A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
TRABALHO PPB PRONTO

Pré-visualização | Página 1 de 2

UNIVERSIDADE PAULISTA – UNIP
Instituto De Ciências Humanas
Curso De Psicologia
TAINÁ CÁCERE FERREIRA RA: N131861
DANIELE CRISTINA JUSTINA RA: N1796B6
MILELLI COSTA CANTOS RA: 136499
LEILA CAVALCANTE RA: D443BD6
SAMUEL TARGINO DA SILVA RA: D1455G5
DAIANA MONTEIRO DA SILVA RA: D15378-1
IDENTIFICANDO A SENSAÇÃO E A PERCEPÇÃO
JUNDIAÍ
2017
UNIVERSIDADE PAULISTA – UNIP
Instituto De Ciências Humanas
Curso De Psicologia
TAINÁ CÁCERE FERREIRA RA: N131861
DANIELE CRISTINA JUSTINA RA: N1796B6
MILELLI COSTA CANTOS RA: 136499
LEILA CAVALCANTE RA: D443BD6
SAMUEL TARGINO DA SILVA RA: D1455G5
DAIANA MONTEIRO DA SILVA RA: D15378-1
IDENTIFICANDO A SENSAÇÃO E A PERCEPÇÃO
Trabalho apresentado como parte integrante da disciplina Processos Psicológica Básicos, ministrada pela ProfessoraDra. Andréia Arruda Guidetti, como parte da nota bimestral.
JUNDIAÍ
2017
	SUMÁRIO	
1 INTRODUÇÃO
Partindo do senso comum, sem uma definição técnica conceitual, é difícil em primeiro momento conceituar e traçar linhas dicotômicas entre sensação e percepção. Poderíamos postular que a Sensação é a apreensão (captação) de estímulos, e a percepção seria como estas informações, captadas pela sensação, processam-se. Neste sentido, conjecturamos: “As coisas ao nosso redor, existem por que percebemos? ou percebemos as coisas que previamente, já existem?
Tratando-se de seres humanos, com todas as suas complexidades, individualidades e subjetividades / idiossincrasias, cada ser humano concebe cada evento e realidade decorrente no mundo de maneira diferente, ou seja, cada situação e evento é percebido de uma forma “ sui generis” ( única ), pois não é possível um ser humano apreender (captar) todos os eventos ocorridos em sua “totalidade perceptiva” no momento que estes ocorrem ou quando são percebidos em sua existência. Sendo assim podemos inferir que cada pessoa percebe, capta e concebe o mundo de uma maneira singular.
Para tanto, é preciso buscar fundamentos sobre como estas experiências sensoriais ocorrem e quais são os seus agentes causais. Morris diz em A natureza das sensações (2004) que:
“A sensação começa quando a energia, oriunda de uma fonte externa do interior do corpo, estimula uma célula receptora em um dos órgãos sensoriais, tais como olho ou ouvido. Cada célula receptora envia um sinal por meio dos nervos sensoriais até a área apropriada do córtex cerebral, todos os neurônios se comunicam por meio da mesma “linguagem” eletroquímica.” (MORRIS, 2004)
Noutras palavras, concebemos a sensação como resposta de um receptor sensorial a estímulos ambientais externos, caracterizando-se como resposta fisiológica de determinado organismo. Nesta interação de sensação e estímulo, há uma conversão dos sentidos humanos em mensagens neurais, provenientes da energia de um estímulo, causando reações no sujeito. A percepção compreende a interpretação destas mensagens neurais por meio das informações das sensações por parte do que experimentou o sujeito estimulado. Este processamento de informações e de interpretação das informações recebidas pode sofrer influências de caracteres fisiológicos e psicológicos, bem como por fatores externos e influências sócios-culturais. 
É bom salientar que a mesma sensação, varia de sujeito para sujeito, podendo causar percepções distintas e, por conseguinte, a apreensão das informações e interpretações; tal fenômeno acontece porque cada sujeito tem experiências distintas, construindo então a sua forma singular de perceber e interpretar o mundo e as coisas ao seu redor, mesmo que o processo sensorial seja universal. 
