A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Higiene Ocupacional 24 D3 U3 - Atividade 1 - Ana Carolina Alves de Oliveira Campos

Pré-visualização | Página 1 de 2

���
���
�
Curso: HIGIENE OCUPACIONAL – TURMA 24
Tutor(a): Alexandre Silva
Disciplina: 3 – Agentes Químicos
Unidade: 3 – Riscos Respiratórios
Aluno/Grupo: Ana Carolina Alves de Oliveira Campos/Turma 24
Enunciado da Atividade
partir de seu conhecimento construído nesta unidade, responda as questões abaixo:
1.      Ao se avaliar a concentração de chumbo numa oficina de recuperação de baterias, encontrou-se os seguintes valores:
Número da amostra Concentração (mg/m³)
	Número da Amostra
	Concentração (mg/m³)
	1
	0,5
	2
	1,0
	3
	1,0
	4
	0,5
	5
	0,5
	6
	0,5
	7
	1,0
	8
	1,0
	9
	1,0
	10
	0,5
O limite de tolerância foi ultrapassado? Qual é o nível de ação para esta situação?
2.             Um solvente se evaporou numa sala, gerando 51,3 litros de vapor. A sala tem dimensões de 12 x 10 x 8 m. Assumindo que não tenham ocorrido alterações do ar da sala, qual é a concentração aproximada do contaminante na sala em partes por milhão?
3.      Qual é o principal objetivo da avaliação ambiental de um agente químico? Qual é a diferença conceitual entre avaliação e amostragem?
4.      Quais são os critérios básicos para montar um GES - Grupo de Exposição Similar (GES é a nomenclatura mais atualizada do GHE – Grupo Homogêneo de Exposição)? Como você identifica o EMR – Exposto de Maior Risco dentro de um GES?
5.      Caracterização Básica é um conceito presente no livro de Estratégia de Amostragem da AIHA, e representa um processo inicial de conhecimento, em higiene ocupacional, que vai permitir a estruturação das amostragens para todos os trabalhadores de uma empresa. Quais são as variáveis que devem ser consideradas na Caracterização Básica? O que é e qual é a importância de se elaborar uma estratégia de amostragem de agentes ambientais?
6.      Qual é a forma amostral menos apropriada para estimar a exposição média ponderada para um período de 8 horas? Por quê?
 
7.      Em uma mineradora de calcário foi realizada uma amostragem de poeira respirável em um operador de carregadeira, de acordo com os seguintes dados:
Vazão inicial = 1,7 l/min.
Vazão final = 1,6 l/min.
·        Tempo de amostragem = 6 horas e 50 minutos;
·        Peso inicial do filtro = 10,30 mg
·        Peso final do filtro = 12,05 mg
·        Percentual de sílica fornecido pelo laboratório = 1,2
De posse dos dados acima, calcular a concentração de poeira neste ambiente. O limite de tolerância foi ultrapassado, nos termos da legislação brasileira? Qual é a concentração específica de sílica livre? O limite de exposição a este agente foi ultrapassado?
8.      Em uma oficina mecânica foi feita uma avaliação de fumos metálicos em um soldador. Foram obtidas as seguintes concentrações para os elementos Ferro, Manganês e Chumbo, de acordo com os seguintes dados:
•         Tempo de coleta = 330 minutos.
•         Vazão média = 1,5 l/min.
•         Massa de Ferro fornecida pelo laboratório = 0,296 mg.
•         Massa de Manganês fornecida pelo laboratório = 0,016 mg.
•         Massa de Chumbo fornecida pelo laboratório = 0,005 mg.
Os limites foram ultrapassados? E os respectivos níveis de ação?
9.     Realizadas avaliações em um empregado que trabalha em um laboratório de produtos químicos, constatou-se que havia exposição aos agentes químicos nas seguintes concentrações:
	AGENTE
	 
CONCENTRAÇÃO (PPM)
	Éter Etílico
	350
	Fluoreto de Carbonila
	1
	Hexeno
	40
	Metil Clorofórmio
	290
a)    De acordo com a ACGIH, O LT de tolerância (TLV-TWA) de algum agente foi ultrapassado? (Considerar exposição diária de 8 horas e 44 horas semanais)!
 
b)    Usando o conceito do Efeito Combinado, a exposição deste trabalhador é aceitável? Explique.
 
