A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
95 pág.
TERAPIA MANUAL

Pré-visualização|Página 1 de 95

GUIA PRÁTICO DE TERAPIA MANUAL:
AVALIAÇÃO DE MOBILIDADE E TÉCNICAS DE MOBILIZAÇÃO
AUTORAS:
Juliana M. Ocarino, ScD
Professora Departamento de Fisioterapia, UFMG
Cintia Freire
Mestre em Ciências da Reabilitação, UFMG
Shirlene Humphreis
Bacharel em Fisioterapia, UFMG
Thayná Rezende
Aluna Curso de Graduação em Fisioterapia, UFMG
EDIÇÃO:
Juliana M. Ocarino, ScD
Professora Departamento de Fisioterapia, UFMG

G943
2015
Guia prático de terapia manual : avalição de mobilidade e técnicas de
mobilização / Juliana M. Ocarino...[et al.] -- Belo Horizonte :
Autoras, 2015.
94p. : il.
1.Fisioterapia. 2.Avaliação. 3. Movimento articular. I. Ocarino,
Juliana de Melo.
CDU:615.8
Ficha catalográfica elaborada pela equipe de bibliotecários da Biblioteca da Escola de Educação Física,
Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Minas Gerais.

Prefácio
O objetivo deste guia é funcionar como um material didático de suporte para aulas
práticas de terapia manual, bem como atender àqueles interessados em aplicar
essas técnicas na prática clínica. O guia está organizado por capítulos que se
referem às diferentes articulações/segmentos. Cada capítulo apresenta uma breve
revisão de dados cinesiológicos dos movimentos de cada segmento, seguida de
testes e técnicas destinados a avaliar e tratar as disfunções de mobilidade articular
ou tecidual. Este guia não visou esgotar todo amplo espectro de técnicas de
avaliação e tratamento da mobilidade articular ou tecidual disponíveis. Buscamos
apresentar as técnicas mais conhecidas e mais facilmente usadas na prática clínica
no que se refere a terapia manual. Além disso, a organização separada por
articulações foi escolhida no sentido de simplificar a forma como o conteúdo seria
apresentado, mas ressalta-se que no processo de avaliação de um paciente este
conteúdo não pode ser analisado de forma isolada e descontextualizado do quadro
de disfunções apresentadas pelo paciente. Em outras palavras, deve-se
considerar a forma como as disfunções de mobilidade interagem com outras
disfunções do sistema musculoesquelético, contribuindo para o quadro clínico e
funcional apresentado pelo paciente. Agradeço aos colegas de profissão Cláudia
Venturini, Ronner Fabiano, Fabiano Siqueira, Arno Ribeiro, Ana Cristina Sakamoto
e Carlos Ladeira pela troca de conhecimento a respeito do tema.
Profa Juliana M. Ocarino