Ruído
28 pág.

Ruído


DisciplinaProteção do Meio Ambiente144 materiais1.648 seguidores
Pré-visualização1 página
Ruído
Introdução
Uma das definições possíveis e aceitáveis é a de que ruído é todo e qualquer som indesejável e que perturba seja física ou psicologicamente. Conceitualmente, ruído pode ser um som ou mistura deles capazes de causar dano à saúde de quem está exposto.
Embora cada indivíduo tenha sua tolerância, pois esta depende de uma série de fatores físicos e psicológicos, a persistência na exposição a ruídos além do estabelecido pela NR15 trará ao ser humano lesões que podem ser de grau leve a profundas e irreversíveis.
Os fatores que influenciam
CARACTERIZAÇÃO DAS FONTES DE RUÍDO
RUÍDO DE IMPACTO OU IMPULSIVO
A NR-15 entende por ruído de impacto aquele que apresenta picos de energia acústica de duração inferior a 1 segundo, em intervalos superiores a 1 segundo. A medição deve ser feita com medidor de nível de pressão sonora, medidos em decibéis (dB), operando no circuito linear e circuito de resposta para impacto
RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE 
O ruído contínuo ou intermitente é aquele cujo NPS varia 3 dB durante um período longo (mais de 15 minutos) de observação. Segundo a NR-15 \u2013 Atividades E Operações Insalubres, que determina os limites de tolerância para ruído contínuo ou intermitente, o ruído contínuo é aquele não classificado como ruído de impacto e que deve ser medido em decibéis (dB), com o instrumento de nível de pressão sonora operando no circuito de resposta lenta. O limite de tolerância à exposição aos níveis de ruído nessas circunstâncias é de 115 dB(A).
 EXPOSIÇÃO AO RUÍDO
As dificuldades auditivas podem ser devidas a um bloqueio mecânico na transmissão do som do ouvido interno (surdes de transmissão) ou causar danos nas células ciliadas da cóclea, que fazem parte do ouvido interno (surdes neurossencial). Em momentos raros, as dificuldades auditivas podem ainda ser causadas por perturbações do processamento auditivo central.
A perda de audição induzida pelo ruído e causada, normalmente, pela exposição prolongada a níveis de ruído elevados. O primeiro sintoma costuma ser a incapacidade de ouvir sons agudos.
 
LIMITES
NORMAS E REGULAMENTAÇÕES
NR15 - Atividades e Operações Insalubres:
Atividades e Operações Insalubres: Descreve as atividades, operações e agentes insalubres, inclusive seus limites de tolerância, definindo, assim, as situações que, quando vivenciadas nos ambientes de trabalho pelos trabalhadores, ensejam a caracterização do exercício insalubre, e também os meios de proteger os trabalhadores de tais exposições nocivas à sua saúde. 
NHO 01 - Avaliação da Exposição Ocupacional ao Ruído
Esta Norma Técnica tem por objetivo estabelecer critérios e procedimentos para a avaliação da exposição ocupacional ao ruído, que implique risco potencial de surdez ocupacional.
A Norma aplica-se à exposição ocupacional a ruído contínuo ou intermitente e a ruído de impacto, em quaisquer situações de trabalho, contudo não está voltada para a caracterização das condições de conforto acústico.
Terminologia e Definições Ciclo de exposição: conjunto de situações acústicas ao qual é submetido o trabalho, em sequência definida, e que se repete de forma contínua no decorrer da jornada de trabalho.
SAÚDE NO TRABALHO
Quanto o ruído no ambiente de trabalho é capaz de prejudicar a audição
O problema é muito comum, podendo ser frequente em vários outros locais
A exposição a barulhos excessivos no ambiente de trabalho é um dos principais fatores ocupacionais que mais geram anos vividos com incapacidade, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS)
CONSEQUÊNCIAS AUDITIVAS
O resultado de uma exposição inadequada em médio prazo é a perda auditiva, que ocorre de forma lenta e irreparável.
Tratando-se de uma perda lenta, é imperceptível, principalmente, porque o ouvido começa a perder sensibilidade a frequências muito altas, sendo que isto não se percebe no que se refere à fala, conversação. Para o diagnóstico correto de alguma perda auditiva, deve-se fazer exame audiômetro
ROMPEDORES 
Os homens da construção civil, na maioria, pessoas simples, além de enfrentar condições penosas de trabalho, não encontram respaldo protetivo adequada à sua saúde e integridade física, pelo menos comparados aos trabalhadores da indústria química, metalúrgica ou têxtil. Portanto o objetivo desse trabalho e descrever a exposição ao ruído dos trabalhadores do ramo da construção civil, como exemplos rompedores eletricos e risco de surdez ocupacional, demostrando a gravidade desse problema compondo medidas saneadoras que redundem em atenuação do ruído. 
Nível  sonoro: 103-115 dB(A)
Causa do ruído: O ruído é gerado pelo corpo da máquina, mas principalmente pelo contato entre a ferramenta do rompedor e a superfície do material trabalhado e quando o equipamento é pneumático, pelo escoamento turbulento de exaustão do ar
AÇÕES PREVENTIVAS 
EPC
Equipamentos de Proteção Coletiva são equipamentos utilizados para proteção de segurança enquanto um grupo de pessoas realizam determinada tarefa ou atividade. O Equipamento de Proteção Coletiva deve ser usado prioritariamente ao uso do Equipamento de Proteção Individual, por exemplo: um equipamento de enclausuramento acústico deve ser a primeira alternativa a ser indicada em uma situação onde houver risco físico de ruído, por proteger um coletivo.
EPI
Protetores auriculares e abafadores de ruído são equipamentos fundamentais para os profissionais que trabalham em constante contato com ruídos. Esse cenário é bastante comum em segmentos como a construção civil, fábricas, indústria, siderúrgicas, usinas e similares. 
O EPI para proteção da audição é fundamental quando os ruídos ultrapassam a marca de 85 decibéis. Por outro lado, a precaução é sempre recomendada, pois ao ultrapassar a marca de 50 decibéis já pode haver dano à audição. Dessa forma, é fundamental que gestores e trabalhadores estejam atentos a necessidade de usar o equipamento.
AÇÕES CORRETIVAS
É necessária a implementação de Programas de Conservação Auditiva (PCA) com o objetivo prevenir ou estabilizar as perdas auditivas aos quais estão sujeitos os trabalhadores.
Programa de Controle Médico: monitoramento dos trabalhadores expostos ao ruído ambiental através de exames audiométricos realizados por ocasião do exame admissional, seis meses após a admissão e, posteriormente, a cada ano.
Programa de Avaliação Ambiental: medição periódica dos níveis de pressão sonora nos ambientes de trabalho assim como monitoramento da exposição individual, buscando definir a dose de ruído recebida por cada um dos trabalhadores através da utilização de dosímetros.
CONCLUSÕES