A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
206 pág.
LIVRO DE ECONOMIA RURAL Utilizado na UFRAACS - Livro gtz[1]

Pré-visualização | Página 33 de 50

todas as atividades ligadas 
à venda de produtos ou serviços para aqueles que compram para revenda ou uso organizacional. Os 
varejistas, por sua vez, são empresas ou organizações que realizam a venda dos produtos em 
pequenas quantidades diretamente aos consumidores finais. Uma padaria varejista que atende a um 
hotel está realizando também uma atividade de atacado. 
No caso dos produtos da agropecuária, o atacado pode ser representado pelas centrais de 
abastecimento – Ceasa, agroindústrias – Sadia, Perdigão, Chapecó, Frangosul, Avipal, Parmalat, 
Duratex, Impacel, etc. - empresas que adquirem produtos em grandes quantidades e armazenam 
Produtores 
Rurais 
• Madeira 
• Carne/leite 
• Frutas/grãos 
• Pescado 
Processamento 
Agroindustrial 
• Madeira 
• Carne/leite 
• Frutas/grãos 
• Pescado 
Distribuição do 
Produto Clientes 
Atacado 
Varejo 
Fornecedores 
• Agropecuário 
• Agroindustrial 
Legislação (2T + A) 
 Fluxo de produto 
Fluxo de monetário 
Fluxo de informação 
Ciclo 1 Ciclo 2 Ciclo 3 
Ciclo 4 
Governança da cadeia de suprimento 
 
 
88
(setor de alimentos – Bunge Alimentos, Makro) para atender aos varejistas. O Makro é uma grande 
rede atacadista de distribuição de produtos do agronegócio brasileiro. 
As empresas atacadistas, geralmente, lidam com grandes volumes de produtos, envolvendo 
uma pauta bastante diferenciada, o que exige estudo para a localização adequada de armazéns para 
viabilizar a distribuição dos produtos aos mercados varejistas. Para isso, precisam planejar 
adequadamente a logística de transporte e embalagem para atender às necessidades dos clientes. 
O que é o varejo? 
A atividade varejista engloba todas as atividades de venda de bens ou serviços diretamente 
para consumidores finais, para o seu uso pessoal, não relacionado a negócios. Embora o varejo seja 
feito por lojas e pontos de venda, nos últimos anos o varejo sem lojas, que realiza a venda por 
telefone, de porta-em-porta, por máquinas automáticas e E-mail, tem aumentado substancialmente. 
O varejo de produtos das cadeias de suprimento agropecuárias e florestais é constituído de 
feiras livres, supermercados, açougues, peixarias, estâncias, lojas de móveis, etc., que adquirem 
grande quantidade de produto dos atacadistas e revendem em volumes menores diretamente aos 
consumidores. 
Dentre os tipos de empresas que atuam no varejo, os supermercados são os mais 
importantes. O que são supermercados? São grandes lojas de baixo custo, pequena margem de 
lucro, elevado volume e auto-serviço, que oferecem uma ampla variedade de produtos alimentícios 
(agropecuários), produtos de limpeza e de uso domésticos, móveis de madeira e utilidades 
domésticas (artefatos de madeira). Cabe observar que um supermercado também pode operar como 
atacadista, quando vende em grandes quantidades para atender a clientes como restaurantes, hotéis, 
mercadinhos, etc. Estes restaurantes (varejistas), por sua vez, processam as mercadorias e vendem 
refeições prontas diretamente aos consumidores. O supermercado Pão-de-Açúcar é o maior comércio 
varejista do agronegócio brasileiro, seguido pela rede de supermercados Bompreço. 
O varejo está mais próximo dos consumidores finais, portanto, buscam conhecer os atributos 
dos produtos que são desejados pelos consumidores, para desenvolverem estratégias de 
propaganda, marketing, preços, de modo a ampliarem suas parcelas de mercado, vendas e seus 
lucros. 
São esses estágios da cadeia produtiva que respondem pela maior parcela da agregação de 
valor aos produtos e, em conseqüência, pela maior parcela do PIB, lucro e emprego, como 
evidenciado na introdução. 
5.3.3 Processamento agroindustrial 
Agroindústria é a empresa ou organização que realiza o processamento industrial dos 
produtos agrícolas, pecuários, florestais e extrativos oriundos do meio rural e de seus subprodutos. 
Como exemplo de agroindústria tem-se: agroindústria de polpa de frutas, processa frutas; 
agroindústria ou frigorífico, abate animais e prepara a carne e subprodutos; agroindústria ou usina de 
laticínio, pasteuriza o leite e fabricam outros produtos como o leite em pó, leite longa vida, queijos, 
iogurte, manteiga e outros derivados do leite; agroindústria da pesca, prepara o peixe em vários 
produtos como o peixe inteiro eviscerado e sem cabeça, postas de peixe, filé, peixe defumado, peixe 
enlatado, embutido de peixe, etc; agroindústria do óleo, transforma o grão de soja, amendoim, 
girassol, dendê e os transforma em óleo e farelo; agroindústria de arroz, descasca o arroz e produz 
vários tipos de arroz, farelo e quirela; agroindústria de madeira, desdobra a madeira em tora em 
tábua, vigas, compensado, laminado, portas, janelas, móveis e artefatos diversos. 
Este é um exemplo da agroindústria que realiza a primeira agregação de valor ao produto in 
natura, pois a partir deste ponto o produto beneficiado pode entrar em agroindústrias como matéria-
prima para a fabricação de outros produtos finais. É o caso da carne que sai do frigorífico para a 
indústria alimentar, que fabrica alimentos semiprontos e prontos para comer. A agroindústria de 
sorvetes e sucos de frutas prontos para beber demanda a polpa de frutas como matéria-prima. 
As unidades agroindustriais são os núcleos de formação dos negócios agrícolas locais, pois 
podem organizar os produtores em grupos produtivos, formando os satélites fornecedores de matéria-
prima, de modo a assegurar volume e regularidade no fluxo de produto. Neste ponto, deve-se 
observar com atenção a forma de integração dos produtores às agroindústrias para que aqueles ao 
 
