A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
APOSTILA QUESTÕES OAB FGV

Pré-visualização | Página 17 de 50

rebus sic stantibus. 
d) Exige a imprevisibilidade do fato superveniente. 
 
02. (OAB - FGV – 2010.3) Em relação aos princípios previstos no Código de Defesa do 
Consumidor, assinale a alternativa correta. 
a) O CDC é uma norma tipificadora de condutas, prevendo expressamente o comportamento 
dos consumidores e dos fornecedores. 
b) A boa-fé prevista no CDC é a boa-fé subjetiva. 
c) O princípio da vulnerabilidade, que presume ser o consumidor o elo mais fraco da relação de 
consumo, diz respeito apenas à vulnerabilidade técnica. 
d) O princípio da transparência impõe um dever comissivo e um omissivo, ou seja, não pode o 
fornecedor deixar de apresentar o produto tal como ele se encontra nem pode dizer mais do 
que ele faz; não pode, portanto, mais existir o dolus bonus. 
 
DA QUALIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS, DA PREVENÇÃO E REPARAÇÃO DO DANO 
 
03. (OAB -FGV – 2010.2)Sobre o tratamento da publicidade no Código de Defesa do 
Consumidor, é correto afirmar que: 
a) a publicidade somente vincula o fornecedor se contiver informações falsas. 
b) a publicidade que não informa sobre a origem do produto é considerada enganosa, mesmo 
quando não essencial para o produto. 
c) o ônus da prova da veracidade da mensagem publicitária cabe ao veículo de 
comunicação. 
d) é abusiva a publicidade que desrespeita valores ambientais. 
 
 
Boa Viagem: Rua Visconde de Jequitinhonha, 76. tel: 34628989 e 33425049 
 Boa Vista: Rua Montevidéu, 276. Tel: 34230732. 
 falecom@espacojuridico.com 
 www.espacojuridico.com 
 
 
 
04. (OAB - FGV – 2013 – X EXAME) Elisabeth e Marcos, desejando passar a lua-de-mel em Paris, 
adquiriram junto à Operadora de Viagens e Turismo “X” um pacote de viagem, composto de 
passagens aéreas de ida e volta, hospedagem por sete noites, e seguro saúde e acidentes 
pessoais, este último prestado pela seguradora “Y”. Após chegar à cidade, Elisabeth sofreu os 
efeitos de uma gastrite severa e Marcos entrou em contato com a operadora de viagens a fim 
de que o seguro fosse acionado, sendo informado que não havia médico credenciado 
naquela localidade. O casal procurou um hospital, que manteve Elisabeth internada por 24 
horas, e retornou ao Brasil no terceiro dia de estada em Paris, tudo às suas expensas. Partindo 
da hipótese apresentada, assinale a afirmativa correta. 
a) O casal poderá acionar judicialmente a operadora de turismo, mesmo que a falha do 
serviço tenha sido da seguradora, em razão da responsabilidade solidária aplicável ao caso. 
b) O casal somente poderá acionar judicialmente a seguradora Y, já que a operadora de 
turismo responderia por falhas na organização da viagem, e não pelo seguro porque esse foi 
realizado por outra empresa. 
c) O casal terá que acionar judicialmente a operadora de turismo e a seguradora 
simultaneamente por se tratar da hipótese de litisconsórcio necessário e unitário, sob pena de 
insurgir em carência da ação. 
d) O casal não poderá acionar judicialmente a operadora de turismo já que havia liberdade 
de contratar o seguro saúde viagem com outra seguradora e, portanto, não se tratando de 
venda casada, não há responsabilidade solidária na hipótese. 
 
