A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Questionário de protensão

Pré-visualização | Página 2 de 3

do aço de protensão?
R: Os dados devem ser obtidos de acordo com ensaios estabelecidos pela NBR 8522, caso onde não seja possível, a mesma norma permite que seja utilizado o seguinte valor. Ep = módulo de elasticidade = 200 GPa para fios e cordoalhas (na falta de dados do fabricante e de ensaio);
20) Desenhe o diagrama tensão x deformação do aço de protensão?
21) O que é ancoragem? Por que é usada no Concreto Protendido?
R: A forma mais simples e econômica de fixação dos fios e cordoalhas é por meio de cunhas e porta-cunhas. As cunhas podem ser bi ou tripartidas, e ficam alojadas em cavidades de blocos ou placas de aço (porta-cunha). No caso de armaduras pós-tracionadas, existem conjuntos de elementos, que constituem os chamados “sistemas de protensão”, com objetivo de aumentar a resistência do concreto.
22) Para que servem a cunha e porta-cunha?
R: As cunhas podem ser bi ou tripartidas, e ficam alojadas em cavidades de blocos ou placas de aço (porta-cunha). Elas servem para não deixar a cordoalha ir no interior do protendido.
23) O que são ancoragem ativa e passiva?
R: Ancoragem ativa utiliza um cilindro hidráulico para tracionar os cabos, enquanto a ancoragem passiva na outra extremidade, as cordoalhas de protensão são apenas fixadas.
24) Como são os dispositivos para a ancoragem da armadura de protensão na peça?
R: São as macacos hidráulicos, utilizados para o tracionar os cabos, cunhas e porta-cunha, para fixar os cabos na extremidade, e dispositivos para ancoragem engraxada.
25) O que é a bainha e para que serve?
R: São tubos dentro dos quais a armadura de protensão é colocada, utilizados em protensão com aderência posterior ou também sem aderência. São fabricados em aço, com espessura de 0,1 a 0,35 mm, costurados em hélice. Para criar aderência com a armadura de protensão, as bainhas são preenchidas com calda de cimento.
26) Que tipo de ancoragem é comum no uso da cordoalha engraxada?
R: Ancoragem ativa (ponto em que é tracionado) e passiva (ponto que fica apenas preso).
27) Definir as forças de protensão Pi , Pa , Po e Pt .
R: São forças utilizadas como orientação na verificação de esforços solicitantes e nas fases de execução da protensão.
Pi = força máxima aplicada à armadura de protensão pelo equipamento de tração.
força na armadura de protensão no instante imediatamente anterior à sua liberação das ancoragens externas.
Po(x) = força de protensão no tempo t = 0 na seção de abcissa x.
Pt é variável no tempo t em função das perdas progressivas, e tendem ao valor final da força de protensão (P∞(x)). P∞ = força de protensão final após ocorridas todas as perdas.
28) Desenhe um diagrama força de protensão x tempo para estruturas protendidas com prétração.
29) Desenhe um diagrama força de protensão x tempo para estruturas protendidas com póstração.
30) O que são valores limites de tensão na armadura de protensão e por que existem?
R: São os valores de máxima tensão que os cabos de aço podem ser submetidos, segundo a NBR 6118, as tensão prescritas, a fim de evitar solicitações irreversíveis.
31) O que é perda de protensão?
R: São perca que ocorrem no processo de protensão do aço, como por exemplo, perca por escorregamento dos fios na ancoragem, perca devido a relaxação da armadura, perca devido a retração inicial do concreto em pista de protensão.
32) Definir perda de protensão por escorregamento dos fios na ancoragem. Quando ocorrem na fabricação dos elementos de Concreto Protendido com pré-tração e pós-tração?
R: Ocorre devido ao escorregamento dos fios e acomodação das cunhas nos furos porta-cunha, de ordem 4 a 6mm, dependendo do tipo de armadura de protensão e da existência ou não de pistão de cravação de cunhas nos macacos de protensão. O escorregamento causa perda apenas na ancoragem ativa, enquanto na ancoragem passiva a acomodação/escorregamento vai sendo anulada na operação de estiramento.
33) Definir perda de protensão por retração e por fluência. Em que fases ocorrem? Como são calculadas?
R: A perda de protensão por retração e fluência inicial do concreto ocorre quando os cabos de protensão são protendidos em instantes diferentes, ou seja, o cabo protendido numa primeira etapa já vai sofrendo perdas de protensão até o instante de protensão de cada um dos cabos restantes.
Não havendo necessidade de se considerar um cálculo mais refinado, essa perdas iniciais podem ser estimadas, ou desprezadas quando forem pequenas.
34) O que é perda por relaxação da armadura de protensão? Quando ocorre e como é
calculada?
R: Perda de Tensão.
R: são devidas a uma diminuição de volume de concreto, decorrente dos fenômenos de retração e deformação lenta.
	
