A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
APOL 2 - Recursos energéticos e Meio ambiente

Pré-visualização|Página 1 de 5

Ques tão 1/5 - Recurs os Energ ét ic os e Mei o Ambi ente
Leia o f ragm ento de texto a seguir:
“[...] Apesar de serem m ais conhec idos atualm ente, os benef íc ios da energia eólic a já são
aprov eitados há m ilhares de anos, quando se nav egava por meio de barcos m ov idos a v ento. Isso
sem c ontar o adv ento dos m oinhos de v ento, o c omuns na m oagem de grãos”.
Após esta avaliação, c as o quei ra l er o tex to i nteg ralm ente , el e es d i s p onív el em : E NERGIA P URA. Conheç a os 7 b enef íc i o s da energi a eól i c a para a hu man i dad e. <h ttps ://www.ene rgiap ura.c om /c o nhec a -7-
bene f i c i o s -da-en ergi a-eol i c a-para-h uma ni d ade/ >. A c es s o em 2 7 fe v . d e 20 19.
Considerando o f ragm ento de tex to e os c onteúdos do liv ro -base R ecursos Ener ticos e Ambiente
sobre os benef íc ios da energia lic a, leia as af irmativ as a seguir:
I. Redução das emises dos gases do ef eito estuf a.
II. Redução de c ustos de f abricaç ão, instalação e geraç ão m ediante inc rementos tecnogic os.
III. Auxilia na beleza cênica da paisagem.
o c orretas as af irmativ as:
No ta: 20.0
A
I e III
B
II e III
C
I e II
Você acertou!
As af irm ativ as I e II eso c orretas, pois de acordo c om o liv ro -base: “[...] Redução das
em issões dos gases do ef eito estuf a [...] reduç ão dos custos [...] de f abric ação, instalação e
geraç ão m ediante increm entos tec nogic os [...]”. A af irm ativ a III está inc orreta, pois “a
presenç a de torres e das s dos equipam entos altera substanc ialm ente a paisagem [...] pode
interf erir c om a beleza c ênic a da rego [...]”. (livro -base, p. 142 e 143).
D
III
E
I
Ques tão 2/5 - Rec urs os Energ étic os e Mei o Ambiente
Atente para a seguinte im agem:
Após esta avaliação, c as o quei ra l oc al i zar a i m age m, el a es t á di s poní v el em: GRÁTIS PNG. A l ei de B etz turbi na E ól i c a a ene rgia E ól i c a - Cons erva ç ão . <http s ://www.grati s png. c om /pn g -fzs f ev />. Ac es s o e m 2 7
fev . 201 9.

Considerando a imagem e os c onteúdos do liv ro-base Recursos Energéticos e Ambiente sobre a lei
de Betz, leia as af irmativ as a seguir:
I. Apenas 59,3% da energia c inétic a do v ento pode ser transf orm ada em energia m ec ânica.
II. Ela determ ina que é posv el obter a totalidade da energia c ontida no v ento.
III. Aponta que a relaç ão entre ponc ia disponív el e a v eloc idade do v ento o é linear.
o c orretas as af irmativ as:
No ta: 20.0
A
I e III
Você acertou!
As af irmativ as I e III o v erdadeiras, pois segundo o liv ro -base, “[...] estabelec eu a Lei de Betz,
c uja máx ima é a de que som ente será possív el transf orm ar 16/27 (aprox imadam ente 59,3%)
da energia c inétic a em energia m ec ânica”. A af irm ativ a II es inc or reta, pois “[...] algum as
c ondiç ões lev am a c onc lusões que determinam o ser possív el obter, mediante o em prego de
dispositiv os de c aptação c omo os utilizados nos m oinhos de v ento e aerom otores, a totalidade
da energia c ontida no vento” (liv ro-base, p. 112-113).
B
II e III
C
I e II
D
III
E
I
Ques tão 3/5 - Rec urs os Energ étic os e Mei o Ambiente
Atente para o exc erto de texto a seguir:
“O Brasil tem uma enorme c apac idade de aproveitamento da energia solar: quase toda sua área
recebe m ais de 2.200 horas anuais de insol ão, c om potencial equiv alente a 15 trilhões de
m egawatts-hora o c orrespondente a 50 m il v ezes o c onsum o nacional de el etric idade”.
Após esta avaliação, c as o quei ra l er o tex to i nteg ralm ente , el e es d i s p onív el em : W OEL Z, A ; RA P OS O, I. A e nergi a q ue v em do S o l . <h t tp s ://www.rev i s tap l ane ta . c om. b r/a -energia -que-v e m -do-s ol />. A c es s o e m
26 de fev. 2019.
Considerando o f ragm ento de tex to e os c onteúdos do liv ro -base R ecursos Energéticos e Ambiente
sobre as c arac terísticas do destino da energia v inda do sol, leia as af irm ativ as a seguir:
I. 100% da energia que c hega do Sol é ref letida pelas nuv ens.
II. Pouc o m enos da m etade da energia que c hega na atm osf era atinge a superf íc ie terrestre.
III. U m a pequena parte desta energia é c onsum ida em processos naturais v itais para o equilíbrio
rm ic o do planeta.
o c orretas as af irmativ as:
No ta: 20.0
A
I e III
B
II e III
C
I e II

D
III
E
II
Você acertou!
A af irm ativ a II é c orreta, pois c onf orm e liv ro -base: “[...] a energia que atinge a superf íc ie é
pouc o m enos do que a metade daquela rec ebida f ora da atm osf era”. A af irm ativ a I está
inc orreta, pois “[...] ainda assim , som ente um a parc ela ínf im a desse total poderia ser utilizada
pelo ser hum ano em f orm a de algum tipo de energia útil [...]”. A af irm ativ a III es inc orreta, pois
“[...] a im ensa m aioria da energia recebida é c onsum ida em proc essos naturais v itais para o
equilíbrio rm ic o do planeta”. (liv ro-base, p. 66).
Ques tão 4/5 - Rec urs os Energ étic os e Mei o Ambiente
Observe o seguinte gráf ic o:
Após esta avaliação, c as o que i ra l oc al i zar o gráfi c o, el e es di s pon ív e l em: BRA S IL. MINIS TÉRIO DO ME I O A MB I ENTE. Matri z E nergéti c a do B ras i l , 2 015 . <http:/ /www.mme .gov .br/>. A c es s o em 19 fev . de
2019.
Considerando o gráf ico e os c onteúdos do liv ro -base R ecursos Ener ticos e Ambiente sobre a
m atriz energética brasileira, analise as af irmativ as a seguir:
I. Biom assa de Cana é m ais utilizada do que a Hidráulic a.
II. Hidráulic a é a f onte de energia princ ipal no Brasil.
III. Petróleo é a principal f onte de energia brasileira.
o c orretas apenas as af irmativ as:
No ta: 20.0
A
I e III
Você acertou!
Segundo o liv ro-base: “É interessante notar que a partir de 2008, a energia de origem
hidráulic a, que aparec ia c omo a principal f onte renov áv el na m atriz brasileira, f oi suplantada
pelas f ontes deriv adas da atividade suc roalcooleira [...], que ocupam a segunda pos ão no
geral, sendo elas suplantadas som ente pelo petróleo [...]” (liv ro -base, p. 29).
B
II e III