Radiologia Digital
72 pág.

Radiologia Digital


DisciplinaRadiologia Digital43 materiais2.023 seguidores
Pré-visualização12 páginas
Almir Inácio da Nóbrega 
 - 2002 - 
 
 
 
 Índice: 
 
 
 
- Radiologia Digital 4 
 
- Imagem Digital 7 
 
- Imagens Digitais nos atuais Centro de Diagnóstico por Imagem 11 
 
- Workstation 12 
 
- Tratamento da Imagem Digital 13 
ƒ Formatação 13 
ƒ Apresentação (Display) 13 
ƒ Reformatação 14 
ƒ Magnificação 15 
ƒ Lupa 15 
ƒ Deslocamento (Scroll) 16 
ƒ Anotação 16 
ƒ Apagar ( Delete/Erase ) 17 
ƒ Rodar ( Flip/Rotate ) 17 
ƒ Medidas ( Measure ) 18 
ƒ Filtros Digitais 18 
ƒ Imagens de Referência 19 
ƒ Algoritmos de Reconstrução (TC) 20 
ƒ Arquivo 21 
ƒ Documentação 22 
 
- Reconstruções Tridimensionais 23 
 
- Reconstruções Vasculares 29 
ƒ Angio TC 30 
ƒ Protocolos TC 32 
ƒ Angio RMN 35 
 
 2
- Multi Planar Volume Reconstruction \u2013 MPVR 39 
 
- Análise Funcional 40 
 
- Equipamentos Digitais 42 
 
ƒ - Raio- X Computadorizado 43 
ƒ 
ƒ - Mamografia Digital 47 
ƒ 
ƒ - Angiografia por Subtração Digital 52 
ƒ 
ƒ - Densitometria Óssea 57 
 
- Redes de Computadores no Diagnóstico por Imagem 61 
ƒ RIS / HIS 66 
ƒ 
ƒ PACS 67 
ƒ 
ƒ Teleradiologia 66 
 
- Glossário 70 
 
- Bibliografia 72 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 3
 
 
 Radiologia Digital 
 
 
 A radiologia digital é o ramo do diagnóstico médico que emprega 
sistemas computacionais nos diversos métodos para a aquisição, transferência, 
armazenamento, ou simplesmente tratamento das imagens digitais adquiridas. 
 A evolução da computação, especialmente na área médica, permitiu um 
enorme avanço no diagnóstico por imagem. A partir de modernos sistemas computacionais 
desenvolvidos em plataforma apropriadas de tratamento gráfico tornou-se possível uma 
gama de aplicações que vão, desde uma simples medida linear, até um complexo modelo 
de apresentação tridimensional. Os mecanismos de comunicação, transferência de 
arquivos e armazenamento de informações, possibilitou ainda o estabelecimento do 
trabalho em rede onde, equipamentos conectados entre si, passaram a trocar informações 
do paciente, de exames, de protocolos, ou simplesmente passaram a fazer armazenamento 
de imagens e documentação radiográfica em impressoras laser. 
 O ambiente de rede comum nos serviços de diagnóstico por imagem é 
conhecido pela sigla \u201c RIS\u201d ( Radiology Information System). A rede RIS apresenta 
melhor eficiência, quando conectada ao Sistema de Informações do Hospital \u2013 \u201cHIS\u201d 
(Hospital Information System). 
 Com o auxilio de redes de transmissão de alta velocidade ou mesmo via 
INTERNET, tornou-se possível o envio de imagens para equipamentos localizados em 
pontos distantes do serviço de origem. Este tratamento da imagem digital constitui a 
base da Teleradiologia. 
 A comunicação entre os equipamentos de diagnóstico por imagem e estações 
remotas, tornou-se possível graças ao desenvolvimento de redes de computação de longa 
distância (WAN \u2013 Wide Área Network) e de softwares modernos de transmissão de dados. 
A partir do uso da teleradiologia, hospitais, clínicas ou mesmo residências particulares 
localizadas em pontos distantes passaram a receber arquivos de imagens permitindo a seus 
usuários um tratamento interativo à distância, abrindo novas perspectivas para o tratamento 
das imagens com fins diagnósticos. 
 
