar a execução de planos e programas 
nacionais e setoriais de desenvolvimento econômico e social; 
• Coordenar a elaboração

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.