AIDIPI E DOENÇAS PREVALENTES
53 pág.

AIDIPI E DOENÇAS PREVALENTES

Pré-visualização3 páginas
PROFESSOR: RIBEIRO
Assistência de Enfermagem à Criança no controle das Doenças Diarréicas 
CONCEITUAção
A doença diarreica aguda (DDA) é uma síndrome causada por diferentes agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos), cuja manifestação predominante é o aumento do número de evacuações, com fezes aquosas ou de pouca consistência. Em alguns casos, há presença de muco e sangue. Podem ser acompanhadas de náuseas, vômito, febre e dor abdominal. No geral, é auto-limitada, com duração de 2 a 14 dias. As formas variam desde leves até graves, com desidratação e distúrbios eletrolíticos, principalmente quando associadas à desnutrição.
QUAIS AS CAUSAS DA DIARRÉIA?
Infecciosa;
 Intoxicação alimentar; 
Uso de alguns tipos específicos de medicamentos (efeitos colaterais); 
Uso de laxativos;
Sensibilidade a algum tipo específico de alimento; 
Erro alimentar; 
Doença dos intestinos;
COMO RECONHECER A DIARRÉIA ?
Antes do início da diarréia causada por vírus podem ocorrer náuseas e vômitos, dor de barriga , cólicas e sintomas tipo gripe como dores de cabeça, febre e dores musculares ( dor no corpo ); No bebê pequeno (especialmente naqueles que estão em aleitamento materno) pode ser mais difícil reconhecer a diarréia, pois eles naturalmente têm as fezes mais moles ou até aquosas, além de poderem evacuar após cada mamada. Isto não é diarréia!
COMO RECONHECER A DIARRÉIA ?
Já se o bebê estiver com as fezes moles ou aguadas, com muco (catarro) de cor amarelada ou esverdeada e/ou sangue, é diarréia. Já um bebê maior e com alimentação mais variada pode fazer coco desde várias vezes ao dia à três vezes por semana; A diarréia, às vezes tem um odor bem característico, mas nem sempre;
QUANDO A CAUSA É INFECCIOSA, A TRANSMISSÃO OCORRE PRINCIPALMENTE
Pela ingestão de água contaminada ;
 Pela ingestão de alimentos contaminados pela água, pelas mãos contaminadas ou por utensílios contaminados; 
Através de objetos contaminados (garfos, colheres, copos, mamadeiras, chupetas ou brinquedos) e que são levados à boca;
MANEJO ADEQUADO DAS CRIANÇAS COM DIARRÉIA AGUDA
Principal estratégia para reduzir a mortalidade por Doenças Diarréicas Agudas:
Prevenção da desidratação
Tratamento da desidratação
Manutenção da alimentação da criança durante e após o episódio diarréico
Uso racional de medicamentos
PRINCÍPIOS GERAIS
A diarréia aguda de qualquer etiologia e em qualquer idade é, na maioria das vezes, um processo autolimitado
As complicações e causas de morte mais importantes são a desidratação e a desnutrição
Os casos graves de diarréia necessitam de tratamento de emergência
PRINCÍPIOS GERAIS
A absorção de sais (eletrólitos) e glicose se mantém durante a diarréia
A manutenção da alimentação na diarréia aguda é benéfica pois impede a deteriorização do estado nutricional da criança e permite a regeneração do epitélio intestinal
A maior oferta de alimentos após a diarréia é importante na recuperação nutricional
SAIS PARA REIDRATAÇÃO ORAL (SRO)
Eficaz no tratamento da desidratação por diarréia de qualquer etiologia em qualquer grupo etário
Utilizada pelo Ministério da Saúde, produzida pela Central de Medicamentos(CEME/MS) com a seguinte composição:
Grama/Envelope
Cloreto de Sódio
3,5
CitratoTrissódico
Dihidratado
2,9
Cloreto de Potássio
1,5
Glicose
20,0
Milimoles/Litrode Água
Sódio
90
Cloro
80
Citrato
10 (Comocitratoé trivalente, 10mM correspondem a 30mEq)
Potássio
20
Glicose
111
DIAGNÓSTICO
Dar ênfase aos sinais e sintomas que se referem à diarréia e à desidratação: e verificar a existência de outras doenças associadas e, também, a história alimentar e ao uso de medicamentos
Pesar a criança descalça e despida
Realizar exame físico completo, explicando para mãe com reconhecer os sinais de desidratação.
 Avaliar o estado de hidratação. 
SINTOMAS
Desconforto abdominal ( na barriga );
 Cólicas; 
Plenitude (sensação de estufamento); 
Excesso de flatos (gases); 
Mal-estar; 
Náusea e vômitos; 
Febre. 
O adultos são mais resistentes, entretanto bebês, crianças e pessoas com diminuição da imunidade podem evoluir com piora progressiva e risco de vida.
