Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Paper Iteligencial emocional Completo (1)

Pré-visualização|Página 1 de 8

1 No m e d o s a ca d êm ic o s da Fa cu lda de Un ia sse lv i
2 No m e d o Prof esso r t u t o r e x te rn o
Ce n t ro Un iv e rsitá rio Leo n a rdo d a Vinc i UNI ASSELVI - C u rso R ela çõ e s H u m a na s
I N TELI GÊNCI A EMOC I ON AL N O TRA BA LHO
A na clanilde arouche nascimento ,
Eldilene de sena F erreira vilar,
V ânia B arbosa dos Santos¹
Sharlles C arneiro ²
R ES UMO
O Segui nte paper aborda sobre o concei to da i nteli gênci a em oci onal, tendo com o
base a i m portância do uso da inteli gência em ocional no contexto do trabalho. Onde essa
i nteli gênci a é de grande rel evância para os ocupantes de todos os cargos em um a em presa,
bem com o para os rel aci o nam e ntos tanto na vi da pessoal com o profi ssi onal de uma
pessoa. Aquel e que consegue l i dar com suas em oções de m anei ra m ais adequada m antém
re l aci onam entos saudá vei s e du rad ouros. D essa m anei ra a i ntel ig ênci a E m o ci onal
consegue contri bui para uma exc el ente educação de crianças, provendo autoconhecim ento
e e m patia . A s ori enta ções a qui ap rese ntad as ba sei am -se nos li vros e artigo s. P artiu -se d o
pressuposto de qu e ter i n tel i gên cia em oci on al é fundam e ntal para o cresci m e nto pessoal e
profi ssi onal de um a pe ssoa ; por isso as pe ssoas de vem -se co m portam no am bi ente
organi zaci ona l através da com u ni cação e se rela cio narem , as ca usas e consequ ênci as
sofri das pela organização por ati tudes, tom adas de deci são e negoci ações baseadas no
uso das em o ções.
PALAVRAS CHAVES: I nt eligência emocional. I nt eligência emocional no t rabalho. E mpresas
1 INT R OD U Ç ÃO
A i n teli n ci a e moci o n al (IE) é u m estu do atu a l qu e está aju dan do no
desen vol vi men to da s pesso as, para qu e p ossam e moci o n al men te ter su ce sso n a vi da
acadê mi ca, pesso al e pro f i ssio n al , p or mei o de con trol e do s seu s sen timen tos em situ ações
adversas, toman do deci sõe s asserti vas e raci on ais, mu itas vezes d eci si vas ao l on g o da
vi da. É possíve l percebe -se como é i mportan te a IE n as empresas, e medi -l a n os ge stores
n o amb ie n te de traba l h o e de como é n ece ssári o para qu e estes p ossam se desen vol ver
prof i ssio n al e pessoal men te. N o ramo emp resa ri al a gran de preo cu paçã o n a sel eção de
n ovo s col ab ora dores é de termi n a da pel o qu oci en te de i n teli n cia (f ato r q u e mede a
i n teli n cia da s pe ssoas) e por su a s h abi l i dades empresari ai s.

2
N o en tan to , f oi observado q u e o q u oci en te de i n teli g ênci a (QI) n ã o capa ci ta as
pessoa s para terem su ce sso ao l on go de su a vi da . Mu i tas cri an ças, qu e tiveram al tas
pon tu a ções d e QI, torn aram-se ad u l tos f raca ssados, e mu i to prof i ssio n ai s em cargos d e
l i deran ça, qu e f oram con tratados pel os seu s al tos QIs, f oram de mi tido s, por l h es f al tarem
au tocon h ecimento emoci on al , de seu s o bjetivos e empatia, descon h ecen do as e mo ções
das p essoas qu e cercam su as vi das. H á al gu m tempo vem crescen do u m movimen to na
área da edu caçã o, n a s empre sas e n a vi da soci al q u e bu sca al go su peri or para expl i car o
su cesso de pessoa s n a vid a pessoa l e prof i ssi on a l. E ste mo vimen to apresen ta a
i n teli n cia emoci on a l, po pu l ari zada e m 199 5, p el o d ou tor Dan i el Gole man .
O p aper te m co mo o bjetivo de en ten der como é releva n te ter o con h eci mento de o
qu e é i n tel ig ênci a emoci on al n o traba l h o e como el a é n e cessária n o con texto do tra bal h o .
N a seq u ên ci a, apresen ta-se o ref eren ci al te óri co , di vi di d o e m in tel i gên cia e moci onal
e i n tel i gênci a emocio n al n o tra bal h o . E m segu id a, disse rta -se sobre a me todo lo gi a de
pesqu i sa bi bl i ográf i ca on de abran g e a l ei tu ra, an ál i se e i n terpretação de l i vros , descreven do
o i n stru men to u ti l i zado co m obje ti vo co n h e cer a s di f eren tes con tri bu i ções ci e n tíf icas
di spon ívei s sobre a IE . P osteri ormen te, se rão mostrad os os resu l tados e a a n ál i se del es.
Ao f i m, tem-se a con cl u são.
2. FU N D A MEN T A ÇÃ O TE ÓR IC A
2.1 INT E LIGEN C IA EMOC IONAL
D e aco rd o com Gol eman (2012 ) , A i n teli n cia emoci on a l é q u an do o ser h u mano
tem a cap aci dade de ter mo ti vações para si próprio e d e p ersistir n u m objeti vo ap esar d e
ter al gu m obstácu l o, de co n trol ar i mp u l sos e sabe r a gu a rda r p el a sa ti sf ação de seus
desejos, de se man te r em bom e stado de espírito e d e i mpedi r qu e a an si eda de i n te rf i ra na
capaci d ade de raci oci n ar e se rel aci on ar com os ou tros .
É possível i den ti f i car qu e a IE a través dos e stu d os de i n tel i gên ci as mú l tip la s, u ma
teo ri a qu e f o i desen volvi d a n a ten tativa d e d esf azer a i dei a qu e e xi ste u ma ú n i ca i n te li gência
e recon h ecer a in ere n te pl u ral i da de das capaci da des men tai s.
On de tem co mo objeti vo en gl oba doi s compon en tes: os i n di du os (capazes de
u til i zar u ma va ri eda de d e competên ci as em di versos domín io s do con h eci men to) e a
soci eda de (qu e e sti mu l a o d esen vo lvi men to do i n di vídu o atra vés das oportu n i dades qu e
l h e proporcio n a e dos val ores qu e de sen vol ve ). (GAR D N E R,1995).
Assi m é possível perceber qu e a IE se trata da ca paci dad e de pro var os n ossos
própri os sen ti men tos e d e ou tras pesso as a capaci da de d e i den ti f i car n osso s própri os

