Direito Civil II
14 pág.

Direito Civil II


DisciplinaDireito Civil II11.461 materiais123.464 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Direito Civil II 
	  
Direito Civil II \u2013
Obrigações
Noção de Obrigação
Acepção ampla
acepção restrita
Elementos constitutivos da relação obrigacional
Os sujeitos
O objeto (prestação debitória)
Finalidade da relação jurídica obrigacional
Interesse do credor
Num sentido amplo, a obrigação é dever social; já numa acepção restrita, que é a que nos interessa, é dever juridicamente exigido, é previsão na lei de que determinado ato enseja um dever.
Pode ser uma obrigação simples (pagar credor) ou mais complexa (casos de responsabilidade civil).
No mínimo a relação tem dois sujeitos, um credor e o outro devedor, podendo também ser uma relação entre pessoa física e pessoa jurídica.
O objeto é aquilo que cria o vínculo, a exigência, a prestação debitória.
Tem-se como finalidade do cumprimento da obrigação a satisfação do credor, em que a prestação debitória é satisfeita.
 
Estão envolvidos interesses patrimoniais e também extrapatrimoniais.
 Patrimoniais \u2013 contratos de compra e venda, interesse econômico, mútuo, comissão, reparação de danos.
Extrapatrimoniais \u2013 crédito, interesse intelectual, lazer. Que tenham a ver com a vida, com a psique, com a imagem, com a honra...
As três espécies de relações jurídicas obrigacionais:
Obrigações negociais
obrigações de reparação de danos
obrigações de restituição por enriquecimento sem causa
Classificação das relações jurídicas obrigacionais
Relações obrigacionais lato sensu
relações obrigacionais strictu sensu
relações mercantis ou empresariais
relações obrigacionais de consumo
Obrigações negociais
Relação entre credor e devedor acerca de um contrato.
Identificam-se em tutelar a expectativa do credor, que é a realização integral do pagamento da obrigação.
Exemplo: Contrato de compra e venda de negócio unilateral (promessa pública de recompensa)
Declaração de vontade que cria um vínculo entre as partes
Uma forma de assegurar que seja cumprida sua expectativa.
Regulado a partir do artigo 319 (?).
 Obrigações de Reparação de Danos
Identificam-se com o interesse do credor, motivado por atitude antijurídica, ainda que não ilícita, podendo também ser ilícitos de violação de dever de não causar dano. 
Buscam restabelecer a condição anterior. Tutelam o direito do credor com relação aos danos sofridos.
Obrigações de restituição por enriquecimento sem causa
Interesse do credor na devolução de bens ao devedor que este tenha obtido a custa de bens (direitos da personalidade, reais do credor).
Restituir, devolver acréscimo patrimonial indevidamente conseguido.
Relações obrigacionais stricto sensu:
a) decorrem do sistema geral de Direito Privado, CC e leis extravagantes.
b) demais (?) sujeitos \u2013 particulares empresários \u2013 pessoas jurídicas.
Relações obrigacionais de consumo:
Regidas pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC)
Conceito de Direito de Obrigação
É o complexo de normas que regem as relações jurídicas de ordem patrimonial que têm por objeto prestações de um sujeito em proveito de outro.
O Direito Obrigacional compreende as relações jurídicas que constituem projeções da autonomia privada na esfera patrimonial.
É o vínculo jurídico que confere ao credor (sujeito ativo) o direito de exigir do devedor (sujeito passivo) o cumprimento de determinada prestação.
Finalidade:
Fornecer subsídios ao credor para exigir do devedor o cumprimento da prestação.
Regrar os comportamentos humanos, possibilitando a vida em sociedade.
Origem das Obrigações
Lei
Contrato
Ato ilícito (sentença judicial)
Declaração unilateral de vontade
Há uma doutrina que diz que na verdade as fontes verdadeiras são os fatos jurídicos lato sensu, as outras fontes seriam expressões formais desses.
(Clovis do Couto e Silva e Fernando Noronha)
Importância:
O DC tem grande influência na vida econômica em razão da notável frequência das relações jurídicas obrigacionais na sociedade, que vão desde a compra de matérias-primas, produção, compra e venda de produtos e circulação de bens.
