A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
64 pág.
Apostila Adm Financeira

Pré-visualização | Página 3 de 19

da empresa. Quanto desse lucro deveria ser 
distribuído aos acionistas e quanto seria retido para financiar a expansão dos 
negócios? Essa indagação revela que a política de distribuição de dividendos 
está diretamente relacionada com as decisões de financiamento. 
Distribuindo apenas uma pequena parcela dos lucros, a empresa ficará 
menos dependente das fontes onerosas de recursos e ampliará a participação 
do capital próprio na estrutura financeira. 
Quando a empresa pertence a reduzido número de pessoas, essas 
decisões são tomadas por consenso ou por imposição do sócio majoritário. A 
dificuldade surge quando existe grande número de acionistas e as ações são 
negociadas nas bolsas de valores. Neste caso, a política de dividendos estará 
orientada para a maximização das cotações, devendo basear-se na avaliação 
das expectativas do mercado acionário que são influenciadas por diversos 
fatores conjunturais. 
Uma empresa bem sucedida sempre terá novos planos de investimentos 
que implicam na necessidade de recursos adicionais. Parte dessas 
necessidades poderá ser atendida com a retenção de lucros e o restante terá de 
ser financiado através de outras fontes. 
 
 
1.2 – AS FUNÇÕES DO ADMINISTRADOR FINANCEIRO 
1- Análise e Planejamento Financeiro - esta função envolve a transformação 
dos dados financeiros em uma forma que possa ser usada para orientar a posição 
financeira da empresa, avaliar a necessidade de aumento da capacidade produtiva e 
determinar que tipo de financiamento adicional deve ser feito. 
 
2- Administração da Estrutura de Ativo da Empresa - o Administrador 
Financeiro determina composição e os tipos de ativos encontrados no Balanço da 
empresa. A composição refere-se ao valor em dinheiro dos ativos circulantes e fixos. 
Depois que a composição estiver fixada, o Administrador Financeiro precisa determinar 
certos níveis “ótimos” de cada tipo de ativo circulante e tentar mantê-los. Deve também 
detectar quais são os melhores ativos fixos a serem adquiridos e saber quando os 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
9 
ativos fixos existentes se tornarão obsoletos e precisarão ser modificados ou 
substituídos. 
A determinação da melhor estrutura de ativo para a empresa não é um processo 
simples; requer o conhecimento das operações passadas e futuras da empresa e a 
compreensão dos objetivos que deverão ser alcançados a longo prazo. 
 
3- Administração de sua Estrutura Financeira - esta função é relacionada com 
o lado direito do Balanço da empresa. Duas decisões importantes precisam ser feitas a 
respeito da estrutura financeira da empresa. 
Em primeiro lugar, a composição mais adequada de financiamento a curto e 
longo prazos precisa ser determinada. Esta é uma decisão importante, pois afeta tanto 
a lucratividade da empresa como sua liquidez global. 
Um segundo problema é saber quais as melhores fontes de financiamento a 
curto ou longo prazo para a empresa, num dado momento. 
Nas empresas de pequeno e médio portes, as atividades relac ionadas 
com a função financeira geralmente ficam sob a responsabilidade de um dos 
sócios. Não é raro essa pessoa acumular outras funções e relegar a área 
financeira a um segundo plano, preocupando-se basicamente com a 
administração das disponibilidades. 
 
 
Estrutura Organizacional Típica da Função Financeira 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Caixa e Bancos Contabilidade Geral e Custos 
 Contas a Pagar e Receber Elaboração e Controle Orçamentário 
 Investimentos Auditoria Interna 
 Fluxo de Caixa Relatórios Financeiros 
 Preparação de Relatórios Financeiros Análise Econômico-Financeira 
 Aplicações Financeiras Controle dos ativos fixos e seguros 
 
Diretor Financeiro 
 é o principal executivo da área financeira, reportando-se 
diretamente à Presidência; 
 formula a política financeira global da empresa e das suas 
subsidiárias; 
Diretor Financeiro 
Tesoureiro Controller 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
10 
 coordena as atividades do Tesoureiro e do Controller; 
 Representa a empresa: 
 perante os órgãos públicos e instituições ligadas ao mercado de 
capitais; 
 na assinatura de grandes contratos de compra, de venda, de 
financiamento etc. 
 
