A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Arquitetura Hosp 2

Pré-visualização | Página 1 de 1

1.
		Um projeto que rompeu com o sistema pavilhonar baseado na teoria dos miasmas e adotou um partido em blocos mais funcional, menos oneroso e com circulações internas bem definidas foi:
	
	
	
	o Hospital de Cardiologia de São Paulo, de Nuno Borges.
	
	
	o Hospital Geral de Maceió, de Carlos Alberto Braga.
	
	
	o Hospital Getúlio Vargas de Brasília, de Oscar Niemeyer.
	
	
	o Hospital do Amparo de Salvador, de Lucio Costa.
	
	
	o Hospital da Brigada Militar de Recife, de Luis Carlos Nunes.
	
	
	
	 
		
	
		2.
		Verifica-se que no início do Século XX, fase contemporânea, onde constatamos que ocorreu um verdadeiro rompimento em termos organizacionais dos hospitais, especialmente entre o que existiu com os hospitais medievais e o novo conceito assistencial ora implementado. Assim, marque a única alternativa que não corresponde a este processo de ruptura organizacional dos novos hospitais.
	
	
	
	Os hospitais assumem a missão específica de cuidado com a saúde.
	
	
	Mesmo em âmbito hospitalar, o conceito de produção em massa está classicamente evidenciado nestes novos procedimentos.
	
	
	Inicia-se o processo de administrações hospitalares descentralizadas.
	
	
	O cuidado com os pacientes deixam de ser realizados por uma única pessoa e adota-se o princípio do trabalho em equipe.
	
	
	Mesmo no século XX os hospitais não conseguiram implementar um novo conceito de tratamento de pacientes, aglutinando-os com as pessoas sem moradias e, até mesmo, com condenados pela justiça.
	
Explicação:
No século XX surgiram os hospitais com novos conceitos, desde seu processo de descentralização administrativa, até mesmo com o processo de tratamento por equipes especializadas. Neste contexto, o século XX deixa de lado o hospital como local apenas para abrigar doentes e outras pessoais que estavam à margem da sociedade.
	
	
	
	 
		
	
		3.
		Verificamos que a questão da humanização dos edifícios hospitalares é bem antiga. Já no final do Século XVIII os europeus começaram a tratar deste processo de forma efetiva. O hospital passa, então, com o novo conceito terapêutico de humanização a ter novo desafio em sua concepção. Neste sentido é correto afirmar:
	
	
	
	Os arquitetos se apropriam deste novo desafio em seus projetos hospitalares.
	
	
	Verificamos que, apesar de todo o conceito de humanização dos atendimentos hospitalares, não houve uma mudança conceitual nas intervenções arquitetônicas.
	
	
	Neste período, não há uma grande alteração conceitual nos projetos arquitetônicos.
	
	
	Fica evidenciado neste contexto a falta de participação dos arquitetos nos novos projetos hospitalares.
	
	
	Nenhuma das opções acima poderá ser considerada como correta.
	
Explicação:
Esta nova proposta terapêutica, com hospitais acolhedores no sentido de garantir uma assistência humanizada e não apenas de ser instituições de assistência aos pobres e de exclusão social, logo assumindo também a missão de curar. Assim, um grande desafio foi assumido pelos arquitetos, onde os mesmos puderam entender esta nova forma de tratar dos pacientes, projetando espaços mais confortáveis e acolhedores.
	
	
	
	 
		
	
		4.
		Os serviços de saúde no Nordeste brasileiro tiveram uma importante contribuição do arquiteto Luis Carlos Nunes no chamado Movimento do Recife por meio do Departamento de Arquitetura e Urbanismo (DAU). Sob esse prisma, uma de suas obras, o Hospital da Brigada Militar de Recife, merece um importante destaque porque:
	
	
	
	foi muito arrojado para a época por utilizar técnicas construtivas avançadas e base de cálculos complexas, o que possibilitou que o calculista pernambucano Joaquim Cardozo se tornasse posteriormente o calculista de Oscar Niemeyer.
	
	
	inspirado no Hotel-Dieu de Lyon, dispunha de pavilhões em ordem paralela com um deles destinado aos enfermos.
	
	
	teve sucesso na sua funcionalidade apesar do partido predominantemente vertical devido a falta de espaço que tinha o terreno para sua construção.
	
	
	rompeu com o sistema pavilhonar baseado na teoria dos miasmas e adotou um partido em blocos mais funcional, menos oneroso e com circulações internas bem definidas.
	
	
	retardou descobertas da medicina quanto à identificação dos vetores de transmissão de diversas doenças contagiosas.
	
	
	
	 
		
	
		5.
		Marque abaixo a opção que corresponde a grande influência na construção dos primeiros hospitais na Europa:
	
	
	
	Influência do Capitalismo
	
	
	Influência do Socialismo
	
	
	Influência da Reforma Protestante
	
	
	Influência do Cristianismo
	
	
	Influência do Feudalismo
	
Explicação:
Os primeiros hospitais apareceram na Europa, no século IV aproximadamente, sob a influência do Cristianismo. Servindo tanto como refúgio para viajantes como para abrigar doentes. Posteriormente uma regra imposta pela Igreja, obrigava as paróquias a abrigarem os doentes.
	
	
	
	 
		
	
		6.
		Lugar para tratar doentes, asilo, é:
	
	
	
	Nosocomium, na terminologia grega ou latina.
	
	
	Nadocomium, na terminologia russa ou italiana.
	
	
	Nosomium, na terminologia grega ou egípcia.
	
	
	Nasocomium. na terminologia egípcia ou árabe.
	
	
	Nasecomium, na terminologia árabe ou latina.
	
	
	
	 
		
	
		7.
		Os Hospitais antigos eram edifícios pavilhonares, com corredores enormes que exigiam grande deslocamento dos usuários. Não existiam conceitos arquitetônicos como nos hospitais atuais. Porém, a organização dos espaços adotava alguns critérios que permanecem até os dias de hoje. Em relação às enfermarias, as mesma eram distribuídas por:
	
	
	
	Especialidade médica, nível de urgência e tipo de enfermidade.
	
	
	Idade, patologia e nível de urgência.
	
	
	Tipo de enfermidade, sexo e idade.
	
	
	Sexo, idade e especialidade médica.
	
	
	Sexo, tipo de enfermidade e especialidade médica.
	
	
	
	 
		
	
		8.
		A reorganização das normas para edificação hospitalar pelo Ministério da Saúde desde a década de 70 e a fundação da Associação Brasileira para Desenvolvimento do Edifício Hospitalar - ABDEH é um exemplo de:
	
	
	
	resultado de um esforço único para melhoria das instalações prediais no Brasil.
	
	
	resultado de um amadurecimento da sociedade brasileira acerca dos aspectos epidemiológicos.
	
	
	resultado de uma compilação de dispositivos legais acerca da qualidade das edificações brasileiras.
	
	
	resultado de uma legislação mais focada na saúde brasileira.
	
	
	resultado da evolução dos edifícos de Saúde no Brasil.