A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
01 - INVESTIGAÇÃO DE RISCO E FRAUDES CORPORATIVAS

Pré-visualização|Página 1 de 15

Questão 1/23 - Investigação de Riscos e Fraudes Corporativas
“O objetivo d o legislad or ao t ipif icar as cond ut as que se inserem na mod alid ad e concorrência d esleal f oi o
d e preservar o valor d a liberd ad e d e concorrência, nos t ermos d o inciso I V d o art . 170 d a C onst it uição d a
República” (p. 92).
Font e: R O CH A JUN I O R, F . A . R. M.; G I ZZI , G . F. T. B . Fraud es Corporat ivas e Programas d e
Compliance. C urit iba: I nt ersaberes, 2018.
C omo mostra a contextualização acima, a concorrência d esleal é uma f orma d e f raude corporativa.
A nalise as alternativas abaixo.
I - A dq uirir alguma mercadoria de f orma superf aturada.
II - A tribuir recompensa ou distin ção que não se obteve.
III - Qu ando um f uncionário vende inf ormações da sua própria empresa.
IV - Publicar uma f alsa inf ormação em d etrimento de concorrentes, com o f im de obter vantagem.
A ssinale a alternativa correta sobre, como explica o texto -base, o que pode ser tipif icado como
concorrência desleal.
No t a: 20.0
B
A penas a af irmat iva I V est á corret a
A a lte rn ativ a c o rreta é a B, p ois so me nte o item IV e stá n o a rt. 1 9 5 d a CF 1 99 8, c ita da s p elos a uto res. (p .9 3)
Questão 2/23 - Investigação de Riscos e Fraudes Corporativas
“Cos ta e Wood J r. ( 2012) , a part ir de uma revi s ão bibl iog ráfic a, t ambém apontam alg umas
c ar ac terí st icas dos s et or es ec omic os refer entes a ati vi dades q ue poder iam propi ci ar ou c oibir
a oc orr ênc ia de fr audes c or porat iv as . Entre el as , es tão a c ult ur a da f raude, a pr es s ão
c ompet it iv a e o nív el de het er og eneidade” ( p. 30).
Fonte: ROCHA J UNIOR, F. A. R. M. ; GIZZI , G. F. T . B. Fraudes Cor porativ as e Prog ramas
de Compl ianc e. Cur it iba: I nters aberes, 2018.
T al c omo mos tr a a c it aç ão da c ontex t uali zaç ão ac ima, um dos f at or es de f raudes r el at iv os ao
s et or econômic o é o da cultura da f raude. Sobre i s to, e l ev ando em c ons ideraç ão o li vr o -bas e,
as s inale V ( v er dadeir o) ou F ( fals o) nas af ir maç ões s obre a c ul tura da f raude:
( F ) Oc or re a par tir da di s poni bi lidade de v ít imas adeq uadas e v ul ner áv ei s ps ic ol og ic a e
s oc ialmente.
( V ) o c ir c uns tânc ias q ue caract er izam per meabi lidade à l óg ic a dos atalhos e ao
desc umpr iment o das nor mas l eg ais e reg ulament ar es .
( V ) Es l ig ada a uma mai or ou menor s ensação de i mpuni dade em fac e de at os i ci tos .
( F ) O ato do g ol pi st a, ut ili zando- s e de ment i ras , par a conv encer alg uma pess oa pos s ui dora
de c redi bil idade e, s em apli c ar - lhe o g ol pe, levá- la a cr er q ue s e tr at a de uma ação pos iti v a.

