A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
APOSTILA QUESTÕES OAB FGV

Pré-visualização | Página 7 de 50

D) Somente existe vício de iniciativa se não tiver havido tempo razoável para o Poder Executivo 
encaminhar à Assembleia Legislativa o projeto de lei. Diante da inércia do Governador por 
diversos anos, pode a Assembleia suprir a mora, elaborando o projeto. 
 
56. (FGV – OAB – IX EXAME) O Congresso Nacional aprova tratados internacionais por meio de: 
A) Decreto. 
B) Resolução. 
C) Decreto-Lei. 
 
Boa Viagem: Rua Visconde de Jequitinhonha, 76. tel: 34628989 e 33425049 
 Boa Vista: Rua Montevidéu, 276. Tel: 34230732. 
 falecom@espacojuridico.com 
 www.espacojuridico.com 
 
 
 
D) Decreto Legislativo. 
 
57. (FGV – OAB – V EXAME) A iniciativa popular é uma das formas de exercício da soberania 
previstas na Constituição da República. O projeto de lei resultante de iniciativa popular deve: 
A) ser dirigido à Mesa do Congresso Nacional. 
B) ser subscrito por, no mínimo, 2% do eleitorado nacional. 
C) ser subscrito por eleitores de cinco Estados da Federação. 
D) dispor sobre matéria de lei ordinária. 
 
 
CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE 
 
58. (FVG – OAB – X Exame) Ajuizada uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 
requerendo expressamente que se declare inconstitucional o Art. 2º da Lei X, o Supremo 
Tribunal Federal (STF), ao apreciar o pedido, apenas declarou inconstitucional uma 
interpretação possível da norma impugnada, sem declarar sua invalidade, e determinou que 
sua decisão só acarretasse efeitos a partir do seu trânsito em julgado. 
Com base na situação acima, assinale a afirmativa correta. 
A) O STF como órgão do Poder Judiciário, por força do princípio da correlação, não poderia 
julgar de forma distinta daquela requerida pela parte autora. 
B) O STF, no controle abstrato de constitucionalidade, não está adstrito ao pedido formulado na 
inicial, podendo, inclusive, fazer uma interpretação conforme a Constituição, a despeito de 
expresso requerimento pela declaração de invalidade da norma. 
C) A modulação dos efeitos das decisões do STF em Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 
é possível, desde que com a aprovação da maioria absoluta dos seus membros. 
D) O STF não pode fixar os efeitos da decisão a partir do seu trânsito em julgado, pois, em 
conformidade com o princípio da supremacia da Constituição, a pecha da 
inconstitucionalidade contamina a lei desde a sua gênese. 
 
59. (FGV – OAB – 2010.2) A obrigatoriedade ou necessidade de deliberação plenária dos 
tribunais, no sistema de controle de constitucionalidade brasileiro, significa que: 
A) somente pelo voto da maioria absoluta de seus membros ou dos membros do respectivo 
órgão especial poderão os tribunais declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do 
Poder Público. 
B) a parte legitimamente interessada pode recorrer ao respectivo Tribunal Pleno das decisões 
dos órgãos fracionários dos Tribunais Federais ou Estaduais que, em decisão definitiva, tenha 
declarado a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo. 
C) somente nas sessões plenárias de julgamento dos Tribunais Superiores é que a matéria 
relativa a eventual inconstitucionalidade da lei ou ato normativo pode ser decidida. 
 
Boa Viagem: Rua Visconde de Jequitinhonha, 76. tel: 34628989 e 33425049 
 Boa Vista: Rua Montevidéu, 276. Tel: 34230732. 
 falecom@espacojuridico.com 
 www.espacojuridico.com 
 
 
 
D) a competência do Supremo Tribunal Federal para processar e julgar toda e qualquer ação 
que pretenda invalidar lei ou ato normativo do Poder Público pode ser delegada a qualquer 
tribunal, condicionada a delegação a que a decisão seja proferida por este órgão jurisdicional 
delegado em sessão plenária. 
 