10.      Ao avaliar a concentração de amônia em uma fábrica de explosivo, verifica-se que o trabalhador fica exposto: 3 horas a 10 ppm e 5 horas a 25 ppm. O limite de tolerância fixado pelo anexo 11 da NR-15 foi ultrapassado? E o limite de exposição estabelecido pela ACGIH?
 
11.      Quando existe o TLV-STEL (LTce), ele complementa o TLV-TWA (LTmp), permitindo que o valor do TLV-TWA seja superado. Quais são as regras que limitam esta superação do TLV-TWA? A partir destas regras, como você interpreta a exposição mostrada na figura abaixo?
�
 Resposta da Atividade
De acordo com a NR-15 o limite de tolerância para o chumbo é 0,1 mg/m3 e conforme a ACGIH é 0,05 mg/m3, de maneira que as amostras ultrapassaram o valor do limite máximo estabelecido pela NR-15, onde VM = 0,3mg/m3, sendo que tal valor não pode ser ultrapassado em nenhum momento da jornada de trabalho. A situação exige um controle imediato da exposição, incluindo cessação das atividades se necessário.
Neste caso, sendo o nível de ação igual a 50% do nível de tolerância, o nível de ação para o chumbo é de 0,05 mg/m³.
Volume da sala = 12 X 10 X8 = 960m³
51,3 L= 0,0513m³
% vapor na sala = 0,00534375%
0,00534375% = 53,4375 ppm
Concentração aproximada de vapor = 53,4375 ppm
 Logo, após ser alcançado o equilíbrio, ou seja, após a evaporação de todo o solvente, a concentração de solvente no interior da sala será de 53,4 ppm.
Podemos afirmar que uma avaliação ambiental de um agente químico constitui a avaliação de uma exposição potencial, ou seja qual a quantidade do agente químico que pode alcançar os organismos vivos. Já a diferença conceitual entre avaliação e amostragem encontra-se no fato de que a avaliação é caracterizada pelas ações necessárias para se realizar uma especificação, um detalhamento completo de um certo ambiente ou da exposição ocupacional. No que se refere à amostragem, podemos afirmar que se trata da coleta de amostras que vão servir de base para a avaliação.
Os GES - Grupos de Exposição Similar são caracterizados basicamente pela observação e conhecimento do processo, bem como das exposições que ocorrem nos ambientes de trabalho. Dessa forma, é possível reunir os colaboradores em grupos que detém o mesmo perfil de exposição a determinado agente. A fim de identificar os GES, temos algumas etapas a serem seguidas, que incluem o começo da análise numa mesma função laboral, partindo do suposto que há chance de exposição associada; atenção com os desvios de função não se atendo ao nome do cargo, mas sim no procedimento operacional padrão; realização de uma entrevista detalhada com os encarregados de turno, buscando conhecer a realização das atividades bem como quem as realiza; atenção se nas funções há subgrupos com atividades diferenciadas (constituirão GES distintos); atente-se às variantes entre turnos, as quais incluem ambientes, operações e equipamentos, por exemplo. Os GES são constituídos sempre numa mesma edificação ou sítio operacional, de maneira que não se podem agrupar colaboradores que estejam em locais distintos
Com relação ao EMR - Exposto de Maior Risco, haverá determinação do mesmo por possuir uma ou mais das características em questão: exercício das atividades próximo à fonte do agente ou ambiente onde ocorre maior concentração ou intensidade aparente do agente em questão ou tempo prolongado de exposição ou rotinas operacionais geradoras de maior exposição ao agente. Existe ainda uma ferramenta estatística para determinação do EMR, descrita pelo NIOSH, sendo procedimento em casos que o EMR não puder ser evidenciado na observação. Contudo, normalmente exige grande quantidade de amostras, e a caracterização referencial de um GES pode envolver um número menor de amostras.
As variáveis a serem observadas na Caracterização Básica são três: o ambiente de trabalho; os indivíduos expostos; os agentes ambientais. A importância de se elaborar uma estratégia de amostragem é justificada pelo fato de que a pura mensuração não garante a certeza da situação de exposição.
No caso em questão Amostras de Período Parcial seriam as menos adequadas, devido ao fato de se tratar de uma ou mais amostras que não suprem integralmente a base de tempo

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.