Injúria Renal Aguda
1 pág.

Injúria Renal Aguda


DisciplinaBiologia Experimental716 materiais1.192 seguidores
Pré-visualização1 página


Injúria renal aguda

A injúria renal aguda, também conhecida como insuficiência renal aguda, é uma perda abrupta das funções do rim que se desenvolve no período de sete dias. Cada ser humano possui dois rins, órgãos excretores responsáveis por filtrar o sangue e expelir os dejetos junto à agua na urina, que é armazenada na bexiga. As taxas de mortalidade por conta desse problema são altas: 20% dos pacientes não resistem. Nos casos de internação em unidades de tratamento intensivas (UTI), as taxas são ainda maiores, chegando a 50%. Estima-se que, a cada ano, por volta de dois milhões de pessoas morram por conta de injúria renal aguda no mundo todo.



Pré-visualização de imagem de arquivo
Representação dos rins


Sintomas

Como os rins não funcionam normalmente há acúmulo, na corrente sanguínea, de ureia e outras substâncias que contém nitrogênio que deveriam ser filtradas, levando ao aparecimento de sintomas como a fadiga, a perda de apetite, dor de cabeça, confusão, pernas inchadas, náusea e vômito. O aumento no nível de potássio, por sua vez, ocasiona alterações no ritmo cardíaco e na pressão sanguínea. Pode também haver dor na lateral do torso, como, por exemplo, quando os rins se encontram inflamados. Em casos onde há complicações, pode haver acidose metabólica - ou seja, um distúrbio no equilíbrio ácido-base do organismo, tornando o sangue excessivamente ácido - ou edema pulmonar.


Causas

As causas podem ser tanto pré-renais, quanto intrínsecas ao rim ou pós-renais, entretanto ambos os rins precisam ser afetados, já que é perfeitamente possível manter o funcionamento normal do corpo apenas com um. As causas pré-renais dizem respeito àquelas que diminuem o fluxo de sangue dos rins, ocasionando uma redução na sua capacidade de filtragem do sangue. Estão entre elas: diminuição do volume de sangue, como, por exemplo, em casos de desidratação, diminuição da pressão sanguínea, problemas cardíacos, cirrose do fígado e alterações nas veias que suprem os rins. Já nas causas intrínsecas, os danos estão diretamente ligados aos rins, como na glomerulonefrite, na necrose tubular aguda, na nefrite intersticial aguda ou graças ao uso de cercos medicamentos, por exemplo. Por fim, têm-se as causas pós-renais, ou seja, que se encontram após os rins, frequentemente ocasionadas por conta de obstrução urinária resultantes de uma hiperplasia prostática benigna, pedras nos rins, cateter urinário obstruído ou câncer na bexiga, uretra ou próstata.


Diagnóstico e Tratamento

Em 2012, a KDIGO (Kidney Disease Improving Global Outcomes) introduziu uma série de rígidos critérios para a identificação da injúria renal aguda, como, por exemplo, o quanto de aumento nos níveis de creatinina no período de 48 horas e no período de uma semana podem ser considerados como um indício do mal funcionamento dos rins e sua capacidade de filtrar ou, também, qual o volume de urina adequado para uma pessoa saudável no período de seis horas. Para definir o estágio em que se encontra a injúria, a ADQI (Acute Dialysis Quality Initiative) propôs o critério RIFLE, baseado nos níveis de creatinina e no volume de urina, separando, de acordo com os resultados em grupos de risco, injúria, falência dos rins, perda completa da função dos rins e estágio final, quando há completa perda das funções dos rins por mais de três meses. Ou seja, quanto menor o volume de urina e quanto maiores os níveis de creatinina, mais debilitados estão os rins. Os principais objetivos do tratamento são prevenir que o caso evolua para problemas cardíacos tratando as causas do mau funcionamento, sejam elas pré-renais, intrínsecas ou pós-renais. Evitam-se, nesses casos, as nefrotoxinas, toxinas que afetam diretamente os rins, tais como o ibuprofeno, contrastes iodados utilizados em tomografias e alguns tipos antibióticos. Nos casos pré-renais, busca-se aumentar o volume de sangue bombeado aos rins por meio da administração de fluidos intravenosos e até mesmo utilizando medicamentos que aumentem a pressão sanguínea, nos casos intrínsecos, se pode usar esteroides ou diuréticos e nas causas pós-renais busca-se aliviar as causas da obstrução urinária por meio de cirurgia ou cateter. Em alguns casos, a hemodiálise pode ser efetuada, ou seja, a filtragem do sangue fora do organismo por meio de uma máquina.



Pré-visualização de imagem de arquivo
Hemodiálise