 
DA RESPONSABILIDADE POR VÍCIO DO PRODUTO OU DO SERVIÇO 
 
05. (OAB - FGV – 2012.1) Martins celebrou negócio jurídico com a empresa Zoop Z para o 
fornecimento de dez volumes de determinada mercadoria para entretenimento infantil. No 
contrato restava estabelecido que Martins vistoriara toda mercadoria antes da aquisição e 
que o consumidor retiraria os produtos no depósito da empresa. Considerando tal 
situação fictícia, assinale a alternativa correta à luz do disposto na Lei nº. 8.078/90, de 
acordo com cada hipótese abaixo apresentada: 
a) A garantia legal do produto independe de termo expresso no contrato, bem como é 
lícito ao fornecedor estipular que se exime de responsabilidade na hipótese de vício de 
qualidade por inadequação do produto, desde que fundada em ignorância sobre o vício. 
b) É nula de pleno direito a cláusula contratual que exonere a contratada de qualquer 
obrigação de indenizar por vício do produto em razão de ter sido a mercadoria 
vistoriada previamente pelo consumidor. 
c) O contrato poderia prever a impossibilidade de reembolso da quantia por Martins, 
bem como ter transferido previamente a responsabilidade por eventual vício do produto, 
com exclusividade, ao fabricante. 
d) A Zoop Z tem liberdade para estabelecer compulsoriamente a utilização de arbitragem, 
bem como exigir o ressarcimento dos custos de cobrança da obrigação de Martins, sem 
que o mesmo seja conferido contra o fornecedor. 
 
 
Boa Viagem: Rua Visconde de Jequitinhonha, 76. tel: 34628989 e 33425049 
 Boa Vista: Rua Montevidéu, 276. Tel: 34230732. 
 falecom@espacojuridico.com 
 www.espacojuridico.com 
 
 
 
06. (OAB - FGV – 2011.2) Ao instalar um novo aparelho de televisão no quarto de seu filho, o 
consumidor verifica que a tecla de volume do controle remoto não está funcionando bem. Em 
contato com a loja onde adquiriu o produto, é encaminhado à autorizada. 
O que esse consumidor pode exigir com base na lei, nesse momento, do comerciante? 
a) A imediata substituição do produto por outro novo. 
b) O dinheiro de volta. 
c) O conserto do produto no prazo máximo de 30 dias. 
d) Um produto idêntico emprestado enquanto durar o conserto 
 
07. (OAB – FGV – 2012.2) Determinado consumidor, ao mastigar uma fatia de pão com geleia, 
encontrou um elemento rígido, o que lhe causou intenso desconforto e a quebra parcial de um 
dos dentes. Em razão do fato, ingressou com medida judicial em face do mercado que vendeu 
a geleia, a fim de ser reparado. No curso do processo, a perícia constatou que o elemento 
encontrado era uma pequena porção de açúcar cristalizado, não oferecendo risco à saúde 
do autor. 
Diante desta narrativa, assinale a afirmativa correta. 
A) O fabricante e o fornecedor do serviço devem ser excluídos de responsabilidade, visto que o 
material não ofereceu qualquer risco à integridade física do consumidor, não merecendo 
reparação. 
B) O elemento rígido não característico do produto, ainda que não o tornasse impróprio para o 
consumo, violou padrões de segurança, já que houve dano comprovado pelo consumidor. 
C) A responsabilidade do fornecedor depende de apuração de culpa e, portanto, não tendo 
o comerciante agido de modo a causar voluntariamente o evento, não deve responder pelo 
resultado. 
D) O comerciante não deve ser condenado e sequer caberia qualquer medida contra o 
fabricante, posto que não há fato ou vício do produto, motivo pelo qual não deve ser 
responsabilizado pelo alegado defeito. 
 
PROTEÇÃO CONTRATUAL 
 
08 (OAB – FGV – 2012.3) A sociedade empresária XYZ Ltda. oferta e celebra, com vários 
estudantes universitários, contratos individuais de fornecimento de material didático, nos quais 
garante a entrega, com 25% de desconto sobre o valor indicado pela editora, dos livros 
didáticos escolhidos pelos contratantes (de lista de editoras de antemão definidas). Os 
contratos têm duração de 24 meses, e cada estudante compromete-se a pagar valor mensal, 
que fica como crédito, a ser abatido do valor dos livros escolhidos. Posteriormente, a 
capacidade de entrega da sociedade diminuiu, devido a dívidas e problemas judiciais. Em 
razão disso, ela pretende rever judicialmente os contratos, para obter aumento do valor mensal, 
ou então liberar-se do vínculo. 
Acerca dessa

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.