( F ) Oc or re q uando um g olpi s ta press i ona uma v íti ma, al eg ando q ue det er minada
opor tunidade exi st ir á apenas naquel e momento.
No t a: 20.0
A
F V V F F
Questão 3/23 - Investigação de Riscos e Fraudes Corporativas
“Cost a e Wood Jr. (2012) ind icam alguns element os como component es consid erad os na ocorrência d e
f raud es. D ent re eles, em primeiro plano, os aut ores cit am a socied ad e, t omad a em seus espect ros cult ural,
hist órico, valorat ivo e até mesmo comport ament al exemplif icad o por uma maior ou menor t olencia para
com at os f raud ulentos” (Rocha Junior & Gizzi, 2018, p. 26).
O s aut ores d iscorrem sobre as caract eríst icas sociais que marcam o f at or socied ad e na explica ção sobre
f raud es corporat ivas. Tend o ist o em vista, analise as proposições abaixo.
I - A socied ad e é um f at or d e pouca f orça explicat iva para d et ectarmos possíveis causas d e f raud e
corporat iva.
II - A corrupção sist êmica (d isseminad a na socied ad e) alime nt a a exclusão social.
III - U ma f orma d e mensurar a corrupção em uma socied ad e é ut ilizand o -se d o índ ice d e percepção d a
corrupção, calculad o pelo inst itut o Transparência I nt ernacional.
I V - Também é import ant e combat er aut orid ad es passand o por cima d e normas legais para obt er êxit o em
invest igações e processos.
Sobre as proposições acima, assinale a alt ernat iva corret a sobre o f at or socied ad e.
C
A penas as af irmat ivas I I , I I I e I V est ão corret as
Questão 4/23 - Investigação de Riscos e Fraudes Corporativas
“O t ema da c or rupç ão f oi est udado pela soci ol og ia e as c iênc ias polít ic as , pela hi st ór ia e o
di reito. Mas é import ante l ev ar em c onsi deraç ão q ue o c ompor tament o humano pode t er
c ausas ao mes mo t empo biológ i c as , ps i cológ i cas, c ult ur ai s e s oc i ais , q ue interag em par a
influenc iar e não s ão nec es s ari ament e di s juntiv as. Em 2014, a rev is ta c ien fi ca Fr ontiers in
Behavi or al Neuros c ience publ ic ou o r es ultado de uma ex peri ênci a na q ual f oi medida a
c ondut iv idade da pel e, q ue é uma medi da de v ar iação emoc ional g eral, ao s e oferecer um
s ubor no, recebê-l o e es perar par a v er s e foi des c obert a a tr ama c or rupt a na q ual a pess oa
es t av a envolv ida. Um leilão f oi s imulado e as pes s oas t iv er am a pos s ibili dade de s ubor nar o
leiloeir o par a obter benefí ci os . Nas pri mei ras v ezes , podiam s ubor nar li v remente, mas depoi s
o perdedor podi a ex i gi r q ue a oper aç ão f os s e i ns peci onada. Ent re os r es ultados v iu - s e q ue
tant o l ei loeir os q uant o corr uptores eram menos c or rupt os q uando s abiam q ue poderiam s er
observ ados. Além dis s o, a ativ idade elet ro - dérmic a aument ou q uando a pes s oa dec idiu de
forma pos it iv a, honest a e pr ó-s oci al. O olhar do out ro ( ou o poss í vel olhar do out ro) é o q ue
s anci ona o opor tuni s mo.

Fonte: El Paí s O cér ebr o cor rupt o. Dis ponív el em: <
ht tps: // br as il .elpais.com/brasi l/2016/05/03/c i enc ia/1462289605_959427.ht ml>. Ac es s ado em:
2 de out ubro de 2019.
No l iv ro- bas e da dis c iplina, os autores afir mam q ue o f at or i ndiv íduo é um dos princi pais
fatores das f raudes c or porativ as. Sobre is s o, s ão doi s os r ac iocí ni os pos s ív ei s a s erem
s eg uidos : ( i) o de predis pos ão pess oal par a a fraude; e (i i) o de ades ão do indiv íduo ao
s is tema c og niti vo (Roc ha J uni or & Gizzi , 2018, p. 32) .
Fonte: ROCHA J UNIOR, F. A. R. M. ; GIZZI , G. F. T . B. Fraudes Cor porativ as e Prog ramas
de Compl ianc e. Cur it iba: I nters aberes, 2018.
A r espei to do fator i ndiví duo, analise as asser tivas, abai xo para, em segui da assinalar a
al t er nativa cor reta:
I - Uma ali se c ien fi ca s obre uma poss í vel pr edis pos i ção de um indiv íduo ao at o
fr audulent o é f ac vel do ponto de v is ta ci entíf ic o e, c onsequentement e, c om pouc a mar g em
para c tic as. Além di s to, a par tir de uma ali se da adesão c ogn i tiv a do indiv í duo q ue o
apresentar a pr edis posi ção f raudulent a, é pos s ív el det er minar q ue não hav er á fr aude, c as o
es t e mes mo indiv í duo est ej a em um ambiente onde i mpere a c ul tura c or porativ a pautada na
ét ic a, t rans parênc ia e l eg ali dade. Primeiro, podemo s c ienti fi camente par ti r de pr ec onc ei tos
ac erc a dos indiv í duos f lag rados em at os f raudulentos ou det er minar um pr oblema pat ológi c a
nest e i ndiv íduo, e, s eg undo
PORQUE
II - o nenhum c as o de pes s oa s em pr edis posi ç ão à f raude e q ue est ej a em um
ambiente empres ar ial étic o q ue c omet a fr aude c or porativ a.
Quant o ao que foi dito nas proposi ções, mar que a alt er nati va cor reta :
No t a: 20.0
E
A s asserções I e I I são proposições f alsas.
Questão 5/23 - Investigação de Riscos e Fraudes Corporativas
“O q uar to c omponente anali sado é a or ganizaç ão pr opri ament e di ta, o locus onde s e
desenv olv e a fr aude c or porativ a. Ao f oc arem nas org anizaç ões , os es tudos c ient ífi c os q ue
tr at am de f raudes c orpor at iv as enfa ti zam os s i st emas inter nos de c ontr ole. o obst ante,
di s cordamos des s a pers pec t iv a [ .. .] ( p. 31) .
Levando em consideração a context ualiz ão, uma cit ação do texto - base da disciplina,
temos que os autores di scor dam que a r egulament ação seja o que defi ni r á se haver á,
ouo, f r audes em uma cor por ação. Sobre este posicionament o e tendo em vist a o
text o-base, assi nale a al ternati va cor reta em r el ação ao ar gumento dest es autores.
D
U m ambient e f racament e regulament ad o e com pouquíssimaos proced iment os int ernos, mas com
valores ét icos ref orçad os será menos propenso à ocorrência d o que em um ambient e que ocorra o
oposto.