A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
178 pág.
MIP FRUTIC. TEMPERADA

Pré-visualização | Página 1 de 8

Manejo Integrado de Pragas na 
Fruticultura Temperada 
Alunas: Daniele, Maíra, Nathalia e Surian 
MAÇÃ - ROSACEAE 
 Maçã 
• A macieira é considerada a frutífera de clima temperado 
mais exigente em frio para a indução do florescimento. 
 
 
 
• Produção 2011 = 1,339 milhão de ton. em uma área colhida 
de 38.077 ha (IBGE, 2012). 
 
 
 
 
 
* Fuji e Gala -> 800 - 1000 h frio = o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e 
sul do Paraná 
* Com o avanço das pesquisas, foram sendo 
lançadas novas variedades com menor 
exigência de frio como as variedades Eva, 
Princesa, Condessa, Baronesa e Julieta. 
• A produção brasileira 
de maçã concentra-se 
especialmente nos 
três estados da região 
Sul. 
 
- Vacaria 
- Rio Grande do Sul, 
- Fraiburgo 
- São Joaquim, Santa 
Catarina, 
- Palmas, no Paraná. 
 
 
 
 
 
 Maçã 
Pragas da Macieira 
I. Mosca-das-frutas 
 
II. Lagarta – enroladeira 
 
III. Grafolita 
 
IV. Ácaro-vermelho 
 
V. Burrinho-da-macieira 
 
VI. Pulgão-lanígero 
 
VII. Cochonilha escama vírgula 
 
Mosca-das-frutas 
Grafolita 
Lagarta – enroladeira 
Mosca-das-frutas 
(Anastrepha fraterculus) 
 
• Ovos - Alongados e 
esbranquiçados, depositados 
sob a epiderme dos frutos. 
 
 
• Larvas – Alongadas, passam por 
três estádios, se alimentando 
da polpa das frutas. 
 
 
• Pupários – Oblongos e de 
coloração marrom. 
 
 
• Adultos – Coloração 
amarelada-castanha, com 
faixas características nas 
asas (S e V). 
Mosca-das-frutas 
(Anastrepha fraterculus) 
Macho Fêmea 
DANOS E SINTOMAS 
• Deformações: Danos mecânicos resultantes da atividade de 
oviposição e da alimentação das larvas. 
 
• Galerias: Provocadas pelas larvas durante sua alimentação da 
polpa dos frutos 
Mosca-das-frutas 
(Anastrepha fraterculus) 
Frutos deformados devido a oviposições Galerias no fruto 
MONITORAMENTO 
• Armadilhas – McPhail plásticas. 
 
• Atrativo – Suco de uva a 25% (1 parte de suco: 3 de água). 
Duração do atrativo: 1 semana. 
Mosca-das-frutas 
(Anastrepha fraterculus) 
Atrativo McPhail 
Número de ha Número de frascos 
< 2 4 
2 – 20 4 frascos + 1frasco a cada 2 ha 
> 20 14 frascos + 1 frasco a cada 5 ha 
Número de armadilhas - MONITORAMENTO 
* As avaliações devem ser realizadas 
2x por semana, peneirar os insetos, e 
contar o n° de moscas capturadas 
(machos + fêmeas). 
* O n° de armadilhas varia em função do 
tamanho e localização do pomar. 
Importância econômica: Fraiburgo e 
São Joaquim (SC): perdas em torno de 
0,2% e Vacaria (RS): danos até 1,0%. 
Mosca-das-frutas 
(Anastrepha fraterculus) 
Período – Outubro a abril 
NIVEL DE CONTROLE 
• 0,5 mosca/frasco/dia cumulativo para a primeira pulverização. 
 
CONTROLE QUÍMICO 
• Iscas tóxicas (atrativo alimentar + inseticida). Diminuem a população de 
adultos no pomar e evitam a oviposição e o dano físico às maçãs. 
Aplicações são semanais. 
 
Mosca-das-frutas 
(Anastrepha fraterculus) 
Produto Ingred. ativo Formulação Dose do Produto 
 Decis 25 EC deltametrina 
(piretróide) 
Concentrado 
Emulsionável 
40 ml/100 L água 
ELEITTO neonicotinóide + 
éter difenílico 
Dispersão de óleo 50 – 60 ml/100 L água 
Imidan 500 WP fosmete 
(organofosforado) 
Pó Molhável 150 – 200 g/100 L água 
+ 5kg melaço 
Malathion 
Prentiss 
malationa 
(organofosforado) 
Concentrado 
Emulsionável 
400 ml + 5kg 
melaço/100L água 
Fonte: Agrofit 
CONTROLE CULTURAL 
• A coleta e a destruição dos frutos maduros na planta ou caídos no chão devem ser 
realizadas para impedir a emergência de adultos das moscas-das-frutas (deverão 
ser colocados em uma vala, de 50 a 70 cm de profundidade, ou serem destinados 
à alimentação animal). 
 
