A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
162 pág.
Exercicios de Portugues - Verbo

Pré-visualização | Página 2 de 50

subjuntivo: diga/ digas/ diga 
...). 
As demais formas verbais estão no: 
(A) criei – pretérito perfeito do indicativo 
(B) foi – pretérito perfeito do indicativo 
(C) ia – pretérito imperfeito do indicativo 
(D) gostam – presente do indicativo 
 
5 - (TRT 8ª Região – Técnico Judiciário ) 
Embora, é claro, devamos resistir à tentação fácil de elevar e idealizar os favelados, (...) 
também devemos, como propõe [o filósofo Alain] Badiou, enxergar as favelas... 
É correto afirmar que o emprego do verbo dever em modos diferentes no segmento que inicia 
o último parágrafo do texto indica, respectivamente, (A)) possibilidade de ação e fato real. 
(B) explicação de um fato e dúvida concreta. 
(C) suavização de uma ordem e repetição de um fato. 
(D) fato anterior e hipótese futura. 
(E) situação real e conseqüência imediata. 
 
Gabarito: A 
 
Comentário. 
Como vimos no início do nosso estudo, o modo subjuntivo indica fatos que estão no campo da 
hipótese, incerteza, possibilidade, probabilidade, enquanto que o modo indicativo retrata fatos 
reais, concretos. Como a forma devamos está no presente do subjuntivo, indica um fato 
 
 
possível (possibilidade), enquanto que devemos, do presente do indicativo, denota um fato 
real. Está correta a opção de letra (A). 
 
6 - (Assistente de Defesa Agropecuária MA ) 
Ainda que parte da água possa ser reaproveitada... 
O emprego da forma verbal grifada indica, considerando-se o contexto, 
(A) fato concreto. 
(B))hipótese realizável. 
(C) ação habitual. 
(D) ordem imediata. 
(E) situação pretérita. 
 
Gabarito: B 
 
Comentário. 
Mais uma vez, a banca explora o conceito de emprego do modo subjuntivo. 
A forma “possa” está no presente do subjuntivo que, como vimos, situa no plano da hipótese, 
possibilidade ou probabilidade os fatos que relata. Por isso, está correta a indicação de ser um 
caso de hipótese realizável. 
 
7 - (Assistente de Defesa Agropecuária MA ) 
Assinale a alternativa que preenche, correta e respectivamente, as lacunas da frase 
apresentada. 
Os alimentos devem ser ...... em água limpa para que a população não ...... 
a ter problemas de saúde. 
(A) cozinhados - venhe 
(B) cozinhados - vem 
(C) cozidos - venhe 
(D) cozidos - venha 
(E) cozidos – vêm 
 
Gabarito: D 
 
Comentário. 
Denominam-se formas nominais as palavras, de origem verbal, que também podem ser 
empregadas nas funções próprias de adjetivos, substantivos ou advérbios. São elas: 
PARTICÍPIO, GERÚNDIO E INFINITIVO. 
 
PARTICÍPIO: 
Ele havia lavado o chão da casa antes do temporal. (verbo) 
O uniforme lavado ficou todo sujo após o vendaval. (adjetivo) 
GERÚNDIO: 
O presidente fica persistindo na argumentação de que nada sabia sobre o valerioduto. 
(verbo) 
Persistindo os sintomas, o médico deverá ser consultado.. 
(advérbio de condição = “Caso persistam os sintomas...”) 
INFINITIVO: 
 
 
Ele precisa pôr os nomes nos livros. (verbo) 
O pôr-do-sol é lindo nessa época do ano. (substantivo) 
 
Essas formas nominais (particípio, gerúndio e infinitivo) podem também fazer parte de uma 
locução verbal. 
Locução verbal é o conjunto semântico de dois ou mais verbos. Forma-se com um verbo 
principal e um ou mais verbos auxiliares. Às vezes, no meio da locução verbal pode aparecer 
uma preposição (de, a), como em “comecei a trabalhar”, “hei de vencer” ou “tenho de 
esquecer”. 
Enquanto o principal vem sob uma forma nominal (infinitivo, gerúndio ou particípio), seu(s) 
auxiliar(es) pode(m) vir em uma forma finita (indicativo, subjuntivo, imperativo) ou também 
nominal. Nessa relação, o que se flexiona é o verbo auxiliar, mas do modo como o verbo 
principal iria variar. 
Em outras palavras, o verbo auxiliar faz tudo o que o verbo principal iria fazer se estivesse 
sozinho. 
 