 
89
serem aprisionados por essas não tenham desvantagens permanentes nas negociações sobre preço 
e lucro da atividade. 
A agroindústria planeja a cadeia para frente, identificando mercados, canais de distribuição, 
logística de transporte e clientes para os produtos do setor rural. As agroindústrias, ao beneficiarem 
os produtos, agregam a eles as utilidades de forma, tempo e lugar, permitindo reduzir a perecibilidade 
dos produtos, a sazonalidade de produção e de preço e adequar o produto na quantidade, qualidade 
e forma desejada pelo cliente. Neste segmento, a Sadia, Perdigão e Chapecó são as maiores da 
cadeia de carnes, a Bunge Alimentos e a Cargil na cadeia de grãos, a Parmalat e Kraft Lacta no 
segmento de lácteos, Aracruz na cadeia de papel e celulose, Duratex na cadeia de produtos de 
madeira, Vicunha na cadeia de têxteis, etc., conforme classificação geral das 100 Maiores do 
Agronegócio brasileiro, publicado pela revista Agroanalysis. 
Isto ocorre porque tanto os produtores quanto os industriais têm objetivos em comum. Um 
deles é se manter no mercado e obter lucros com a venda dos produtos. Mesmo assim, há forte 
assimetria de informação entre os seguimentos de produção de processamento. A agroindústria tem 
mais informação e poder de negociação do que os produtores. Portanto, os contratos de entrega 
(formal ou informal) sempre favorecem o capital industrial. 
5.3.4 Produtores rurais 
Os produtores rurais são os agentes que de forma individual ou organizada planejam suas 
atividades e assumem os riscos das decisões sobre o que e quanto produzir, como produzir e para 
quem produzir. Os produtores rurais atuam nas unidades de produção rurais, que são áreas de terra 
própria ou ocupada, com uma mínima infra-estrutura, onde vivem ou não com a família e realizam a 
produção de grãos, carne, frutas, fibras e/ou a extração de produtos madeireiros e não-madeireiros 
(ver capítulo 1). 
A produção rural pode ser direcionada para o processamento agroindustrial diretamente, caso 
o produtor entregue seu produto para a indústria, ou indiretamente se vende para atravessadores e 
as indústrias adquirem o produto no mercado. De qualquer sorte, nos locais onde as condições de 
integração estão em processo, o que ocorre