O Tesoureiro 
 desenvolve funções executivas (é um “homem de linha”); 
 mantém relações externas com banqueiros e outros credores; 
 administra os fluxos de recursos financeiros; 
 é responsável pela liquidez da empresa. 
 
 
O Controller 
 desenvolve funções de assessoria (é um “homem de staff”); 
 mantém relações internas, envolvendo-se com todas as áreas; 
 é o inspetor dos assuntos financeiros (não se confundindo com o 
auditor interno); 
 está constantemente preocupado com a rentabilidade. 
 
 
 
1.3 A FUNÇÃO FINANCEIRA DO FUTURO 
 
De acordo com a coluna “Gestão Esperta” da Revista Exame, os executivos financeiros 
terão um papel cada vez mais atuante no crescimento das empresas e, para isso, 
deverão ampliar suas atividades tradicionais. Os executivos acreditam que a sua área 
está se tornando mais importante nas seguintes atividades estratégicas: 
 
 agregar valor às análises de negócios; 
 
 gerenciar riscos e identificar oportunidades; 
 
 avaliar e medir a performance da empresa; 
 
 melhorar os processos financeiros fundamentais; 
 
 produzir análises que ajudem os acionistas a aumentar sua lucratividade; 
 
 elevar o resultado global da empresa; 
 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
11 
 2. ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 
Dentre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável 
destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos 
circulantes, ou capital de giro. 
O Capital de Giro Líquido resulta da subtração de todos os compromissos a 
curto prazo da empresa para com fornecedores, funcionários, fisco etc., do total de 
itens que compõem o Capital de Giro Bruto, isto é, Disponibilidades + Investimentos 
Temporários + Contas a Receber + Estoques. 
Poderíamos dizer que os ativos correntes constituem o capital da empresa que 
circula até transformar-se em dinheiro dentro de um ciclo de operações. Em vista dessa 
formulação, o curto prazo como duração desse ciclo de operações realmente varia 
conforme a natureza das operações da empresa considerada. 
Ele é, na verdade, o tempo exigido para que uma aplicação de dinheiro em 
insumos variáveis gire inteiramente, desde a compra da matérias-primas e o 
pagamento de funcionários até o recebimento correspondente à venda do produto ou 
serviço proporcionado ao cliente, a partir do emprego de tais recursos. 
Para compreender melhor, temos a seguinte representação gráfica: 
ESTOQUE DE
MATÉRIA-PRIMA
CAIXA
VALORES 
A RECEBER
PRODUTOS
PRONTOS
VENDAS
À
VISTA
RECEBIMENTOS
DE CLIENTES
COMPRAS 
DE MATÉRIAS-
PRIMAS
VENDAS 
À PRAZO
PRODUÇÃO
CICLO DE CAIXA
 
 
 
2.1 CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO 
 
Uma empresa precisa manter um nível satisfatório de capital de giro. Os ativos 
circulantes da empresa devem ser suficientemente consideráveis de modo a cobrir 
seus passivos circulantes, garantindo-se com isso a margem razoável de segurança. 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
12 
O objetivo da administração do capital de giro é administrar cada um dos ativos 
circulantes e passivos circulantes da empresa, de tal forma que um nível aceitável de 
capital circulante líquido seja mantido. 
A definição mais comum de Capital Circulante Líquido (CCL) é a diferença entre 
os ativos circulantes e os passivos circulantes da empresa. Se o ativo circulante 
exceder o passivo circulante da empresa,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.