A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
74 pág.
Aula   Intensivo TRF 2ª Região

Pré-visualização | Página 1 de 5

1
Prof. Ricardo Torques
PROTEÇÃO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA
https://www.facebook.com/direitoshumanosparaconcursos/
1. Estatuto das Pessoas com Deficiência (Lei nº 13.146/2015)
2. Resolução CNJ 230/2016 
3. Normas de apoio às pessoas portadoras de deficiência e sua 
integração social (Lei nº 7.853/1989 e Decreto 3.298/1999)
4. Normas de Acessibilidade (Lei nº 10.048/2000 e Decreto nº 
5.296/2004)
5. Normas sobre Prioridade de Atendimento (Lei nº 10.098/2000 e 
Decreto nº 5.296/2004)
2
 TERMINOLOGIA
 “portador de deficiência”
 “pessoa com deficiência”
 MODELOS
 médico
 social
3
 CONVENÇÃO DE NOVA IORQUE E SEU PROTOCOLO FACULTATIVO
 Decreto Legislativo 186/2008
 Decreto Executivo 6949/2009
 Art. 5º, §3º, CF
 PORTANTO...
4
O Estatuto da Pessoa com Deficiência, instituído pela Lei brasileira no
13.146/2015,
a) resultou da condenação do Brasil pela Comissão Interamericana de
Direitos Humanos e da recomendação internacional para que o país incluísse
medidas protetivas da pessoa deficiente em sua legislação.
b) baseia-se na Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e
em seu Protocolo Facultativo, em vigor no plano interno desde a promulgação
do respectivo Decreto, em 2009.
c) constitui mudança legislativa relevante do ponto de vista humanitário, mas
de pouco impacto jurídico, considerando que é norma programática que não
inova na ordem jurídica.
d) inspira-se na diretriz da incapacidade da pessoa deficiente, para sua
proteção.
5
6
Disposições Preliminares
 FINALIDADE
 Art. 1º É instituída a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência
(Estatuto da Pessoa com Deficiência), destinada a assegurar e a promover, em
condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais
por pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania.
 CARACTERIZAÇÃO
7
 CARACTERIZAÇÃO
 Art. 2º Considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimento de
longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em
interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e
efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas.
 AVALIAÇÃO DA DEFICIÊNCIA
 impedimentos nas funções e estruturas do corpo
 fatores socioambientais, psicológicos e pessoais
 limitações para o desempenho de certas atividades
 restrições de participação.
8
 CONCEITOS LEGISLATIVOS – art. 3º
9
BARREIRAS
qualquer entrave, obstáculo, atitude ou 
comportamento que limite ou impeça a 
participação social da pessoa, bem como o 
gozo, a fruição e o exercício de seus direitos à 
acessibilidade, à liberdade de movimento e 
de expressão, à comunicação, ao acesso à 
informação, à compreensão, à circulação com 
segurança, entre outros.
 CONCEITOS LEGISLATIVOS – art. 3º
 ACESSIBILIDADE: criação de condições para permitir o acesso às pessoas com
limitações em igualdade de condições
 DESENHO UNIVERSAL: criação de produtos, ambientes, programas e serviços
acessíveis a todos
 TECNOLOGIA ASSISTIVA (ou ajuda técnica): criação de produtos, equipamentos,
dispositivos, recursos etc. a fim de atender às pessoas com deficiências
 BARREIRAS: entraves existentes na sociedade que limite ou impeça o acesso a
todas as pessoas em igualdade de condições
 COMUNICAÇÃO: forma de interação dos cidadãos abrangendo as línguas
(inclusive LIBRAS), o Braille, sinais de sinalização, comunicação tátil etc.
 PESSOA COM MOBILIDADE REDUZIDA: pessoa que tenha dificuldade de
movimentação (permanente ou temporária)
1
0
 IGUALDADE  NÃO-DISCRIMINAÇÃO
11
 POSTULADOS PROTETIVOS GERAIS
 Art. 4º Toda pessoa com deficiência tem direito à igualdade de oportunidades com as 
demais pessoas e não sofrerá nenhuma espécie de discriminação.