	Onde;
Ψσpr(t;to) – perda de tensão por relaxação pura desde o instante t0 do estiramento da armadura até o instante t.
σpi – tensão na armadura de protensão no instante de seu estiramento.
35) O que é perda por deformação imediata do concreto? Quando ocorre e como é calculada?
R: Ocorre nas estruturas executadas em pós-tração, a protensão realizada sucessivamente de cada cabo, provoca uma deformação imediata do concreto e também dos cabos que foram anteriormente protendidos, esta perda pode ser calculada com a seguinte formula:
	
	Onde;
σcp – tensão no concreto ao nível do baricentro da armadura de protensão simultânea dos n cabos.
σcg – tensão no mesmo ponto anterior, devido à carga permanente mobilizada pela protensão ou simultaneamente aplicada com a protensão.
36) O que é perda por atrito? Quando ocorre e como é calculada?
R: Nas peças pós-tracionadas, a armadura ativa ao ser posta em tensão pelo macaco sofre um alongamento gradativo que varia de zero até o valor final. Em conseqüência, e como a bainha apresenta quase sempre desenvolvimento curvo e sinuosidades involuntárias, surge o inevitável atrito entre o aço de protensão e a bainha.
37) O que são perdas de protensão iniciais e progressivas? Cite exemplos.
R: Perdas de protensão iniciais: São perdas ocorridas na pré-tração antes da liberação do dispositivo de tração, tem-se como exemplos; Atrito nos pontos de desvio da armadura poligonal, escorregamento dos fios na ancoragem, relaxação inicial da armadura e também a retração inicial do concreto.
Perdas de protensão progressivas: São perdas decorrentes da retração e da fluência do concreto e da relaxação do aço de protensão, e deve ser determinado considerando a interação dessas causas.
38) Como é determinada a força de protensão Pa no caso de pré-tração?
R: Pa É a força Pi (força no macaco hidráulico) subtraídas as perdas de protensão decorrentes do escorregamento dos fios (ou cordoalhas) e acomodação das ancoragens provisórias nos blocos de ancoragem, da relaxação do aço e da retração inicial do concreto. Também pode-se dizer que é a “força ancorada” imediatamente anterior à transferência da força de protensão para o concreto.
39) Como é determinada a força de protensão Po no caso de pré-tração?
R: É o valor inicial da força de protensão transferida ao concreto (t = 0). Na pré-tração é a força ancorada (Pa) diminuída da perda de protensão por deformação imediata, devido ao encurtamento elástico do concreto.
40) Como é determinada a força de protensão Po no caso de pós-tração?
R: Na pós-tração é a força no macaco (Pi) diminuída das perdas de protensão devidas ao atrito dos cabos nas bainhas, ao escorregamento dos fios (ou cordoalhas) na ancoragem e acomodação da ancoragem, da deformação imediata do concreto devida aos cabos restantes, da retração e fluência inicial do concreto e da relaxação inicial da armadura de protensão.
41) O que é e como é determinada a força de protensão P ?
R: força de protensão final após ocorridas todas as perdas.
P∞ = força de protensão final após ocorridas todas as perdas.
42) Definir os seguintes Estados Limites de Serviço: ELS-D, ELS-DP, ELS-F, ELS-W, ELSCE.
ELSD – Estado Limite de Descompressão (sct ≤ 0) (não há tração na seção)
ELSF – Estado Limite de Formação de Fissuras (sct ≤ fctm) (não há formação de fissuras)
ELSW –

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.