A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
64 pág.
Apostila Adm Financeira

Pré-visualização | Página 5 de 19

da falta de recursos na empresa 
a) Expansão descontrolada de vendas (maiores compras) 
b) Insuficiência de capital próprio e utilização do capital de terceirosa. 
c) Ampliação exagerada do prazo de vendas. 
d) Compras de porte de caráter cíclico ou para reserva; 
e) Prazos de recebimentos e de pagamentos inadequados 
f) Rotação de estoques e produtos prontos lenta 
g) Ociosidade do capital fixo pela retração de mercado 
h) Distribuir lucros além das disponibilidades 
i) Altos custos financeiros pelo fluxo irregular de caixa. 
 
Alterações nos saldos de caixa por Fatores Externos: 
 declínio das vendas 
 expansão ou retração do mercado (alteração nos níveis normais de estoques e 
suas conseqüências em termos de desembolsos) 
 elevação do nível de preços (inflação) 
 concorrência 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
16 
 Alterações nas alíquotas de tributos 
 Inadimplência (controle rigoroso das duplicatas a receber em termos de valores 
e condições/forma de cobrança) 
 
 
Fatores Internos que afetam os saldos de caixa decorrem de decisões tomadas 
quanto às políticas de: 
 Produção (aquisição de máquinas, expansão da fábrica/linhas de produtos, 
manutenção do nível de produção em períodos de quedas de demanda e suas 
conseqüências). 
 Vendas (prazos de entrega e vencimento das duplicatas; propaganda, 
publicidade e promoção; comissões de vendas; descontos e abatimentos a 
conceder, etc.). 
 Distribuição (entrega própria ou transportadora, frete pago ou a pagar, rodovia, 
ferrovia, marítimo, aéreo, etc.) 
 Compras (Prazos obtidos x prazos concedidos; descontos concedidos pelo 
fornecedor em função de à vista/a prazo em relação à taxa de juros do mercado, 
etc.) 
 Pessoal (as contratações, dispensas e treinamento). 
 
 
 
As empresas equilibradas financeiramente caracterizam-se por: 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
17 
 
 Equilíbrio entre ingressos e desembolsos em termos de valor 
 Aumento do capital próprio em relação ao seu Custo. 
 Rentabilidade do capital empregado é satisfatória 
 Menor necessidade de capital de giro 
 tendência de aumento no índice de rotação de estoques 
 Prazos médios de recebimentos e de pagamentos estáveis 
 Inexiste imobilização excessiva 
 Não há falta de produtos prontos ou mercadorias para o atendimento das 
vendas; etc. 
 
Desequilíbrio Financeiro 
 
O Desequilíbrio Financeiro da empresa pode ser segregado em Sintomas, Causas e 
Conseqüências. 
 
Quanto aos Sintomas o administrador financeiro deve tentar aliviar os mesmos. São 
considerados sintomas do desequilíbrio financeiro: 
a) Insuficiência crônica de Caixa; 
b) Captação sistemática de recursos através de empréstimos; 
c) Sensação de esforço desmedido; 
d) Sensação de quebra repentina; 
e) Perda do controle empresarial. 
 
Quanto às causas, o administrador deve tentar eliminá-las. Ou seja, eliminar: 
a) Excesso de investimentos em estoques; 
b) Prazo Médio de recebimento é maior que o prazo médio de pagamentos; 
c) Excesso de imobilizações; 
d) Inflação monetária (eliminar?) 
e) Recessão econômica (eliminar?) 
 
Em termos de consequências (que devem ser evitadas), o desequilíbrio financeiro 
traz: 
a) Vulnerabilidade ante as flutuações de mercado; 
b) Atrasos nos pagamentos de dívidas; 
c) Tensões internas 
d) concordata ou falência. 
 
Para equilibrar financeiramente a empresa devem ser tomadas Medidas Saneadoras 
como: 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
18 
1. Aumento de capital próprio através da entrada de novos sócios ou do reinvestimento 
dos lucros; 
2. Redução do ritmo de atividade operacional; 
3. Adequação do nível de operações ao nível de recursos disponíveis; 
4. Contenção dos custos e despesas operacionais; 
5. Desmobilização de recursos ociosos 
6. Planejamento e controle financeiros. 
 
