A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Teoria Moderna

Pré-visualização|Página 1 de 1


Teoria Moderna


Contextualização

A Teoria Moderna ou Neodarwinismo é um compilado de ideias que se complementam acerca dos mecanismos de manutenção e proliferação da vida na Terra. Em síntese, é um misto da Teoria da Seleção Natural, proposta por Charles Darwin e Alfred Wallace com as Teorias de Hereditariedade, demonstradas por Gregor Mendel, considerado “pai da genética”.

Quando Darwin e Wallace publicaram A Origem das Espécies, em 1859 suas descobertas e comprovações explicavam o fenômeno de seleção natural, porém não contemplavam o mecanismo usado para transmissão de mudanças para a prole, o que foi explicado por Mendel ao propor a existência de “unidades herdáveis” (hoje, sabidamente conhecidas como genes), que eram transmitidas para a prole pelas espécies que mais se adaptavam (obviamente), complementando as ideias do Darwinismo.

Após isso, ainda, Fisher, Haldane e Wright fizeram descobertas importantes, as quais apontaram para a variação genética como resultado da interações de múltiplos genes, cuja frequência varia ao longo do tempo, permitindo a evolução contínua e não discreta (as mudanças genéticas são graduais), permitindo inclusive processos aleatórios na evolução, resultantes dessa gama de possíveis recombinações genéticas.



HTML image 0
A Teoria Moderna é um aperfeiçoamento da Teoria da Evolução/ fonte: Todamateria


Características

Como já explicado, as principais propostas da Teoria Moderna são: seleção natural e leis da hereditariedade.

A teoria da seleção natural, escrita por Darwin e Wallace, propunha que as espécies passam por disputas constantes por alimento e espaço com outras espécies. Aquelas com características mais favoráveis à competição sobreviveriam ao longo do tempo. Essas características então, seriam herdades pelas proles, resultando em manutenção dos “mais fortes”.

As leis da hereditariedade, demonstradas por Mendel são duas: Lei da segregação e lei da segregação independente. Essas leis foram demonstradas por experimentos realizados pelo monge com ervilhas.

A lei da segregação (Primeira Lei de Mendel) diz que “as características hereditárias de um indivíduo são determinadas por dois fatores herdados, um materno e um paterno”. Esses fatores são representativos dos gametas, cada um carregando uma característica do gene específico.

Para estabelecimento da primeira lei, Mendel usou do cruzamento de plantas que diferiam apenas em uma características. A partir daí, passou a observar mais de uma característica concomitantemente, como cor e textura. Com isso, ele observou que a cor e a textura são independentes e os pares de genes segregam de maneira também independente, resultando na Segunda Lei de Mendel ou Lei da hereditariedade independente.

As imagens a seguir ilustra as bases das formulações de Mendel e seus experimentos;



HTML image 1
Hereditariedade de Mendel/ Fonte: Sobiologia

Com as informações sobre o tipo de gene (dominante ou recessivo), Mendel realizou o cruzamento entre as plantas, obtendo resultados como o que segue:



HTML image 2
Hereditariedade de Mendel/ Fonte: Sobiologia

Repare no caso acima que o cruzamento entre sementes de cor amarelo e verde resultam em sementes apenas de cor amarela porque, como visto na primeira imagem, amarelo é cor resultante do gene dominante da cor, portanto, qualquer combinação resulta em semente amarela (basta um dos dois genes serem dominante para que a característica determinada por ele se manifeste).

Porém, ao cruzar essas novas sementes, Mendel obteve parte das sementes da cor verde e parte da cor amarela. Isso acontece porque, no segundo cruzamento, algumas sementes que continham o gene recessivo cruzaram com outras de mesma situação, originando sementes com dois genes recessivos, condição que determina a manifestação desse gene, no caso, de coloração verde.


Conclusão

A Teoria Moderna é uma complementação do Evolucionismo de Darwin que, com o auxílio de descobertas na genética, conseguiu-se preencher lacunas no pensamento darwinista, resultando em áreas totalmente inovadoras e complexas da ciência. Todos esses esforços, além de servirem de contraponto científico à Teoria do Criacionismo (religiosa), serviram e servem para a elaboração de estudos fármacos e genéticos que podem auxiliar na cura de doenças e propagação hereditária de males.

Desse modo, a Teoria Moderna ou Neodarwinista é a mais aceita dentre o meio científico para explicar a manutenção e diversidade da vida na Terra.