SEMANA 05
3 pág.

SEMANA 05


DisciplinaTeoria e Prática da Narrativa Jurídica744 materiais3.472 seguidores
Pré-visualização1 página
SEMANA 05
Questão 1
 Leia o texto que segue e parafraseie, em texto corrido, na forma de parágrafo, essas ideias em até cinco linhas. Contemple de forma concisa todo o conteúdo presente na ementa.
"A infidelidade sozinha não gera indenização, pois pode ser tratada como um vexame pessoal que, quando muito, provoca o fim de um relacionamento amoroso. No entanto, quando a situação adúltera causa grave humilhação e exposição do outro cônjuge, aí sim, a responsabilidade civil tem vez. O entendimento foi aplicado pela 1ª Turma Recursal, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, ao confirmar decisão de primeira instância que condenou uma professora a pagar R$ 7 mil de indenização ao ex-marido que a flagrou, nua, em conjunção carnal com outro homem, na residência e na própria cama do casal. O valor da indenização, contudo, foi reduzido. Na primeira instância fora fixado em R$14 mil".
R : A infidelidade sozinha não gera indenização. No entanto, quando causar grave humilhação e exposição do outro cônjuge, a responsabilidade civil tem vez.
O TJ do DF, condenou uma professora a pagar R$ 7 mil de indenização ao ex-marido que a flagrou, nua, em conjunção carnal com outro homem, na residência própria e na própria cama do casal. 
Questão 2
 Assim como no exercício anterior, leia o fragmento, compreenda seu sentido global e parafraseie seu conteúdo.
"Muitas vezes, determinadas palavras têm a função de transmitir não só sentidos explícitos, mas também levar o receptor a inferir implícitos. Os implícitos se dividem em: pressupostos e subentendidos. (...)  O silêncio também modaliza um enunciado. Quando se deixa de falar algo que está implícito, demonstra-se a intenção de realçar essa apreciação. Aí dizemos que deixamos subentendido o que desejamos revelar. O subentendido é revelado mediante a contextualização do que foi proferido". (FETZNER, Néli Luiza; TAVARES, Nelson; VALVERDE, Alda. Lições de Linguagem Jurídica. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2013.)
R : Palavras não possuem apenas sentidos explícitos, mas também implícito. Quando se deixa de falar algo que está implícito, demonstra-se a intenção de realçar essa apreciação.
Os pressupostos são detectados pelos modalizadores. 
 Questão 3
O texto adiante possui polifonia. Identifique essas ocorrências.
 
1. Segundo os requerentes, no dia 23 de janeiro de 2006, às 20 h, contrataram com a empresa NORDESTE - VIAÇÃO LTDA, o transporte, em um de seus ônibus, saindo de João Pessoa - PB com destino a Fortaleza - CE, como bem fazem prova os bilhetes de passagem anexos.
2. De acordo com o registro da ocorrência, aproximadamente 20 (vinte) minutos após a partida, na altura da Usina Miriri, Br 101 no município de Mamanguape-PB, o ônibus foi assaltado por dois indivíduos que se passavam por passageiros. Consumidores que se encontravam no ônibus afirmam que um dos elementos disparou um tiro no teto do ônibus e rendeu todos os presentes, inclusive os autores, enquanto o outro se dirigiu ao motorista e, sob a ameaça de um revólver, ordenou-lhe que mudasse de direção entrando em uma estrada de barro e parando o carro num matagal, ainda em João Pessoa.
3. No referido local encontravam-se esperando pelo ônibus mais 02 (dois) comparsas dos assaltantes. Um deles entrou no ônibus enquanto o outro conferia o porta-malas. Os quatro assaltantes roubaram todos os passageiros do ônibus, usando de armas e de violência.
OBJETIVAS
1 - Leia o fragmento adiante e marque a opção INCORRETA. 
Ministro aposentado do STF, Eros Roberto Grau, sobre o aborto do feto anencefálico: \u201cPalavras bem arranjadas não bastam para ocultar, em quantos fazem praça do aborto de anencéfalos, inexorável desprezo pela vida de quem poderia escapar com resquícios de existência \u2013 e produzindo consequências jurídicas marcantes \u2013 do ventre que o abrigou. Matar ou deixar morrer o pequeno ser que foi parido não é diferente da interrupção da sua gestação\u201d. (\u201cPequena nota sobre o direito a viver\u201d.
 
a) O fragmento menciona o recurso da polifonia como instrumento de argumentação.
b) O fragmento aponta a modalização pela seleção vocabular como instrumento de argumentação.
c) O fragmento indica a intertextualidade como instrumento de argumentação.
d) O fragmento revela a linearidade expositiva como estratégia de persuasão.
2 - Leia atentamente o texto que se segue, extraído de uma narrativa criminal, e assinale o item que indica a informação INCORRETA. 
\u201cÁlvaro, Luiz e Carlos, previamente concertados, convidam Ana, jovem bem desenvolvida fisicamente, de intensa vida sexual e de excelente situação econômica, para com eles fazer um programa. Todos seguem para o apartamento de Álvaro e ali Carlos mantém com a jovem conjunção carnal, com seu consentimento, e sob as vistas dos demais, retirando-se em seguida. Como Ana se recusou a repetir o ato com os outros dois, Álvaro utiliza-se de um revólver que tem em sua residência para forçar a jovem. Esta, gravemente ameaçada, é compelida a manter relações sexuais com Luiz. Finalmente, quando Álvaro se prepara para manter conjunção carnal com a vítima, foi demovido ante suas súplicas e a informação, comprovada, de ter ela apenas 13 anos de idade\u201d.
a) A narrativa jurídica foi cronologicamente organizada.
b) A narrativa jurídica possui modalizadores.
c) A narrativa jurídica possui polifonia.
d) A narrativa jurídica apresenta o fato gerador do conflito.