 CONCEITO DE DISCRIMINAÇÃO
§ 1º Considera-se discriminação em razão da deficiência toda forma de distinção, restrição 
ou exclusão, por ação ou omissão, que tenha o propósito ou o efeito de prejudicar, impedir 
ou anular o reconhecimento ou o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais de 
pessoa com deficiência, incluindo a recusa de adaptações razoáveis e de fornecimento de 
tecnologias assistivas.
 OBRIGATORIEDADE DE FRUIÇÃO - §2º
Um assistente social atendeu um adolescente com deficiência, cuja 
queixa era discriminação no ambiente educacional. Com base na Lei de 
inclusão n°13.146/2015, considera-se discriminação.
a) manifestação de desafeto à pessoa com deficiência, por expressar 
rebaixamento da condição de ser humano e, ainda, expressão de rejeição 
com base na condição hegemônica da maioria dos cidadãos.
b) toda forma de distinção, restrição ou exclusão, por ação ou omissão, 
que tenha o propósito ou o efeito de prejudicar, impedir ou anular o 
reconhecimento ou o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais 
de pessoa com deficiência, incluindo a recusa de adaptações razoáveis e 
de fornecimento de tecnologias assistivas.
12
Um assistente social atendeu um adolescente com deficiência, cuja 
queixa era discriminação no ambiente educacional. Com base na Lei de 
inclusão n°13.146/2015, considera-se discriminação.
c) expressão ou palavras de desagravo que possam ser comprovadas por 
vídeos e gravação, indicando possível negligência; recusa do 
fornecimento das condições de acessibilidade e tecnologias assistivas, 
adaptadas a cada tipo de deficiência tanto mental como física.
d) todo tipo de omissão ou atitude relacionadas ao impedimento de 
acessibilidade e prejuízo da pessoa com deficiência e por deficiência 
reconhece-se todo o tipo de incapacidade descrita na convenção 
internacional da pessoa com deficiência.
e) toda a forma de distinção que resulte na subalternização da pessoa 
com deficiência e que incida na dificuldade de acesso a todos os tipos de 
serviços, bem como o cerceamento das liberdades individuais.
13
 CAPACIDADE – art. 6º
Art. 6º A deficiência não afeta a plena capacidade civil da pessoa, inclusive para:
I - casar-se e constituir união estável;
II - exercer direitos sexuais e reprodutivos;
III - exercer o direito de decidir sobre o número de filhos e de ter acesso a
informações adequadas sobre reprodução e planejamento familiar;
IV - conservar sua fertilidade, sendo vedada a esterilização compulsória;
V - exercer o direito à família e à convivência familiar e comunitária; e
VI - exercer o direito à guarda, à tutela, à curatela e à adoção, como adotante ou
adotando, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas.
14
Direito à vida;
Direito à habitação e à 
reabilitação;
Direito à saúde;
Direito à educação;
Direito à moradia;
Direito ao trabalho;
Direito à assistência social;
Direito à previdência social;
Direito à cultura, ao esporte, ao 
turismo e ao lazer;
Direito ao transporte e à 
mobilidade.
15
DIMENSÃO:
 negativa
 positiva
AUTONOMIA PARA INTERVENÇÕES CIRÚRGICA
 veda-se a submissão
 consentimento 
16
 IGUALDADE DE CONDIÇÕES
DIRETRIZES
 diagnóstico e intervenção precoces
 adoção de medidas compensatórias para o desenvolvimento de aptidões
 desenvolvimento de políticas públicas
 oferta de serviços públicos específicos, próximos do domicílio do deficiente
17
SUS SUAS
AÇÕES ARTICULADAS 
PARA DEFESA DE PESSOAS 
COM DEFICIÊNCIA
COORDENAÇÃO DO SUS
 Promoverá atenção integral em todos os níveis de complexidade
 Proporcionará acesso universal e igualitário.
PARTICIPAÇÃO DE DEFICIENTES
ATENDIMENTO A REGRA ÉTICAS E TÉCNICAS
DIRETRIZES DO ART. 18, §4º, DO ESTATUTO
18
 AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DEFICIÊNCIAS
 Acompanhamento na gravidez, parto e puerpério
 Práticas alimentares adequadas e saudáveis
 Imunização e triagem