- controle das moscas em plantas hospedeiras, cultivadas ou nativas, próximas aos 
plantios. 
 
- eliminação de hospedeiros alternativos que possam favorecer o desenvolvimento 
populacional da praga. 
 
 
Mosca-das-frutas 
(Anastrepha fraterculus) 
CONTROLE BIOLOGICO 
• Técnica do Macho Estéril: são esterilizados por meio de radiação gama, para serem 
liberados na área de produção. 
 
 
 
 
 
 
 
 
• Tratamento Hidrotérmico: que consiste em imergir os frutos em água a 46ºC por 
75 ou 90 minutos, para frutos com pesos até 425 g e de 426 a 650 g, com o 
objetivo de matar ovos e/ou larvas de moscas-das-frutas presentes. 
Mosca-das-frutas 
(Anastrepha fraterculus) 
• Uso de parasitóide exótico (Diachasmimorpha longicaudata): A fêmea percebe a 
vibração da larva ao se alimentar e realiza a postura no interior do corpo da larva. 
 
 
 
 
 
 
 
 
• Na fase de pupa no solo, o conteúdo corporal é consumido pela larva do 
parasitóide, se transforma-se em pupa dentro do pupário da mosca. Assim, ao 
invés de emergir um adulto de mosca-das-frutas, emerge um parasitóide. 
 
Mosca-das-frutas 
(Anastrepha fraterculus) 
• A largarta-enroladeira é uma das principais pragas da maçã 
no sul do Brasil e Uruguai. Está presente durante todo o ano 
com diferentes densidades populacionais, levando a diversas 
aplicações de inseticidas. 
 
• Culturas Afetadas: Ameixa, Maçã, Nectarina, Nespera, Pêra, 
Pêssego 
Lagarta-enroladeira 
(Bonagota salubricola) 
 
• Postura - forma uma massa 
contendo em média 40 ovos, a qual 
e recoberta por uma fina camada 
gelatinosa -> cor amarelada, mas 
próximo a eclosão tem cor preta. 
 
• Lagartas – 1° instar apresentam a 
cabeça escura e o restante do corpo 
de cor amarelo-claro (pode variar 
predominando uma cor 
esverdeada). 
Lagarta-enroladeira 
(Bonagota salubricola) 
 
• Pupa - Inicialmente de cor 
esverdeada que se altera para o 
marrom-escuro próximo a 
emergência dos adultos. 
 
• Adulto - são de coloração cinza-
claro, medindo cerca 7 - 10 mm de 
comprimento. Em geral, os machos 
são menores e mais claros que as 
fêmeas. 
Pupas fêmea Pupas macho 
Lagarta-enroladeira 
(Bonagota salubricola) 
 
DANOS E SINTOMAS 
• As lagartas constroem abrigos aglomerando folhas, grudando-as nos 
frutos. Nos frutos raspam a casca na região do cálice ou do pedúnculo. 
 
 
 
Lagarta-enroladeira 
(Bonagota salubricola) 
* Partes afetadas: Folhas, Frutos 
 
MONITORAMENTO 
• Através de observações visuais das lagartas nas plantas ou utilizando 
armadilhas com auxílio de atrativos sexuais sintéticos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
asa (P215-Trap Pack) diamante com grelha (P001-Trap) 
* Período - Agosto a maio e nos meses seguintes manter instaladas 10% das armadilhas. 
Lagarta-enroladeira 
(Bonagota salubricola) 
Armadilha Delta 
(AGROFIT, 2013) 
Atrativos sexuais registrados no Ministério da Agricultura 
NIVEL DE CONTROLE 
• 20 machos/armadilha/semana ou 50% cumulativo acima do nível (leitura 
atual + leitura anterior). 
 
CONTROLE QUÍMICO 
• Os inseticidas mais eficientes são o clorpyrifós e o tebufenozide (regulador 
de crescimento de insetos). Fenitrothion, methidathion e o phosmet 
podem ser utilizados com uma eficiência média. 
Produto Empresa Ingrediente ativo Dose do produto 
Agree Bio Controle Bacillus thuringiensis 0,75 a 1 kg p.c./ha 
Delegate Dow AgroSciences Espinetoram 15 a 20 g p.c./100 L 
Splat Cida Grafo Bona Isca Tecnologias Acetato insaturado; 
Álcool insaturado; 
Piretróide sintético 
1 a 3 kg p.c./ha 
Lagarta-enroladeira 
(Bonagota salubricola) 
CONTROLE CULTURAL 
• Prática de raleio de frutos é de fundamental importância para diminuir a 
incidência