Características:
Tem por objetos direitos de natureza pessoal que estabelecem vínculos jurídicos entre credor e devedor
A tipificação legal não se esgota, numerus apertus (numerus apertus = número ilimitado, contrário de numerus clausus = número limitado), se estende a todas as atividades que tenham interesse patrimonial.
Novas situações podem ser reconhecidas como geradoras de obrigação.
São direitos relativos \u2013 que se dirigem a pessoas determinadas, onde credor e devedor são conhecidos \u2013 interpartes.
São direitos a uma prestação positiva (dar ou fazer) ou negativa (não fazer)
Patrimonialidade do objeto, podendo não haver conotação patrimonial.
Diferenças entre Direitos Reais e Pessoais
Reais \u2013 é o poder direto e imediato exercido por uma pessoa sobre uma coisa com exclusividade e contra todos. São elementos da relação jurídica o sujeito, a coisa e o poder que o sujeito ativo exerce sobre a coisa.
Considera-se sujeito passivo toda a coletividade, que tem o dever de abstenção.
Pessoais \u2013 é a relação envolvendo no mínimo 2 pessoas, sujeito ativo e passivo, tendo por objeto o cumprimento de uma prestação que o segundo deve ao primeiro. É o direito contra determinada pessoa.
- No direito real o sujeito passivo é indeterminado até o momento em que ocorre a lesão ao direito.
Diferenças quanto ao objeto:
No direito pessoal há sempre uma prestação que cabe ao devedor, já no direito real o objeto pode ser coisa corpórea ou incorpórea, não se cria obrigação para terceiros mas gera-se obrigação passiva universal, consistente no dever geral de abstenção.
Quanto ao limite:
No direito pessoal permite-se a criação de figuras contratuais que não tenham correspondentes na legislação.
Direito real \u2013 não pode ser objeto de livre convenção, pois é limitado e regulado expressamente por norma jurídica.
Espécies de prestação debitória segundo o seu objeto:
Prestações de coisa: O objeto da prestação é a entrega ou a devolução de coisas.
Obrigação de dar \u2013 (art. 233 a 251 do Código Civil (CC)) \u2013 de dar coisa certa (obrigações específicas).
Obrigações de dar coisa incerta (art. 243 a 246 CC) \u2013 obrigações genéricas.
Obrigações pecuniárias \u2013 de dar quantia certa (art. 315 a 404 CC)
Prestações de fato: O objeto da prestação é a ação ou omissão do devedor.
Compõe-se de obrigações de fazer e de não fazer (art. 247 a 251 CC).
233 a 251 \u2013 coisa certa, individualizada, possui características próprias, determinado.
243 a 246 \u2013 coisa incerta = possui características próprias, em que o objeto só vai ser conhecido na prestação da obrigação, tendo de ser, desde antes, determinável. O objeto deve possuir características para identificá-lo, gênero, quantidade.
315 \u2013 404 \u2013 quantia certa \u2013 entrega ou devolução de valores monetários da moeda corrente, que são devolvidos ao patrimônio do devedor(?).
Quanto à natureza essencial do objeto, as prestações se dividem em:
Prestações divisíveis e indivisíveis (art. 257 a 263 CC)
Prestações solidárias (art. 264 a 285 CC)
Prestações alternativas (art. 282 a 356 CC)
16 de março de 2010
Elementos constitutivos da obrigação
Subjetivo: sujeitos da relação (ativo e passivo).
Objeto: sempre uma conduta ou ato humano. Deve ser:
lícito
possível
economicamente apreciável
determinado ou determinável
Vínculo jurídico: liame existente entre sujeito ativo e passivo.
Prestações indivisíveis e divisíveis
Situações em que não é possível dividir em partes, é um todo. Ex.: imóvel.
Coisa de fato insuscetível de divisão por sua natureza ou motivo de ordem econômica ou ainda em razão do negócio jurídico.
Os divisíveis ocorrem quando há mais de um credor de dívidas, por exemplo.
 
OUTRA FONTE (CADERNO DA GEÍZA)
  
Obrigação de Reparação de Dano
Identifica-se com o interesse do credor causado por atitude antijurídica, ainda que não ilícita, podendo também ser ilícito que violou o dever de não causar dano. 
Busca restabelecer a condição anterior.
Tutela o direito do credor com relação aos danos sofridos.