	Neste sentido diz Myers: “Estes fatos levantam uma questão que antecede a psicologia em milhares de anos e ajudou a inspirar seus primórdios, há séculos: Como o mundo exterior consegue entrar?”
 Definindo então, os conceitos de Sensação e Percepção das aulas de Processos Psicológicos Básicos e dos dois teóricos supracitados, norteamos o processo sensorial dizendo que os órgãos sensoriais, captam a energia de determinado estímulo ambiental por receptores, detecta o estímulo de energia em questão e o converte em impulsos nervosos, que são guiados ao cérebro e este organiza este impulso, interpretando suas informações e atribuindo a este uma interpretação, ou seja, algo que se julga ter significado.
Corroborando com estes processos, Atkinson em sua abordagem psíquico-biológica discorre: 
“No nível psicológico, as sensações são experiências associadas a estímulos simples, no nível biológico os processos sensoriais envolvem os órgãos do sentido e as vias neurais de ligação e estão interessadosnos estágios iniciais de informações de estímulo. Os sentidos incluem visão ( ver ),audição ( ouvir), olfato ( cheiro), gustação ( paladar) e os sentidos táteis que incluem, pressão, temperatura e dor e os sentidos corporais”(ATKINSON, 2002)
Isto fica muito evidente quando percebemos este mesmo processo sensorial pelo viés cientificista, e também na forma que se interpreta, desprovido deste conhecimento e regido por ideias pré-concebidas do senso comum. O que destaco é que o fenômeno é percebido, quer no olhar psíquico-biológico, ou mesmo sem saber como este se processa, numa abordagem ingênua do senso comum. Todavia, o fenômeno ali está em ocorrência e decorrente a partir de um sujeito com o seu meio.
Pensamos que como futuros psicólogos isto será um elemento epistemológico importante para a práxis psicológica, já que tal conhecimento abarca os processos cognitivos nos muitos vieses das correntes psicológicas. 
	 Como um ser humano apreende, processa informações, bem como as interpreta, norteando suas ações por suas percepções totalmente única que o faz sujeito singular na sua auto concepção enquanto ser, com outros sujeitos, objetos e o mundo que o rodeia.
2 OBJETIVO (E HIPÓTESES)
O presente trabalho ao qual nos aferimos tem como objetivo demonstrar através de pesquisas metodológicas, como a sensação e a percepção funcionam em cada sentido, e como esses sentidos afetam a forma como o ser humano sente e percebe o mundo a sua volta, pretendemos desta forma verificar quais são suas utilidades e capacidades em nossas funções neurais e sensoriais e como cada uma dessas funções são assimiladas pelo ser humano. A importância do estudo dos processos sensoriais e perceptivos são fundamentos da esfera científica, que trás a lume, a compreensão como um “organismo”( concebendo o ser humano como um organismo) interage com os estímulos que o meio propicia.
A proposta deste trabalho, se dará em duas etapas, sendo no primeiro momento, uma abordagem teórica, tendo alguns autores, como referenciais e neste olhar, fundamentar o presente trabalho com uma pesquisa bibliográfica, amarrando estes autores, com as aulas de processos psicológicos básicos, ministrada pela Professora e Doutora Andréia Arruda Guidetti, No segundo momento, será aplicado um outro procedimento metodológico, que envolverá materiais, como figura associada a proposta deste trabalho: “identificando a sensação e a percepção” e pesquisas com sujeitos do interior paulista, de ambos os sexos, com coletas de dados, com base no TCLE. 
 O que se pretende é conceber o ser humano e suas complexidades sensoriais, perceptivas e interativas com o seu meio, voltados à nossa formação, enquanto futuros psicólogos, com vistas, conceber o que é o ser humano e como este age diante da diversidade circunstanciais, como este apreende, aprende, interpreta e dá significados a estas experiências por meio dos órgãos do sentidos.
3.2 Material utilizado
Figura (Anexo 1)impressa em papel A4, na qual existe a possibilidade em ocorrer uma decomposição e instantânea recomposição das partes em relação ao todo. Na figura exposta, pode-se ver um homem e uma mulher sentados a beira