Formam-se locuções verbais em: 
• construções de voz passiva, principalmente com os verbos auxiliares SER e ESTAR; 
• tempos compostos, com os verbos auxiliares TER e HAVER. 
• construções com auxiliares modais, que determinam com mais rigor o modo como se 
realiza – ou deixa de se realizar - a ação verbal. 
 
Expressam circunstâncias de: início ou fim (comecei a estudar, acabei de acordar), 
continuidade (vai andando), obrigação (tive de entregar), possibilidade (posso escrever), 
dúvida (parece gostar), tentativa (procura entender) e outras tantas. 
 
Como num escritório, onde quem manda é o chefe e quem trabalha é o empregado (ou você já 
viu algum chefe trabalhando???), na locução verbal, quem exerce a função de “chefe” é o 
verbo principal – ele fica “paradão”, só mandando, e o pobre do auxiliar se flexiona de acordo 
com as suas ordens. 
 
No particípio, a maior parte dos verbos só apresenta a forma regular (terminadas por “ado” / 
“ido”). 
Contudo, existem algumas exceções: alguns verbos apresentam mais de uma forma – a 
regular (“ado” / “ido”), usada com os verbos ter e haver (tempo composto) e a irregular, ligada 
aos verbos ser e estar (voz passiva). Dentre eles, estão: 
• ACEITAR – (ter/haver) aceitado; (ser/estar) aceito 
• ELEGER – (ter/haver) elegido; (ser/estar) eleito 
• ENTREGAR - (ter/haver) entregado; (ser/estar) entregue 
• IMPRIMIR - (ter/haver) imprimido; (ser/estar) impresso 
• SALVAR – (ter/haver) salvado; (ser/estar) salvo 
• SUSPENDIDO – (ter/haver) suspendido; (ser/estar) suspenso 
 
Outras curiosidades: 
1. os verbos abrir, cobrir, dizer, escrever, fazer, pôr, ver, vir (e derivados) possuem 
apenas o particípio irregular (aberto, coberto, dito, escrito, feito, posto, visto e 
vindo – neste último, coincidem as formas de particípio e gerúndio); 
 
 
2. alguns verbos aceitam ambas as formas (regular e irregular) para qualquer dois 
verbos auxiliares: segundo a maioria dos gramáticos, são quatro: pagar, pegar, 
ganhar e gastar (para memorizá-las, imagine a seguinte situação: no dia do 
pagamento, você ganha o salário e, no supermercado, pega o produto, paga por 
ele e gasta o dinheiro – gostou do método mnemônico?); 
3. o particípio do verbo CHEGAR é um só – o regular CHEGADO. A forma “chego” é 
a conjugação de 1ª pessoa do singular do presente do indicativo (“Eu chego”). 
Não existe a forma de particípio irregular para esse verbo. Então: “Eu tinha 
chegado ao escritório bem cedo.”. 
 
De volta à questão, o verbo “cozer” muitas vezes se confunde com o correlativo “cozinhar”, 
mas cada um apresenta uma forma participial: cozinhado (usado basicamente em tempo 
composto: tinha/havia cozinhado) e cozido (geralmente construído na voz passiva: é/está 
cozido, mas também empregado em tempo composto: havia/tinha cozido). 
 
Na questão, o verbo “cozer” tem como auxiliar o verbo “ser”, figurando, portanto, em voz 
passiva. A forma correta será: cozidos. 
 
Em seguida, como o fato se situa no campo da hipótese, devemos usar o presente do 
subjuntivo – “para que a população não venha a ter problemas de saúde”., 
 
Está correta, pois, a opção (D). 
 
Atenção: A questão 8 baseia-se no texto apresentado abaixo. 
 
A economia vai devorar o planeta? 
Para a maioria dos ecologistas, o impacto das atividades humanas sobre anatureza é real. A 
salvação do planeta passaria necessariamente pelo fim do crescimento de economias e 
populações, além da adoção de uma economia ecológica − com a reforma dos sistemas de 
produção de alimentos, materiais e energia. Uma economia ambientalmente sustentável seria 
movida por fontes renováveis de energia: eólica, solar e geotérmica. A eletricidade eólica seria 
usada para produzir hidrogênio. As estruturas atuais de gasodutos fariam o transporte do gás 
que moveria a frota de automóveis. 
Nesse sistema, a indústria da reciclagem e reutilização substituiria em grande parte as 
atividades extrativistas. 
Para se alcançar esse estágio, os sistemas tributários mundiais precisariam ser reformulados, 
de modo a oferecer subsídios à reciclagem e à geração de energia limpa e renovável e taxar 
atividades