A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
199 pág.
gestao de custos

Pré-visualização | Página 20 de 41

contínua: após a apropriação 
dos custos de MD, MOD e CIF para os processos de produção, os produtos completados são 
transferidos para o estoque de produtos acabados e, quando vendidos, são transferidos para 
o CPV.
FONTE: Disponível em: <http://fesppr.br/~hey/CONTABILIDADE%20DE%20CUSTOS/UN%20
5%20-%20SISTEMAS%20DE%20ACUMULA%C7%C3O%20DE%20CUSTOS%20.doc>.Acesso 
em: 29 set. 2015.
É importante salientar que as unidades equivalentes de produção são 
quanto equivalem em unidades acabadas os custos acumulados nas unidades 
que estão em processo.
A partir do momento que encontramos produtos em processo no final do 
período, é preciso determinar o estágio de fabricação (grau de acabamento) em 
que se encontram essas unidades para poder distribuir os Custos de Produção 
entre as unidades concluídas e as que permanecem em processo. Geralmente a 
avaliação da produção equivalente é feita pela Engenharia de Produção.
Exemplo:
Custos de Produção de uma empresa no período:
UNIDADE 2 | SISTEMAS DE CUSTEIO E FORMAÇÃO DE PREÇOS
84
• Material Direto – R$ 10.000,00
• Mão de obra Direta – R$ 8.000,00
• Custos Indiretos de Fabricação – R$ 6.000,00
• Estoque inicial – 0 
• Produção iniciada – 1.000 unidades
• Produção concluída e transferida para o departamento seguinte – 800 
unidades
• As unidades em processo estão num estágio de fabricação correspondente a 
80% em média
ð Determinação das unidades equivalentes de produção
• 200 unidades x 0,80 = 160 unidades equivalentes
• 800 unidades acabadas + 160 unidades equivalentes = 960 unidades de 
produção
• Custo unitário = Custo de Produção/Produção Equivalente = R$ 24.000,00/960 
unidades = R$ 25,00
ð Custo da Produção transferida para o departamento seguinte:
• 800 unidades x R$ 25,00 = R$ 20.000,00
ð Valor das unidades em processo (Estoque em Processo):
• 160 unidades equivalentes x R$ 25,00 = R$ 4.000,00
ð Custo unitário das unidades em processo:
• R$ 4.000,00/200 unidades = R$ 20,00
FONTE: Adaptado de: <http://www.ceap.br/material/MAT10042010142844.pdf>. Acesso em: 29 set. 
2015.
3 SISTEMA DE ACUMULAÇÃO POR ORDEM
O sistema de acumulação por ordem ou sistema de Custos por Ordem 
(produção por encomenda) é o sistema ao qual os produtos são feitos de forma 
especial sob encomenda de acordo com as especificações dos clientes.
A organização utiliza de uma autorização de fabricação de um produto 
ou prestação de serviço para que seja iniciado o processo de fabricação, essa 
autorização é denominada como ordem de produção, ou de serviço, ou de 
TÓPICO 1 | SISTEMAS DE CUSTEIO
85
trabalho, execução etc. Tais nomenclaturas são similares variando de acordo com 
a literatura abordada. O sistema de acumulação por ordem também pode ser 
conhecido popularmente como sistema por encomenda.
Para que a empresa adote o sistema de acumulação por ordem é indicado 
que a forma de produção seja por produtos distintos, ou àqueles que atendam 
às necessidades específicas de cada cliente. Geralmente é utilizado por empresas 
que produzem por encomenda ou realizam serviços personalizados.
Os custos relacionados à mão de obra direta e os referentes a gastos com 
materiais de uma determinada ordem de produção ou serviço são alocados a 
partir dos registros mantidos para este propósito. Já os custos indiretos como, 
por exemplo, os aluguéis, energia elétrica etc. são aplicados usualmente às ordens 
através de taxas predeterminadas, com base nas horas de mão de obra direta.
Ao cadastrar uma ordem, ela recebe uma numeração ou um código. 
No momento em que são incorridos custos com mão de obra e de material, 
relacionados com a ordem, estes são registrados na conta ou centro de custos de 
produção em andamento da razão contábil que é responsável por registrar os 
custos de cada ordem. 
Há diversas indústrias ou prestadores de serviços que podem utilizar esse 
sistema. Temos como exemplo as empresas de publicidade e propaganda, atelier 
de costura, empresas que fabricam aeronaves, navios etc.
