A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
ESTUDOS DE SANEMARNTO 9 SEMETRE AU UNIP

Pré-visualização | Página 1 de 5

MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS
Em virtude do crescimento da população ocorre uma demanda maior por bens de consumo e consequentemente pelo uso de recursos naturais. Sabendo-se que parte destes recursos são repostos por processos naturais, após a sua utilização e parte não podem ser repostos, ou seja, estão limitados a quantidade existente no planeta, como podem ser classificados os recursos naturais?
renováveis e não renováveis
Em virtude do aumento, pela população, da demanda por bens de consumo, a quantidade de lixo tem aumentado de forma significativa, acarretando a saturação dos aterros sanitários. Visando aumentar a vida útil dos aterros, é necessário que a comunidade faça uso de meios que visem reduzir a quantidade de lixo gerado e quantidade de lixo a ser encaminhada aos aterros sanitários. Dentre os meios disponíveis podemos citar:
reciclagem, incineração e compostagem
Em Ecologia, um biótopo é uma região que apresenta regularidade nas condições ambientais e nas populações animais e vegetais. Corresponde à menor parcela de um habitat, que é possível discernir geograficamente. Portanto, podemos definir biótopo como sendo:
conjunto dos animais
A estrutura e o funcionamento dos ecossistemas planetários mudaram mais rápido na segunda metade do século XX do que em qualquer outro período da história da humanidade. Entre 1960 e 2000, a demanda pelos serviços do ecossistema cresceu consideravelmente, principalmente em virtude da duplicação da população mundial que atingiu 6,8 bilhões de habitantes. Considerando que os processos de transformação dos insumos em bens de consumo não são 100% eficientes, com o crescimento da população e a necessidade maior por bens de consumo, teremos:
Maior geração de resíduos poluindo o meio ambiente
Em um determinado rio, onde há um ecossistema equilibrado, com população de peixes, plânctons, bactérias, entre outros, foi lançada uma quantidade x de matéria orgânica.
A população de bactérias irá consumir essa matéria orgânica toda e, consequentemente, aumentar em número. O aumento dessa população irá elevar o consumo de oxigênio,
deixando as populações de peixes sem a mesma oferta de oxigênio. Consequência: mortandade dos peixes, ou seja, desequilíbrio do ecossistema. Se mais nenhuma matéria
orgânica for lançada, a população de bactérias não terá o que comer e, então, diminuirá. As atividades de movimentação das águas e de fotossíntese se encarregarão de
incorporar mais oxigênio à água, cessando, assim, a mortandade de peixes e restaurando novamente o equilíbrio do ecossistema. Se nova quantidade de matéria orgânica
for lançada, o processo de desequilíbrio recomeçará.
 Logo, o desequilíbrio do sistema não é o problema em si, mas, sim:
a frequência com que ele ocorre e o tempo que o ecossistema leva pra retornar ao estado de equilíbrio.
No seu livro “Pelos Quintais de Sarandi: ecologia urbana e planejamento ambiental”, Angeoletto, diz: 
 “O ecólogo barcelonês Jaume Terradas caracteriza as cidades como ecossistemas heterotróficos, dissipativos, que se organizam aumentando
a entropia no restante do planeta. Ao contrário dos ecossistemas autotróficos (essencialmente estruturados por cadeias alimentares compostas
por organismos fotossintéticos que convertem energia solar em energia química, a qual alimenta grupos de organismos heterótrofos),
os ecossistemas heterotróficos (também denominados de ecossistemas incompletos) dependem de grandes áreas externas para a obtenção de
energia, alimentos, fibras e outros materiais (ODUM, 1988). Pickett (et al, 2004) define a cidade como um sistema ecológico, onde humanos e
processos socioambientais estão combinados em uma rede de interações recíprocas.”
Pelo trecho acima observamos que as cidades não são sistemas autossuficientes, onde toda a energia consumida é produzida ali mesmo. Elas dependem,
definitivamente, de outras áreas para obter sua energia. Dentro deste contexto alguns termos são significativos, é o caso do termo “pegada ecológica”, que significa:
o total da área de terra produtiva e água requerida permanentemente para produzir todos os recursos consumidos e absorver os dejetos produzidos por determinada população.