3
sen timen tos e o s dos ou tros, de mo ti var a n ó s mesmos e de geren ci ar bem a s emoções
den tro de n ós e em n ossos rel aci on amen tos. (Gol eman 2001, p.337)
A Int elig ência Emo c io nal é a c ap acid ad e d e p erc eb er, av aliar e ex p res s ar
emo ç õ es c o m p rec is ão ; a c ap aci d ad e d e ac ess ar e/ o u g erar s ent imento s
q uand o est es f ac i lit am o p ens amento ; a cap ac id ad e d e ent end er as emo ç õ es
e o c o nhec i ment o emo c io nal e a c ap aci d ad e d e reg ular emo ç õ es p ara
p ro m o v er o c res c i ment o em o c i o nal e int el ec t ual. (VA LLE , 2006, p . 33)
Gol eman (20 01, p . 33 8) af i rma qu e a IE é composta por 5 competê n ci as qu e são: a
au topercepção, au to-reg u l amen tação, moti vação, empati a e h abi l i dad es so ci ai s .
On de a p ri mei ra competên cia qu e é a u toperce pção , on de el a represen ta qu a ndo
u ma pesso a con segu e compree n der e man i p u l ar de mo do co n sci en te e co n f i an te su as
emoções e con se gu e dese n v ol ver u m comportamen to correto di an te de u ma ci rcu n stância
en f re n tada. A segu n da a au to-reg u la mentação qu e é o au tocon trole do ser h u man o , que
é qu an d o u ma pe ssoa tem a capaci d ade d e u sa r su as emoçõ es pa ra f aci l i tar o b om
desen vol vi men to da su a ro ti n a. O terceiro é a motivaç ão , é qu an do u ma pessoa tem a
capaci d ade de con trol ar su as emoções a serviço de u m de termi n a do obje ti vo . A qu arta o
as h abilid ade s so cias qu e é qu an d o u ma p essoa con se gu e ter desen voltu ra em
re l aci on amen tos i n terpesso ai s. E p or ú l ti mo a empa tia qu e é qu an d o u ma pessoa p erceber
as d if i cu l dad es do ou tro e con segu e traba l h ar de f orma posi ti va pa ra qu e com i sso con siga
cu l tivar si n ton i a com o ma i or n ú mero de pessoas possível .
2.2 A INT E LIGEN C IA EMOC IONAL N AS EMPR E S AS
As empresa s f u n ci onam através d e u m si stema i n tegrado, on de as pesso as
i n terage m con stan teme n te e são i n terde pen d ente s pa ra exe cu ta rem e darem an damen to a
su as ativi da des. D esta f orma, todos traba lh am si n ergi came n te com o prop ósi to co mu m d e
produ zi r maio r val o r agre gado para a o rga n i zação, ge ran do ri qu ezas .
Pa ra qu e ocorra de u ma f orma sa u vel é n ecessário qu e o ambi en te de trabal ho
ten h a u ma bo a co mu n i cação n os setores da s empre sas, se ti ver u ma comu n i caçã o posi ti va
é po ssível q u e ten h a p ou cas f a lh as qu e co mprometam a qu al i dade do se rvi ço, e p ara que
h aja i sso é n e cessário qu e a s pesso as ten h a m u ma bo a IE.
N os d i as atu ai s as e mpresas tem se preocu pa do em sel eci on a r os seu s f u n cioná rios
al ém de su as capaci da des cn i cas, p oi s é n ecessário qu e a IE esteja p rese n te n aq uele
f u n ci onário qu e está sen d o con trato, para qu e el e seja u m perf il escol h ido como um
can d i dato “perfei to” para a vag a.
Gol eman af i rma qu e (2012 , p. 15): en qu a n to a i n tel i gênci a emoci on al determin a
n osso po ten cia l para apren der o s f u n damentos do au todo mín i o e af i n s, n ossa competê ncia

Quer ver o material completo? Crie agora seu perfil grátis e acesse sem restrições!