A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Classes e movimentos sociais prova bimestral

Pré-visualização|Página 1 de 2

Cla s s e s e mo vimen tos s o c ia is p rova b ime s tra l .
1) O processo de trabal h o do servi ço soci al organ i za -se estru tu ral men te a partir de ativi da des
soci ai s qu e permeia m e circu n screvem os objetos de atu ação, o processo de produ çã o soci al da
prof i ssão (decorren te de u m sabe r espe ci f i co) e dos produ tos con f i gu rados por esse processo d e
trabal h o (corpóreos e i n corpóreos) em a ten di men to a deman das postas soci al men te, seja por
recon h e ci men to ou por produ ção das n ecessi dades h u manas”
R esp osta: C) A falta d e de scriminação t rica en tre atividad es p rofissiona is d e atividad es
organ izacionais, ass im c omo a falta d e disti ão entre ativida des , ins trumentos
empregad os e prod utos visado s, co labo ram p ara qu e o profission al p ossa iden tificar
criticamente a co njuntura e de monstram uma fund amentação t rico -metodo lóg ica
precisa.
2) E m rel ação à temáti ca E stado, pol íticas socia i s e movimen tos soci ai s, assi n al e a opção
i n correta.
R esp osta: E) A luta pela ampliação dos direitos so ciais no cená rio do ne oliberalismo o
enc on trou barreiras estruturais, uma ve z qu e a propos ta de reforma do E stad o
enc aminha da pelos go verno s des monta o que foi co nq uistad o, no cas o do Brasil, n o final
da década de 1980.
3) N o deba te sobre a p artici paçã o da socie dade ci vi l n a con stru ção d a democr acia , partimos do
en ten di men to de qu e el a é composta po r u ma gran de h eteroge n ei dade de atores ci vi s com
f ormatos i n stitu cion ais di ve rsos, com g ran de pl u ral i dade de práti cas e projetos, q u e a tu am em
di f eren tes espaço s bl i cos. E stá en trecru zada po r ltipl os co n f l i tos, n os q u ai s se en con tram
em d i spu ta três gran des projetos:
R esp osta: A) au toritário, n eo liberal e democrático -participativo .
4) O movi men to d e recon cei tu ação do S erviço Soci a l emergiu n a meta de do s an os 1960,
prolo n gou -se p or u ma década e f oi, n a su a especi f i ci da de, u m f en ômen o ti pi camen te l atin o -
ameri can o. D e acordo com a pon tame n tos d e Iamamoto (1999 ), tal como se expressou em su a
tôn i ca domi n an te n a A méri ca La ti n a, o movimen to de R e con cei tu ação represen tou u m marco
deci si vo n o desen cade amen to:
R esp osta: B ) d o processo de revis ão crítica do Serviço So cial no co ntin en te.
5) O serviço socia l é u ma das prof i ssõe s i n scri tas n a di vi são soci o técn i ca do trabal h o n a ordem
soci al capi tal i sta madu ra e cara cteriza -se por ser u ma prof i ssão i n terven ti va . A ssi m, o prof i ssi on al
n ecessi ta, alé m de con h ecer a real i dade n a su a compl exi dad e, criar mei os para tra n sf ormá -l a n a
di reção de determi n a do proje to soci o prof i ssi o n al. E ssa du p l a d i men são qu e caracteriza o se rvi ço
soci al desa f i a os p rof i ssi on a i s a en f re n ta -la cotidi a n amente teóri co -metodol ó gi ca compatível com
tal compl exi dad e. É n esse aspecto qu e a cate goria da me di ação a porta gran de co n tri bu i ção.
R esp osta: A) ao de sven damen to dos fe menos reais e à in terven ção do assiste nte so cial.
6) A an ál i se so bre a qu e stão soci al n a perspectiva críti co -di al ética apon ta qu e esta abran ge du as
di men sões n a soci e dade capi tal i sta. Dessa f o rma, assin al e a al tern ati va correta qu an do a essas
di men sões.
R esp osta: C ) A ex ploração capital / traba lho e a inco nformida de / resistên cia d a classe
trabalhad ora.

7) A n oção d e h abi tu s cu mpre u m p apel cen tra l n a teori a d e P i erre Bou rdi eu qu anto à an ál i se da s
desi gu a l dades soci a i s. A este co n cei to, pod e -se associa r toda s as perspectivas a segu i r, exce to:
R esp osta: B ) o hab itus, co mo um sistema de dispos ições inco rporad as, está lig ado aos
esq uemas in con scientes da cultu ra, uma vez qu e a teoria d e B ou rdieu priv ilegia em su as
aná lises as d imensõ es subjetivas d o go sto e da estética d os grupo s so ciais.
8) A qu estã o do poder a parece em vári as obras de Mich el Fo u cau lt (1926 -1984). É correto af i rma r
sobre o pe n samen to do f i l ósof o a esse respe i to qu e
R esp osta: D ) E m sua ob ra, Fou cau lt pe rcebeu não so mente o exce sso d e po de r no
apa relh o de estado cap italista, como o fascismo, e soc ialista, co mo o stalinismo, mas n as
rela çõe s entre os in divíd uo s, u ns sob re o s ou tros.
9) O Brasi l tem, en qu anto pa i s de capi tali smo tardi o, o su rgimen to e o desen vol vi men to de su a
pol íti ca soci al con sti tu ída n as marcas d e su as pecu l i ari dades h i stóri cas. O E stado brasil e i ro
n asceu sob o sign o de u ma f orte ambi gu i dad e e n tre:
R esp osta: B ) o liberalismo formal co mo fund amento e o p atrimonialismo como p rática.
10) Assi n a l e a al tern ati va qu e ap resen ta o con cei to cl ássi co de ci dada n ia qu e está re l aci on ado e
deriva da experi ên ci a do s movi men to s soci ai s.
R esp osta: C ) É a titularid ad e d e direito s.