A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
Qustóes objetivas Aprof Tecnologia e Inovaçao

Pré-visualização|Página 1 de 17

Questão 1
Co rreto
At ing iu 1, 00 d e 1,00
Ma rca r q u est ão
T exto da q uestão
Leia as sequênc ias de acontecimentos e interaç ões em uma rede soc ial nas duas
situaç ões a seguir.
Situão 1
Situão 2
Lev ando em c onta o que f oi trabalhado durante o c urso, selecione as alternativ as
que c ontenham as afirmações adequadas em relaç ão às situações
apresentada s:
I. Em relaç ão à situaç ão 1, ninguém dev e ser punido, já que proibir alguém de
dizer alguma c oisa é c ensura, algo que atenta contra a liberdade de ex preso
garantida pela nossa Constituiç ão. Como esc rev eu a autora da postagem ,
opinião não se disc ute.
II. Em relaç ão à situaç ão 1, a autora da prim eira postagem é a única que poderia
ser punida, já que ela é que disseminou a opino.
III. Em relaç ão à situaç ão 1, tanto a autora da prim eira postagem c om o os que a
redistribr am, seja c urtindo, c omentando ou c om partilhando, podem ser
punidos.
IV. Em relaç ão à situaç ão 1, as pessoas que denunciaram a public ação agiram de
f orm a equivoc ada. Aqueles que o conc ordam c om a autora da postagem
dev eriam simplesm ente ter parado de segui -la.
V. Em relação à situaç ão 2, a troc a de m ensagens pode ser c onsiderada um
debate qualif ic ado de ideias, no qual ambos os partic ipantes puderam
ex pressar suas opines.
VI. Em relaç ão à situaç ão 2, a troc a de m ensagens pode ser c onsiderada um
ex emplo de dem onstraç ão de intolerânc ia c om opiniões dif erentes, algo c ada
v ez m ais c omum nas redes.
a. Af ir mações I, I V e VI.
b. Af ir maçõe s III e V.
c. Af irmaçõe s I, I V e V.
d. Apenas af ir mação VI.
Cor ret o! Sobr e a situ ação 1 , uma co isa é libe rd ade de exp ressão e o utr a é discur so d e
ód io, qu e e nvolve a e xpr essão de p re conce itos em relação a etn ias, n acion alidad es,
de ntr e o utr as po ssibilidade s, como f oi o caso . A alter nativa e stá co rr eta, p ois o só qu em
pu blica alguma inf o rmação ou opinião n a int ern et p ode ser r espo nsab ilizado, mas tam m
qu em en dossa e d issemin a e ssa pu blicação, seja cur tind o, co me ntand o ou
comp art ilh and o. co m r elação à situ ação 2, um de bat e qu alif icado de id eias su põe a

exp osição racional ( sem xingamen tos) de id eais, tese s e o piniõe s suste ntadas p or
ar gu men tos e a disposição d e ou vir a o pinião do ou tro e d ialogar com ela. o é isso o
qu e acon tece, qu e u m d os int erlo cutor es n ão só o f en de o o utr o co mo o bloq ueia.
e. Af ir maçõe s II e VI.
F eed back
Su a r esp osta está co rr eta.
Questão 2
Co rreto
At ing iu 1,00 d e 1, 00
Ma rca r q u est ão
T exto da q uestão
Sobre letram ento digital, c onf orm e c onsiderado na Diretriz Curric ular de
Tec nologia e Inov aç ão, é c orreto af irm ar que:
I. Letram ento m idiátic o e letram ento inf orm ac ional são sinônim os.
II. Letram ento digital env olve o domínio de f erram entas digitais.
III. Letram ento digital env olve apenas o desenv olvim ento de habilidade s de leitura
e esc rita em c ontex to digital.
IV. Letram ento digital env olve o desenv olvim ento da c apac idade crítica e étic a nas
prátic as de linguagem da c ultura e apropriação das dif erentes linguagens.
V. Letram ento digital não env olv e o tratamento crítico de c onteúdos que c irculam
nos ambientes digitais e a apropri ão de dif erentes linguagens.
Eso c orretas as af irmaç ões:
a. II e IV.
Cor ret o! O le tramen to dig ital en volve o do mín io de f er ramen tas digitais, o de senvo lvime nto
de h ab ilidade s d e leitu ra e escr ita e m conte xto d igital, a p ar ticipação cr ítica e ét ica nas
pr áticas de lingu age m p pr ias d a cu lt ura d igital e a apr opr iação d e d if e ren tes ling uagen s.
b. II, III e IV.
c. I , II e IV.
d. I, II, III, IV e V.
e. I, III e V.
F eed back
Su a r esp osta está co rr eta.
Questão 3
Co rreto
At ing iu 1,00 d e 1, 00

Ma rca r q u est ão
T exto da q uestão
As TDIC propic iam o trabalho nas perspec tiv as étic a e m oral e seu uso implica
aspectos importantes para o desenv olvim ento dos nossos estudantes em div ersas
f rentes. Com base na apresentação do M ódulo 2, as TDCI irão ref letir sobre os
aspectos:
a. Acesso e seg uran ça no uso d e T DIC, qu estõ es mor ais e éticas nas r ede s sociais e d e
mídia, p ro pr ie dad e int electu al e cr iatividade na Web 2.0 e 3.0 e co mp ar tilh amen to e
colab or ação.
Cor ret o! As T DIC p ro piciam o t rabalho nas pe rspe ctivas é tica e mo ral e se u u so implica
asp ectos impo rtant es par a o dese nvolvimen to d os n ossos e stud ante s em d iversas f r en tes
o ape nas no qu e diz r esp eito ao acesso e à se gur an ça no uso d e T DIC, às qu estõ es
mor ais e éticas nas r ed es so ciais e de míd ia, à p rop ried ad e inte lectual e à criatividade na
Web 2 .0 e 3.0 e ao compar tilh amen to e à co labo ração .
b. Apenas d e seg ur ança n o u so da T DIC.
c. Q uestõ es mor ais e éticas n as r ede s so ciais e se gur an ça n o u so da T DIC.
d. Prop ried ade inte le ctual e cr iatividade na Web 2.0 e 3 .0 e comp ar tilh amen to e
colab or ação.
e. Apenas p rop ried ad e inte lectual e criatividad e n a Web 2.0 e 3 .0.
F eed back
Su a r esp osta está co rr eta.
Questão 4
Co rreto
At ing iu 1,00 d e 1, 00
Ma rca r q u est ão
T exto da q uestão
Zabala e Arnau (2010) destac am que avaliar c ompetênc ias exige que o prof essor
possua dados autênticos sobre o v el de aprendizagem de c ada estudante em
relaç ão à com petênc ia em destaque, c om um a v ariedade de instrumentos que
atendam às c arac terísticas espec íf ic as de c ada c ompetênc ia, c onsiderando ainda
o c ontex to em que ela dev e ou pode ser realizada. O u seja, é prec iso t er
indic adores de desempenho para a tom ada de dec isão.
Considerand o esse pressupost o, f aça a associaç ão entre os c onc eitos dos
instrum entos de av aliação discrim inados .