60. (FGV – OAB – 2010.2) Declarando o Supremo Tribunal Federal, incidentalmente, a 
inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal em face da Constituição do Brasil, caberá: 
A) ao Procurador-Geral da República, como chefe do Ministério Público da União, expedir atos 
para o cumprimento da decisão pelos membros do Ministério Público Federal e dos Estados. 
B) ao Presidente da República editar decreto para tornar inválida a lei no âmbito da 
administração pública. 
C) ao Senado Federal suspender a execução da lei, total ou parcialmente, conforme o caso, 
desde que a decisão do Supremo Tribunal Federal seja definitiva. 
D) ao Advogado-Geral da União interpor o recurso cabível para impedir que a União seja 
compelida a cumprir a referida decisão. 
 
61. (FGV – OAB – 2010.3) O Governador de um Estado membro da Federação pretende se 
insurgir contra lei de seu Estado editada em 1984 que vincula a remuneração de servidores 
públicos estaduais ao salário mínimo. Os fundamentos de índole material a serem invocados 
são a ofensa ao princípio federativo e a vedação constitucional de vinculação do salário 
mínimo para qualquer fim. 
A ação constitucional a ser ajuizada pelo Governador do Estado perante o Supremo Tribunal 
Federal, cuja decisão terá eficácia contra todos e efeito vinculante relativamente aos demais 
órgãos do Poder Público, é a(o) 
A) ação direta de inconstitucionalidade. 
B) mandado de injunção. 
C) ADPF. 
D) mandado de segurança coletivo. 
 
62. (FGV – OAB – IV EXAME) Em relação ao controle de constitucionalidade em face da 
Constituição Estadual, assinale a alternativa correta. 
A) Compete aos Estados a instituição de representação de inconstitucionalidade de leis ou atos 
normativos estaduais ou municipais em face da Constituição Estadual, reconhecida a 
legitimação para agir aos mesmos órgãos e entidades legitimados a propositura de ação direta 
de inconstitucionalidade. 
B) A decisão do Tribunal de Justiça que declara a inconstitucionalidade de lei local em face da 
Constituição Estadual é irrecorrível, ressalvada a oposição de embargos declaratórios. 
C) Não ofende a Constituição da República norma de Constituição Estadual que atribui 
legitimidade para a propositura de representação de inconstitucionalidade aos Deputados 
Estaduais e ao Procurador-Geral do Estado. 
 
Boa Viagem: Rua Visconde de Jequitinhonha, 76. tel: 34628989 e 33425049 
 Boa Vista: Rua Montevidéu, 276. Tel: 34230732. 
 falecom@espacojuridico.com 
 www.espacojuridico.com 
 
 
 
D) Não é possível o controle de constitucionalidade no plano estadual, no modo concentrado, 
se a norma constitucional estadual tomada como parâmetro reproduzir idêntico conteúdo de 
norma constitucional federal. 
 
63. (FGV – OAB – IV EXAME) As alternativas a seguir apontam diferenças entre a ADI e a ADC, À 
EXCEÇÃO DE UMA. Assinale-a. 
A) Rol de legitimados para a propositura da ação. 
B) Objeto da ação. 
C) Exigência de controvérsia judicial relevante. 
D) Manifestação do Advogado-Geral da União. 
 
64. (FGV – OAB – V EXAME) Se Governador de Estado desejar se insurgir contra súmula 
vinculante que, a seu juízo, foi formulada com enunciado normativo que extrapolou os limites 
dos precedentes que a originaram, poderá, dentro dos instrumentos processuais constitucionais 
existentes, 
A) ajuizar ADI contra a súmula vinculante. 
B) ajuizar ADPF contra a súmula vinculante. 
C) interpor reclamação contra a súmula vinculante. 
D) requerer o cancelamento da súmula vinculante. 
 
65. (FGV – OAB – VI EXAME) NÃO pode ser objeto de ação direta de inconstitucionalidade 
A) decreto que promulga tratado. 
B) decreto legislativo que aprova tratado. 
C) resolução. 
D) súmula vinculante. 
 
66. (FGV – OAB – VI EXAME) Suponha que o STF, no exame de um caso concreto (controle

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.