PORTAIRA SECIJU N. 569   NOVO REGIMENTO DISCIPLINAR  PRISIONAL - TOCANTINS
23 pág.

PORTAIRA SECIJU N. 569 NOVO REGIMENTO DISCIPLINAR PRISIONAL - TOCANTINS


DisciplinaExecução Penal386 materiais3.610 seguidores
Pré-visualização12 páginas
GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS
SECRETARIA DE ESTADO DE CIDADANIA E JUSTIÇA
Superintendência do Sistema Penitenciário e Prisional
Unidade de Tratamento Penal Barra da Grota
Comissão Disciplinar
PORTARIA SECIJU/TO Nº. 569, DE 11 DE JULHO DE 2018.
Institui o Regimento Disciplinar Prisional das Unidades Penitenciárias e Prisionais do Estado do Tocantins.
O SECRETÁRIO DE CIDADANIA E JUSTIÇA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 42, §1º., incisos I, II e IV, da Constituição do Estado do Tocantins.
Considerando que, não é possível administrar o sistema penitenciário e prisional, sem a existência de normas procedimentais, destinadas a padronizar o trabalho desenvolvido no âmbito das unidades, de forma que não haja condutas diferentes para situações análogas;
RESOLVE:
Art. 1º. Instituir o Regimento Disciplinar Prisional das Unidades Prisionais do Estado do Tocantins, no âmbito da Superintendência do Sistema Penitenciário e Prisional, vinculado à Secretaria de Cidadania e Justiça.
Art. 2º. As normas procedimentais que integram o Regimento Disciplinar devem ser obedecidas por todas as unidades penitenciárias e prisionais.
Art. 3º. Os Centros de Ressocialização, as Unidades Médico-Hospitalares e o Centro de Readaptação Penitenciária obedecerão a Regimento Interno específico.
Art. 4º. Este Regimento entra em vigor na data de sua publicação, ficando automaticamente revogadas as disposições em contrário.
REGIMENTO DISCIPLINAR PRISIONAL \u2013 ESTADO DO TOCANTINS
TÍTULO I
DA APLICAÇÃO DO REGIMENTO DISCIPLINAR PRISIONAL
Art. 5º. Não há sanção disciplinar sem expressa e anterior previsão legal ou regulamentar.
Art. 6º. Aplicam-se as normas contidas neste Regimento Disciplinar Prisional aos presos provisórios; aos condenados a penas privativas de liberdade nos regimes fechado e semiaberto e aos submetidos a medidas de segurança, no que couber.
TÍTULO II
DO OBJETO E DAS FINALIDADES DAS UNIDADES PRISIONAIS
Art. 7º. Cabe à Superintendência do Sistema Penitenciário e Prisional, vinculada à Secretaria de Cidadania e Justiça, por meio das unidades prisionais e dos demais órgãos que a compõem, promover a custódia, a execução penal, a medida de segurança e a ressocialização dos indivíduos presos provisórios, condenados e internados, bem como acompanhar e fiscalizar o cumprimento das penas e medidas alternativas.
Art. 8º. A administração das unidades prisionais é dividida por porte, sendo realizada por intermédio da Superintendência do Sistema Penitenciário e Prisional, vinculada à Secretaria de Cidadania e Justiça, responsável por garantir o desenvolvimento da política penitenciária; a correta aplicação das normas e diretrizes estabelecidas pela Secretaria de Cidadania e Justiça e a execução das atividades a elas inerentes.
TÍTULO III
DOS TIPOS DAS UNIDADES PRISIONAIS E CENTRAIS DE MONITORAMENTO
Art. 9º. O Sistema Penitenciário do Estado do Tocantins, que integra a estrutura básica da Superintendência do Sistema Penitenciário e Prisional, vinculado à Secretaria de Cidadania e Justiça, é constituído por:
I - Unidades de detenção provisória;
II - Unidades penitenciárias;
III - Cadeias Públicas;
IV - Unidades penais agrícolas;
V - Unidades de Regime Semiaberto;
VI - Central de monitoramento eletrônico.
TÍTULO IV
DAS FASES EVOLUTIVAS INTERNAS
Art. 10. A pena privativa de liberdade é executada de forma progressiva com a transferência para regime menos rigoroso, a ser determinado pela autoridade judicial competente, quando o preso tiver cumprido o lapso temporal exigido por Lei no regime anterior e ostentar bom comportamento carcerário, comprovado pelo diretor da unidade prisional, respeitadas as normas que vedam a progressão.