 
2.3 ADMINISTRAÇÃO DE CONTAS A RECEBER 
Na economia moderna a utilização do crédito tanto como método de venda e 
pagamento quanto sob a forma de arma de concorrência entre empresas é um dos 
mecanismos mais corriqueiros. 
A Administração Financeira de Contas a Receber preocupa-se com o crédito 
concedido aos compradores de produtos e serviços da empresa, e interage com a área 
de marketing, já que a política de crédito, compreendendo diretrizes e procedimentos 
de seleção de clientes, cobrança e descontos, constitui importante elemento para a 
consecução dos objetivos de venda, como instrumento de atração de procura para o 
que a empresa oferece no mercado. 
Contas Correntes - estamos tratando dos clientes permanentes da empresa 
que efetuam pagamentos periódicos. Nesta situação especial o problema da 
delimitação do prazo de crédito é resolvido pela não fixação de um período limitado. O 
prazo é indeterminado, em outras palavras. Aplica-se, como deve estar evidente, aos 
clientes sobre cujas compras a empresa acredita haver constância, regularidade e 
segurança. 
Crédito Parcelado – estamos nos referindo a vendas de acordo com planos de 
pagamentos diferentes, conforme auxiliem ou seja permitido à empresa pela procura 
dos seus produtos ou serviços não só em face da concorrência como pelas 
necessidades dos clientes e pelos custos de investimento em Contas a Receber. 
Contratos de Venda a Prazo e de Venda Condicional - são utilizados 
principalmente nas vendas de bens ou serviços previamente encomendados e de 
execução ou instalação demorada, com pagamentos parciais que podem ocorrer antes, 
durante e/ou após a execução ou instalação. Como se pode notar referem-se com mais 
propriedade a bens de capital e prédios, bem como a serviços de assessoria e 
consultoria. 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
19 
 
Fatores condicionantes do investimento em Contas a Receber 
Numa empresa qualquer, o volume de recursos “empatados” no saldo médio de 
Contas a Receber é afetado pelas seguintes variáveis ou fatores condicionantes: 
a) o volume de vendas a prazo; 
b) a proporção entre o custo direto do produto e o valor de venda faturado; 
c) a sazonalidade das vendas; 
d) as regras do ramo de atividade quanto a limites de crédito; 
e) as políticas de prazo de crédito da empresa; 
f) as políticas de desconto da empresa. 
A política de concessão de crédito envolve um equilíbrio entre os lucros nas 
vendas a prazo e o custo de manutenção de valores a receber adicionado aos 
possíveis prejuízos decorrentes de dívidas incobráveis. 
São elementos da administração financeira do contas a receber: 
 
a) a fixação de prazos para pagamentos pelos clientes (prazo de crédito); 
b) fixação de critérios para a aceitação (seleção) de clientes; 
c) estabelecimento de limites para a concessão de crédito, ou seja, os valores 
máximos financiáveis pela empresa a cada cliente; 
d) formulação da política de cobrança, incluindo métodos de cobrança 
(instrumentos, agressividade relativa etc); 
e) estabelecimento de descontos por pagamento antecipado, visando acelerar o 
recebimento de valores devidos pelos clientes da empresa. 
 
Administração Financeira – Rodrigo Dullius 
 
20 
Políticas de Concessão de Crédito e Cobrança 
Políticas de Crédito 
Fundamentalmente a primeira questão a ser resolvida é quanto à fixação do 
prazo geral de crédito. Dado um volume geral de vendas a prazo, além da relação entre 
o custo direto e o preço unitário de venda, o prazo concedido determina não só a 
rotação do investimento em Contas a Receber, como também o valor aproximado 
desse investimento. É evidente que, quanto mais longo for o prazo concedido, maior 
tenderá a ser o investimento em Contas a Receber. 
 
Os parâmetros para as decisões de aceitação ou rejeição

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.