FIGURA 11 - ILUSTRAÇÃO DE UMA ORDEM DE PRODUÇÃO
FONTE: Vieira (2008, p. 55)
Nesse sistema os custos são acumulados por ordem de produção. Quando 
realizamos a soma das ordens de produção em aberto temos a representação do 
estoque dos produtos em processo. Conforme os produtos são concluídos, as 
ordens de produção são finalizadas e os custos são transferidos para o estoque de 
produtos acabados (ou CPV, se for o caso).
UNIDADE 2 | SISTEMAS DE CUSTEIO E FORMAÇÃO DE PREÇOS
86
Durante a fabricação do pedido, os custos são registrados da seguinte 
forma:
• Os materiais diretos (MD) pelo custo real, com base nas requisições para cada 
ordem de produção (OP) ou ordem de serviço (OS);
• A mão de obra direta é apropriada com base no tempo gasto na execução de 
cada ordem (tempo gasto x taxa horária de custo da Mão de Obra Direta - 
MOD);
• O Custo Indireto de Fabricação (CIF) é apropriado através de rateio com base 
em critério definido.
A seguir o fluxo de Custos do Custeio por ordem:
FIGURA 12 - FLUXO DE CUSTOS DO CUSTEIO POR ORDEM
NOTA
Contabilização dos custos por Ordem de Produção: após a apropriação dos 
custos de MD, MOD e CIF para as ordens de produção, os produtos completados são 
transferidos para o estoque de produtos acabados e, quando vendidos, são transferidos para 
o CPV.
FONTE: Disponível em: < http://fesppr.br/~hey/CONTABILIDADE%20DE%20CUSTOS/UN%20
5%20-%20SISTEMAS%20DE%20ACUMULA%C7%C3O%20DE%20CUSTOS%20.doc>.Acesso 
em: 29 set. 2015.
FONTE: O autor
Pedido 
de venda
Um pedido 
de venda é 
preparado 
com base 
da emissão
Ordem de 
Produção
Requisição 
de Materiais
Tempo de 
Mão-De-Obra 
Direta
Estes Custos de 
Fabricação são 
acumulados 
em um controle 
conhecido 
como:
Registro 
de 
Custo
O registro de 
custo constitui a 
base do cálculo 
dos custos 
do produto 
e unitário, 
utilizados na 
avaliação dos 
estoques finais e 
na determinação 
do custo dos 
produtos 
vendidos
Taxas 
Predeterminadas 
de CIFs
Uma ordem 
de produção 
dá início as 
operações 
da ordem, 
onde serão 
alocados os 
respectivos 
cursos...
TÓPICO 1 | SISTEMAS DE CUSTEIO
87
Exemplo: 
A Cia Dó Re Mi LTDA fabrica dois tipos de flautas: tipo A e B. Algumas 
dessas flautas são inteiramente de plásticos e outras levam peças de latão, em 
torno da qual é moldado o plástico. Essas últimas exigem, então, um trabalho de 
perfuração e usinagem. A Cia tem três centros de custos: Moldagem, Usinagem 
e Perfuração e Serviços Gerais, tendo como gastos em setembro de 2015:
Os custos do centro de serviços gerais são distribuídos aos centros 
de produção na base do valor da MOD de cada centro, e o seguinte critério 
foi estabelecido para distribuir os CIFs do centro de moldagem para os dois 
produtos: Horas e MOD.
Foram produzidas 3.000 flautas tipo A e cada uma delas foi fabricada 
com o consumo de: 15 minutos de MOD no centro de moldagem e 20 minutos 
de MOD no centro de usinagem e perfuração.
Foram produzidas 4.500 flautas tipo B e cada uma delas foi fabricada 
com o consumo de: 10 minutos de MOD no centro de moldagem.
Segundo a seção financeira, as taxas salariais pagas aos operários 
diretos são as seguintes:
A lista de materiais de cada produto revela o seguinte:
Moldagem Usinagem e Produção
Flautas Tipo A
0,5 litros de plástico 
p/ unid.
0,1 litros de latão p/ unid.
Flautas Tipo B
0,2 litros de plástico 
p/ unid.
 - 
UNIDADE 2 | SISTEMAS DE CUSTEIO E FORMAÇÃO DE PREÇOS
88
A contabilidade informou que o custo dos materiais foram os seguintes: 
Plástico = $6,00 o litro 
Latão = $3,50 o litro 
Agora que possuímos todas as informações necessárias, vamos calcular 
o custo das flautas A e B, utilizando o método de Custo por Ordem:
MOD: 
Flauta A – 3.000 unid. 
Moldagem R$ 0,73 p/h