A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Exercícios Sistemática

Pré-visualização | Página 1 de 1

Sistemática e Diversidade Biológica 
Conceito de Espécie 
 
1) Triatominae (Hemiptera: Reduviidae) compreendem uma subfamília de insetos hematófagos vetores do agente 
causador da doença de Chagas, Trypanosoma cruzi. A maioria dos triatomíneos é vetor potencial do T. cruzi, mas 
somente alguns têm se tornado bem adaptados a viver em habitações humanas e são, por isso, de grande 
importância epidemiológica. Uma dessas espécies é Rhodnius prolixus, o principal vetor da doença de Chagas na 
Venezuela, Colômbia e América Central. Porém, na Venezuela, tem havido dificuldade na identificação dessa espécie 
devido à presença de Rhodnius robustus, uma espécie silvestre intimamente relacionada e morfologicamente similar 
a R. prolixus. A distribuição dessas duas espécies sobrepõe-se no norte da América do Sul (Colômbia, Venezuela, 
Bolívia, Equador, Guiana Francesa e Norte do Brasil) com R. prolixus ocorrendo do norte da América Central ao Sul 
do México. 
 
Monteiro et al. (2003) fizeram uma análise molecular utilizando representantes dessas populações e obtiveram os 
seguintes resultados: 
 
Com base nas informações acima explique: 
 
A. Qual o número de espécies realmente tratadas no trabalho? Justifique a partir de um conceito de espécie 
assumido. 
B. De acordo com o conceitos filogenéticos de espécie (monofilético, autapomórfico e diagnóstico), R. robustus pode 
ser considerado uma espécie válida? Justifique para cada um três dos conceitos 
 
Referências: 
 
Monteiro FA, Barrett TV, Fitzpatrick SD, Cordon-Rosales C; Feliciangeli A, Beard CB (2003) Molecular Phylogeography 
of the Amazonian Chagas Disease vectors Rhodnius prolixus and Rhodnius robustus. Molecular Ecology, 12, 997-
1006. 
Sistemática e Diversidade Biológica 
Conceito de Espécie 
 
2) Haffer (1974) apresentou um caso de populações de tucanos com variações morfológicas. Ele utilizou o conceito 
biológico de espécie e considerou que havia apenas uma espécie de tucano. O autor mostrou que Ramphastos 
vitellinus está distribuído ao longo da Amazônia, mas subdividido em três táxons evolutivos relativamente definidos. 
Estes táxons foram entendidos pelo autor como subespécies que formam intergrados (“hibridização” dentro de uma 
espécie) ao norte e ao sul do rio Amazonas. Haffer encontrou clinas (mudança gradual e quase contínua de um 
caráter entre populações; gradiente de caráter) entre as populações, com a frequência de certos caracteres 
diminuindo desde as populações das Guianas e Venezuela (Ramphastos vitellinus vitellinus) até as do leste, no 
Equador e Peru (Ramphastos vitellinus culminatus), aumentando para as populações do Brasil Central e Sudoeste 
(Ramphastos vitellinus ariel). Esta clina foi interpretada por Haffer como resultado de fluxo gênico dentro das 
populações, que formam intergrados quando em contato secundário, justificando assim a ausência de isolamento 
reprodutivo. 
Estudos recentes de Patané et al. (2009) fornecem informações novas sobre a história filogenética (A) e distribuição 
geográfica (B) de Ramphastos vitellinus, na qual foi incluída na análise outra subespécie: Ramphastos vitellinus 
citreolaemus.
 
Figura: Inferência filogenética (A) e distribuição geográfica (B) de Ramphastos vitellinu. Valores dos ramos representam o suporte dos grupos 
monofiléticos. Legenda: N – norte; NE – nordeste; SE – Sudeste; ? – indica um grupo de status taxonômico ainda em discussão (não 
amostrado). R. brevis – grupo externo. 
 
Baseado em todos os dados apresentados, pergunta-se: 
 
A) Pode-se dizer que a divisão de subespécies em Ramphastos vitellinu está correta? Justifique sua resposta 
utilizando-se do que significa subespécie para a taxonomia.
 
B) Quantas espécies distintas há em “Ramphastos vitellinus” se considerado o conceito morfológico, 
biológico, autapomórfico e monofilético de espécie? Justifique sua resposta para cada um dos conceitos. 
 
Referências: 
 
Haffer J (1974) Avian speciation in tropical South America, with a systematic survey of the toucans (Ramphastidae) 
and jacamars (Galbulidae). Publications of the Nuttall Ornithological Club 14, 1-390. 
 
Patané JSL, Weckstein JD, Aleixo A, Bates JM (2009) Evolutionary history of Ramphastos toucans: Molecular 
phylogenetics, temporal diversification, and biogeography. Molecular Phylogenetics and Evolution, 53, 923-934. 
 
Sistemática e Diversidade Biológica 
Conceito de Espécie 
 
3) Em 1974, Charles W. Brown (Brown 1974) analisou casos de hibridização existente entre as subespécies da 
salamandra Ensatina eschscholtzi. As subespécies são identificadas a partir de características fenotípicas exclusivas 
de uma determinada distribuição geográfica ilustradas na figura abaixo. Além disso, Kuchta (2009) propôs uma 
hipótese filogenética utilizando-se de sequencias de DNA mitocondrial. Na sua opinião, qual o número real de 
espécies tratadas abaixo?

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.