Demonstração do Fluxo de Caixa
1 pág.

Demonstração do Fluxo de Caixa


DisciplinaAdministração143.881 materiais1.031.819 seguidores
Pré-visualização1 página


DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA


O que é?

Com sigla DFC, a Demonstração do Fluxo de Caixa é um relatório contábil, que tem por objetivo apresentar as entradas e saídas de dinheiro do caixa de uma empresa, além dos resultados de tal fluxo.

Na prática, a DFC costuma ser chamada de Demonstrativo (em vez de demonstração) do fluxo de caixa, e auxilia no entendimento e na análise do potencial de uma determinada empresa de gerar caixas (ou seus equivalentes) em um período de tempo, através de seus pagamentos e de seus recebimentos em dinheiro.

Além disso, a DFC deve detalhar a origem dos recursos obtidos por uma empresa e a forma como os mesmos são aplicados.



Pré-visualização de imagem de arquivo
Pessoa elaborando uma DFC


Quando é feita?

A Demonstração de Fluxo de Caixa deve ser feita, em caráter obrigatório e por força de lei, para alguns tipos de empresas. Por exemplo:


  • Em sociedades de capital aberto ou com patrimônio líquido (PL) acima de R$: 2.000.000,00, a lei nº 11.638, feita em 2007 e que entrou em vigor em 2008, obriga a DFC;
  • No caso de pequenas e médias empresas, a Norma Brasileira de Contabilidade, a determinação encontra-se na NBC TG 1000.

No que se refere à sua periodicidade, é preciso apresentar a DFC ao menos anualmente, em conjunto com outros relatórios contábeis que fazem parte do balanço empresarial.


Qual a importância?

Conforme citado anteriormente, a demonstração de fluxo de caixa auxilia na gestão financeira da empresa. Além disso, permite um maior controle no que se refere ao planejamento financeiro da mesma. Isso ocorre, por exemplo, em função de a demonstração permitir que se identifique períodos de sobra e de escassez de recursos, o que deve garantir duas coisas principais:


  • Que haja dinheiro disponível a fim de cumprir as obrigações, dentro do prazo; e
  • Que as tomadas de decisões sejam mais fáceis, tendo informação a respeito.

O caráter obrigatório se explica pelo fato de a demonstração de fluxo de caixa auxiliar nas análises e auditorias, permitindo a identificação de erros e mesmos fraudes contábeis.


Como é elaborada?

Uma demonstração de fluxo de caixa pode ser elaborada por dois métodos principais:


  • Método direto: faz uso dos valores reais, a saber:
  • Recebimentos dos clientes;
  • Pagamento dos fornecedores; e
  • Pagamentos de despesas.

Isto é, leva em consideração as entradas e saídas brutas de recursos.


  • Método indireto: faz uso do ajuste do lucro líquido, levando em conta as variações das contas patrimoniais relacionadas com a Demonstração de Resultado do Exercício (DRE).

Neste caso, não são levados em conta os recebimentos e pagamentos reais.

Desta forma, os métodos direto e indireto são diferentes quanto ao grupo das atividades operacionais.


Qual é sua estrutura?

É estabelecido, pelas normas contábeis, uma estrutura comum para a elaboração da Demonstração de Fluxo de Caixa. O padrão da DFC existe a fim de possibilitar que se compare o desempenho de diferentes empreendimentos.

As regras em questão foram elaboradas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis, estando presentes no Pronunciamento Técnico CPC 03. Três atividades principais dão a base para sua estruturação:


Atividades operacionais

Atividades operacionais são aquelas relacionadas aos fluxos resultantes do movimento de recursos da empresa por sua principal atividade, representada por:


  • Produção; e
  • Entrega,

dos bens e serviços da empresa.

Nas atividades operacionais, estão incluídos dados:


  • Da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE); e
  • Do Balanço Patrimonial.

Trata-se das transações relacionadas a:


  • Receitas;
  • Pagamento de fornecedores;
  • Pagamentos à vista;
  • Pagamento de impostos;
  • Custos e despesas;
  • Contas a receber ou a pagar de transações a prazo;
  • Dentre outros.


Atividades de investimento

São aquelas ligadas ao uso da empresa de suas sobras de caixa objetivando obter benefícios futuros.

Isso envolve a aquisição de aplicações, e inclui transações de compra e de venda ligadas ao ativo não circulante do balanço.


Atividades de financiamento

Correspondem àquelas nas quais a empresa empresta recursos de terceiros (ou até de seus proprietários), quando há escassez de dinheiro em caixa. Inclui:


  • Aumentos de capital;
  • Recompra de papéis;
  • Novas ações;
  • Entre outros.



Pré-visualização de imagem de arquivo
Moedas representando as movimentações financeiras.


Como se calcula o resultado?

O resultado da Demonstração de Fluxo de caixa é a soma dos resultados líquidos, os quais são apurados para cada um dos grupos.

É considerada, ainda, a diferença de saldos no período considerado.