Classificação dos Antioxidantes
1 pág.

Classificação dos Antioxidantes


DisciplinaBiologia Experimental719 materiais1.203 seguidores
Pré-visualização1 página

Classificação dos antioxidantes


Introdução



HTML image 0
Exemplos de estrutura de antioxidantes sintéticos

Temos que os antioxidantes são considerados como uma uma pluralidade de substância de característica heterogênea, que visam formar vitaminas, pigmentos naturais, minerais e outros compostos vegetais, assim como, a constituição de enzimas, que tem por objetivo bloquear o efeito danoso dos radicais livres.

Em uma análise mais aberta, podemos observar que os antioxidantes teriam por função o impedimento da oxidação de outras substâncias químicas que possam ocorrer através de fatores exógenos ou até mesmo por reações metabólicas. Sua obtenção é proveniente de alimentos, em que os vegetais são uma das maiores fontes, justificando o fato de existirem inúmeras recomendações sobre uma alimentação rica em legumes, hortaliças, cereais integrais e frutas.


Estudos sobre os antioxidantes

Os estudos sobre os antioxidantes estão sempre em pauta, visto que eles possuem papel importante nas indústrias e, justamente por isso, seu estudo é amplamente divulgado e minucioso.

Na história de retardamento das reações oxidativas por alguns compostos, teve sua origem com Claude Berthollet, no fim do século XVIII, e depois foi aprimorado por Humphry Davy, no início do século XIX.

Por muitos anos a rancificação de gorduras ficou desconhecida, somente após Duelaux demonstrar que todo o oxigênio atmosférico era o maior agente causador de oxidação do ácido graxo livre, que, de fato, veio o reconhecimento e divulgação. Temos também que a oxidação de triglicerídeos que possuíam um alto teor de insaturação, tinha a capacidade de provocar um odor co0m característica de ranço em óleo de peixe.


Como se deu o desenvolvimento dos estudos dos antioxidantes?

O conhecimento que se tem nos dias atuais sobre os antioxidantes é fruto de um processo histórico que se tiveram as principais descobertas no período da I Guerra Mundial, em que os cientistas se propuseram a testar as atividades antioxidantes em mais de 500 compostos. Com essa pesquisa realizada, ainda de forma mais básica, houve a possibilidade deles observarem que ela, junto a importância da oxidação nas operações de manufatura, proporcionou uma busca demasiada por aditivos químicos para que fosse possível controlar qualquer tipo de oxidação.


Propriedades importantes para selecionar os antioxidantes



HTML image 1
Mecanismo de ação de antioxidantes primários

Na tentativa de se conseguir uma seleção de antioxidantes, existem a necessidade de se conseguir algumas propriedades, como as seguintes:


  1. É necessário que haja uma eficácia contendo baixas concentrações, que podem variar de 0,001% até 0,01%.
  2. Faz-se importante também que haja uma ausência de efeitos indesejáveis tanto em sua coloração, como no odor, no sabor, ou em qualquer outra característica dos alimentos.
  3. Necessidade de estar em conformidade com a estabilidade nas condições de processo e armazenamento.
  4. É imprescindível que haja uma compatibilidade com o alimento e que seja de fácil aplicação.


Classificações e mecanismos dos antioxidantes

Temos que os antioxidantes podem ser classificados da seguinte maneira:


  1. Primário;
  2. Sinergista;
  3. Removedores de oxigênio;
  4. Biológicos,
  5. Agentes quelantes;
  6. Antioxidantes mistos.

Portanto, os antioxidantes que são considerados primários tem por composição os compostos fenólicos, que buscam promover toda a remoção ou, até mesmo, a inativação dos radicais livres, os quais são formados durante o processo de iniciação ou propagação da reação, que surge através da doação de átomos de hidrogênio, o que interrompe toda a reação em cadeia.

De outro modo, os sinergistas, são considerados substâncias que possuem uma atividade reduzida de antioxidante, mas que podem aumentar a atividade dos antioxidantes primários em situações em que são utilizados em combinação adequada.

Já os removedores de oxigênio são compostos que visam atuar capturando o oxigênio que se encontra presente no meio, auxiliado por reações químicas estáveis, fazendo com que eles se tornem indisponíveis, para atuarem como propagadores da autoxidação.

Por conseguinte, os antioxidantes biológicos são aqueles que incluem várias enzimas, como é o caso da oxidase e superóxido, em que estas substâncias podem ajudar a remover o oxigênio ou os compostos que são altamente reativos.

Os agentes quelantes, ou sequestrantes, tem por objetivo complexar os íons metálicos, como o cobre e o ferro, que são responsáveis por catalisar a oxidação lipídica, em que um par de elétrons que não são compartilhados em sua estrutura molecular, faz com que haja a ação de complexação.

Por fim, temos os antioxidantes mistos que são aqueles que buscam incluir compostos presentes em plantas e em animais para que se possa aplicar nos alimentos, possuindo diversas proteínas que são hidrolisadas, como é o caso dos flavonoides e todos aqueles derivados de ávido cinâmico.


Designações para antioxidantes

Para podermos designarmos uma definição para os antioxidantes, devemos partir da análise que a ANVISA realizou e foi empiricamente comprovado. Essa em sua designação, a ANVISA afirma que o antioxidante seria uma substância que tem por objetivo executar o retardamento do aparecimento na alteração oxidativa existente no alimento.

Se analisarmos com uma perspectiva química, esses antioxidantes seriam compostos aromáticos que possuem pelo menos uma hidroxila, sendo que eles podem se apresentar de uma forma sintética, como é o caso do butilhidroxianisol, conhecido também por BHA, e a butilhidroxitolueno, conhecido como BHT. Esses compostos são bastante utilizados nas indústrias alimentícias e fazem parte da constituição de diversos alimentos.