As pessoas vivem mais, casam-se mais tarde e têm menos filhos; com isso, o número de domicílios passou a ser cada vez maior, pois
mais pessoas passaram a viver sozinhas. Olhando para o mercado imobiliário agora, percebe-se que a tendência é que as unidades
habitacionais sejam cada vez menores. Uma menor utilização de área por unidade leva a um maior número de habitações nas
cidades, elevando mais ainda a taxa da população. A consequência desse inchamento das grandes cidades é o aumento da taxa de
consumo e, com isso, o aumento:   
(marcar a alternativa que possui a resposta mais completa)
Da pegada ecológica.
ATIVIDADES HUMANAS E AS MUDANÇAS AMBIENTAIS GLOBAIS
Nas grandes cidades circulam atualmente uma grande quantidade de veículos, lançando diariamente na atmosfera gases produzidos pela queima de combustíveis fósseis, como por exemplo o petróleo e o óleo diesel. Este problema tem provocado o aumento na taxa de evaporação de água e o aumento das precipitações, bem como, alterações no equilíbrio do ecossistema. Face ao exposto podemos dizer que, estes gases lançados na atmosfera, são os principais responsáveis por:
efeito estufa
Nas grandes cidades, podemos observar no horizonte, a olho nu, uma camada de cor cinza formada pelos poluentes. Estes são resultado da queima de combustíveis fósseis pelos automóveis e caminhões, derivados principalmente do petróleo (gasolina e diesel). Este fenômeno climático pode ocorrer em qualquer dia do ano, porém é no inverno que ele é mais comum e afeta diretamente a saúde das pessoas, principalmente das crianças, provocando doenças respiratórias. No inverno a camada de ar frio por ser mais pesada acaba descendo e ficando numa região próxima à superfície terrestre, retendo os poluentes. O ar quente, por ser mais leve, fica numa camada superior impedindo a dispersão dos poluentes. Tendo como base a caracterização do fenômeno, feita anteriormente, podemos definir o mesmo como:
inversão térmica
Assinale a alternativa cujo gás não é considerado um Gás do Efeito Estufa (GEE):
Ozônio (O3)
Considerando a interação existente entre os ecossistemas aquáticos e terrestres, o lançamento de resíduos no solo acarretará a poluição também da água, superficial e subterrânea. A poluição pode ocorrer por substâncias orgânicas biodegradáveis, não biodegradáveis e por substâncias inorgânicas. Dentre as substâncias listadas abaixo, assinale a alternativa que indica uma substância orgânica biodegradável.
Despejo de resíduos de matéria prima de uma fábrica de cerveja.
IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS - EROSÃO E DESLIZAMENTO; OCUPAÇÃO DE ÁREAS DE RISCO
Considerando que a erosão do solo pode ser oriunda de causas naturais, como a ação do vento e chuvas, ou proveniente da ação do homem, principalmente através da ocupação irregular retirando a proteção do solo e de desmatamentos e queimadas, quais as ações preventivas poderiam ser tomadas para evitar o assoreamento dos cursos de água em virtude do solo carreado pelas chuvas?
preservação da vegetação em encostas e margens dos cursos de água
O crescimento urbano cria muitas demandas e uma grande disputa por recursos, tais como, água, esgoto, luz, telefone, asfalto, transporte, segurança e habitação. Paralelamente as migrações trazem populações de baixo nível e baixo poder de mobilização política, provocando a ocupação de áreas impróprias devido à valorização da terra. Em função do exposto há necessidade de serem tomadas medidas não estruturais corretivas, visando proteger a vida das pessoas, em função de deslizamentos. Portanto, responda qual das medidas abaixo seria mais adequada.
deslocamento da população através da compra e desapropriações de terrenos
O crescimento urbano cria muitas demandas e uma grande disputa por recursos, tais como, água, esgoto, luz,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.