SINAIS DE DESIDRATAÇÃO
Boca seca ou saliva espessa;
 Olhos fundos; 
Choro sem lágrima;
 Respiração rápida na ausência de febre;
 Fácil enrugamento da pele quando pregueada e com demora para retornar ao normal (isto é mais fácil de se observar na barriquinha da criança); 
Muita sede;
SINAIS DE DESIDRATAÇÃO
Urina escura (de cor amarelo-alaranjado), amareloindicado que está mais concentrada ( menos água na urina );
 Diminuição da quantidade de urina;
 Fontanela deprimida ( moleira baixa ); 
Aumento da freqüência do coração na ausência de febre;
 Abatimento, irritabilidade ou sonolência; 
Perda de peso.
COMO AVALIAR ESTADO DE HIDRATAÇÃO DE UMA CRIANÇA
1. OBSERVE
Condição
Estado Geral
Bem, alerta
IRRITADO-INTRANQUILO
COMATOSO-HIPOTÔNICO
Olhos
Normais
Fundos
Muitos fundos
Lágrimas
Presentes
Ausentes
Ausentes
Boca e Língua
Úmidas
Secas
MuitosSecas
Sede
Bebe normalmente
SEDENTO, BEBE RÁPIDO E AVIDAMENTE
BEBE MAL OU NÃOÉ CAPAZ
COMO AVALIAR ESTADO DE HIDRATAÇÃO DE UMA CRIANÇA
2. EXPLORE
3. DECIDA
SINAL DA PREGA
Desaparece rapidamente
DESAPARECE LENTAMENTE
MUITO LENTAMENTE
PULSO
Cheio
RÁPIDO,DÉBIL
MUITO DÉBIL OU AUSENTE
ENCHIMENTO CAPILAR
Normal (até 3seg)
PREJUDICADO
MUITO PREJUDICADO(mais de 5seg)
NÃO TEM SINAISDE DESIDRATAÇÃO
Se apresentar 2 ou mais sinais acima TEM DESIDRATAÇÃO
Se apresentar 2 ou mais sinais incluindo pelo menos 1 SINAL TEM DESIDRATAÇÃO
GRAVE
COMO AVALIAR ESTADO DE HIDRATAÇÃO DE UMA CRIANÇA
4. TRATE
Use PlanoA
Use Plano B
Use Plano C
PLANO \u201ca\u201d
Criança com diarreia e sem sinais de desidratação.
O tratamento é domiciliar, com a utilização de: solução de sais de reidratação oral (SRO); líquidos disponíveis no domicílio (chás, cozimento de farinha de arroz, água de coco, soro caseiro, sopas, sucos, etc.).
PLANO \u201ca\u201d
Tais líquidos devem ser usados após cada episódio de evacuação ou vômito, de acordo com as indicações a seguir:
\u2022 menores de 1 anos: 50ml-100ml (1/4 \u2013 meio copo);
\u2022 maiores de 1 anos: 100 a 200ml (1/2 a 1 copo);
\u2022 adultos: a quantidade que aceitarem.
PLANO \u201ca\u201d
A alimentação habitual deve ser mantida e estimulada, em especial o leite materno, aumentando a frequência das mamadas. 
Os pacientes ou seus responsáveis deverão ser orientados para o reconhecimento dos sinais de desidratação e no sentido de procurar imediatamente o serviço de saúde mais próximo, na eventual ocorrência dos sinais ou se a diarreia agravar, apresentar sangue nas fezes (disenteria) ou febre alta.
PLANO \u201ca\u201d
É importante ressaltar que os refrigerantes não devem ser utilizados, pois além de ine\ufb01cazes como 
 hidratantes,
 podem agravar
 a diarreia.
PLANO \u201cB\u201d
Criança com diarreia e com sinais de desidratação.
Todos os pacientes desidratados, mas com capacidade de ingerir líquido, devem ser tratados com solução de SRO. Não é necessário determinar o volume exato a ser administrado, mas recomenda-se que seja contínuo, conforme a sede do paciente, até a completa recuperação do estado de hidratação. 
PLANO \u201cB\u201d
Para crianças, a orientação é de 100ml/kg, administrados em um período não superior a 4 horas.
 Os lactentes amamentados devem continuar recebendo o leite materno.
 Para os demais pacientes, administrar apenas SRO até se completar a reidratação.
PLANO \u201cB\u201d
Se o paciente vomitar, pode-se reduzir o volume e aumentar a frequência das tomadas. Os vômitos geralmente cessam após 2 a 3 horas do início da reidratação.
A febre causada pela desidratação geralmente cede na medida em que o paciente se reidrata. O paciente com desidratação deverá permanecer na unidade de saúde até a reidratação completa e retornar ao serviço para reavaliação, após 24 a 48 horas ou imediatamente, em caso de piora. Deve-se observar se a ingestão é superior às perdas.
PLANO \u201cB\u201d
Os sinais clínicos de desidratação vão desaparecendo