 
 
 
 
 O Computador. 
 
 
 O computador usa o sistema binário de informações como base numérica 
para interpretação e execução das suas funções. 
 O elemento básico de informação é o bit (binary integer), unidade que 
admite o estado lógico \u201cum \u201c ou \u201czero\u201d ( ON / OFF ). 
 4
 A ordem de execução de uma tarefa a um computador é dada através do 
\u201cByte \u201c. O byte, por sua vez, é a informação contida num conjunto de 8 bits. 
 Os computadores podem receber ordem a partir de 8 bits (1 Byte), 16 bits 
(2 bytes) , 32 bits ( 4 bytes ) ou mesmo 64 bits ( 8 bytes ). 
 
 
 
 
 
 
 
 A CPU ( Central Processing Unit ) 
 
 A CPU é o principal processador das informações. A velocidade com que 
uma CPU trabalha os dados é fundamental, particularmente na radiologia digital que lida 
com imagens médicas, muitas vezes, de alta resolução. 
 Nos computadores pessoais o processador PENTIUM é o mais comum, 
sendo também utilizado em alguns sistemas digitais de imagens. 
 
 
 
 Velocidade de alguns processadores em MIPS ( Milhões de Instruções por 
Segundo ) 
 
 
 SUN \u2013 SPARC 100 
 ALPHA 1000 
 PENTIUM 100 Mhz 100 
 PENTIUM-IV 1 Ghz 1000 
 PENTIUM-IV 2 Ghz 2000 
 
 
 
 
 
 
 Memória: 
 
 
 Memória RAM : (Random Access Memory ) 
 
 
 Os computadores utilizam-se dispositivos que armazenam 
informações como \u201cbits\u201d, por meio de capacitores, semicondutores e 
 5
transistores, denominados de memória RAM. A memória RAM contém 
os programas que fazem o computador funcionar e só está disponível 
quando o equipamento está ligado. Os equipamentos de imagem possuem 
computadores com memória RAM entre 16 e 256 M-bytes. 
 
 
 
 
 
 
 
 Sinal Analógico: 
 
 Os sinais analógicos são transmitidos de forma contínua e periódica. A 
propagação do som é um exemplo típico de sinal analógico. 
Propagação da energia 
 
 
Sinal Digital: 
 Os sinais digitais são transmitidos de forma discreta, isto é, em valores 
absolutos, e podem facilmente ser manipulados por computador. Neste caso os valores 
discretos são transformados em dígitos e convertidos no sistema binário. Os sinais 
digitais constituem o princípio da formação das imagens digitais. 
 
Conversão do sinal analógico para digital. 
 
 A conversão dos sinais analógicos para digitais deve obedecer ao Teorema 
de Nyquist. Diz o teorema que para a representação em valores discretos de um sinal 
analógico periódico devemos obter no mínimo duas amostras do sinal por período. 
 
 
 Sinal Analógico Sinal Digital 
 
 6
 
 Um número de amostras inferior ao proposto por Nyquist seria incapaz de 
reproduzir com fidelidade a informação analógica. Número de amostras superior ao 
proposto produz excesso de informação (overrange) ocasionando \u201caliasing\u201d. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Imagem Digital 
 
 
 As imagens geradas nos diferentes equipamentos de diagnóstico por imagem, 
podem ser reconstruídas a partir da transformação de um número muito grande de 
correntes elétricas em dígitos de computador formando uma imagem digital. 
 A imagem digital é apresentada em uma tela de computador ou filme 
radiográfico na forma de uma matriz formada pelo arranjo de linhas e colunas. Na 
intersecção das linhas com as colunas forma-se a unidade básica da imagem digital, o Pixel 
(picture element). 
 Para que a imagem digital possa interpretada como a imagem de um objeto ou 
de uma estrutura anatômica os dígitos de cada pixel da imagem são convertidos em tons de 
cinza numa escala proporcional a seus valores.