Parágrafo único. Para a avaliação comportamental abrangida pelo caput deste artigo, deve ser observado o disposto nos arts. 85 a 90 deste Regimento.
Art. 11. A execução administrativa da pena, respeitados os requisitos legais, desenvolve-se, necessariamente, obedecendo às seguintes fases:
I - procedimento de inclusão, no decorrer de até 10 (dez) dias;
II - regime de observação, no decorrer de até 20 (vinte) dias;
III - desenvolvimento do processo de execução da pena, compreendendo as fases processuais, a evolução psicossocial, educacional e o mérito comportamental.
TÍTULO V
DA INCLUSÃO E DO REGIME DE OBSERVAÇÃO DO PRESO
CAPÍTULO I
DA INCLUSÃO
Art. 12. A inclusão é o procedimento adotado quando do ingresso do preso em unidades prisionais da Superintendência do Sistema Penitenciário e Prisional, vinculada à Secretaria de Cidadania e Justiça, nas seguintes situações:
I - quando oriundo de carceragens não pertencentes à Superintendência do Sistema Penitenciário e Prisional, vinculadas à Secretaria de Cidadania e Justiça, observadas as normas específicas que regem o tema;
II - quando oriundo de outra unidade prisional pertencente à rede do Sistema Penitenciário e Prisional, a título de movimentação externa definitiva ou trânsito.
Art. 13. Quando da inclusão em unidade prisional, o preso oriundo de carceragens da Secretaria da Segurança Pública deve se submeter, obrigatoriamente, aos seguintes procedimentos:
I - revista pessoal e de seus objetos, com sujeição a equipamentos detector de metal e raio X;
II - higienização pessoal;
III - identificação, inclusive fotográfica;
IV - substituição de vestuário civil pelo uniforme padrão adotado;
V - entrega de objetos e de valores, cuja posse não seja permitida, mediante inventário e contra recibo;
VI - sujeição a exame médico admissional e preventivo;
VII - entrevista com a área de segurança e disciplina;
VIII - entrevista com a área de reintegração.
§1º. A devolução dos objetos e dos valores, de que trata o inciso V deste artigo, somente deve ocorrer em razão de liberdade definitiva do preso, da unidade prisional onde se encontra em cumprimento de pena.
§2º. Na hipótese de transferência do preso para outra unidade prisional, os objetos e valores pessoais serão encaminhados no prazo de até 15 (quinze) dias.
Art. 14. Quando do ingresso do preso, a qualquer título, em unidade prisional da rede da Superintendência do Sistema Penitenciário e Prisional, vinculado à Secretaria de Cidadania e Justiça, deve ser comunicado, pela assistência social da unidade, à família do preso ou à pessoa por ele indicada, acerca do local da prisão onde se encontra.
Parágrafo único. O disposto no caput deste artigo deve ser aplicado aos presos que estiverem em trânsito; em período de inclusão ou em regime de observação.
Art. 15. Quando da inclusão de preso estrangeiro, deve o diretor da unidade prisional, no primeiro dia útil subsequente, oficiar ao respectivo consulado, comunicando sobre o local e data de recolhimento; condições físicas e de saúde em que se encontra; existência de advogado para sua defesa e outras informações que se fizerem necessárias.
Art. 16. O preso deve receber informações escritas sobre as normas que orientam o seu tratamento; as imposições de caráter disciplinar, bem como sobre os seus direitos e deveres, sendo prestadas, verbalmente, essas informações, aos presos analfabetos e com limitações de comunicação.
Art. 17. O responsável pela inclusão do preso, deve se certificar das condições físicas do mesmo ao adentrar à unidade prisional pertencente à Superintendência do Sistema Penitenciário e Prisional, vinculado à Secretaria de Cidadania e Justiça.
§1º. Detectados indícios de ter sido violada a integridade física ou moral do preso, bem como verificada situação de saúde debilitada, deve ser imediatamente comunicado ao diretor da respectiva unidade prisional.
§2º. Recebida a comunicação, o diretor da unidade prisional deve, de pronto, adotar as providências administrativas, de acordo com o fato gerador, sob pena de responsabilidade se assim não fizer.
Art. 18. O preso que estiver em período de inclusão tem direito à audiência com seu defensor.
Art. 19. O preso que estiver em período de inclusão tem direito a receber visita assistida, de pessoa