ÉTICA NA SAÚDE Vídeo PPT MP3 SDE0622_A4_202004152556_V1
6 pág.

ÉTICA NA SAÚDE Vídeo PPT MP3 SDE0622_A4_202004152556_V1


Disciplina<strong>ética na Saúde</strong>122 materiais365 seguidores
Pré-visualização1 página
1.
		No que tange ao tema de tranplantes de órgãos e tecidos, o princípio através do qual se preserva o direito do indivíduo em decidir qual a informação que quer manter em anonimato, denomina-se:
	
	
	
	Princípio da arguição
	
	
	Princípio da divisão
	
	
	Princípio da bondade
	
	
	Princípio da confidencialidade
	
	
	Princípio de Castel
	
Explicação: 
Quem doa um órgão tem o direito de manter sua doação em sigilo. Este só conhecerá o receptor se não fizer a opção pelo caráter confidencial de doação.
	
	
	
	 
		
	
		2.
		A respeito dos direitos fundamentais pertinentes ao doador e receptor de órgãos, leia as afirmativas a seguir e marque a resposta correta: I ¿ Os direitos fundamentais estão relacionados à dignidade e aos direitos essenciais da pessoa II ¿ Os direitos fundamentais são considerados como cláusulas atingíveis por diversas constituições democráticas pelo mundo, ou seja, podem ser alterados por legislações em prejuízo do ser humano. III ¿ Os direitos fundamentais estão associados ao direito à vida, à formação dos direitos de personalidade, à integridade física e ao direito ao corpo, em particular, à liberdade de consciência e ao poder de dispor do próprio corpo. Está correto apenas o que se afirma em: 
	
	
	
	I e III 
	
	
	II e III
	
	
	I e II
	
	
	II
	
	
	III
	
	
	
	 
		
	
		3.
		O Conselho Federal de Medicina, através da Resolução 1480/97, alterou o critério de morte, que anteriormente estava vinculado à falência cardiorrespiratória, para:
	
	
	
	Morte por Acidente de Trânsito.
	
	
	Morte por Parada Cardíaca.
	
	
	Morte Encefálica.
	
	
	Morte por Suicídio.
	
	
	Morte por Insuficiência Renal.
	
Explicação: 
O Conselho Federal de Medicina, através da Resolução 1480/97, alterou o critério de morte, anteriormente vinculado à falência cardiorrespiratória, para Morte Encefálica, que consiste na completa e irreversível perda de todas as funções do cérebro, em razão da parada de circulação do sangue no mesmo.
	
	
	
	 
		
	
		4.
		O princípio da não discriminação implica no sistema de lista única dos receptores. Este sistema informatizado integra toda rede de saúde nacional e segue critérios de distribuição específicos para cada tipo de órgão ou tecido. Esse princípio determina que:
	
	
	
	A  necessidade de consentimento do doador para a coleta de seus tecidos ou órgãos.
	
	
	Os órgãos ou tecidos não podem ser vendidos, mas apenas doados.
	
	
	A seleção dos receptores só pode ser feita mediante critérios médicos.
	
	
	O direito do doador em se manter em anonimato.
	
	
	O ato de doar implica em sacrificar sua individualidade em detrimento do bem da comunidade.
	
Explicação: 
O princípio da não discriminação determina que a seleção dos receptores só pode ser feita mediante critérios médicos. O Sistema Nacional de Transplantes estabeleceu o chamado sistema de lista única. Este sistema informatizado integra toda rede de saúde nacional e segue critérios de distribuição específicos para cada tipo de órgão ou tecido, alocando cada receptor em função de sua posição na lista de espera pelos critérios próprios do órgão ou tecido ao qual se candidatou.
	
	
	
	 
		
	
		5.
		Marta e Mônica são gêmeas. Marta tem problemas renais e precisa de um transplante urgente. Sua irmã quer ser doadora, mas como ambas tem a mesma genética e Mônica também apresenta problemas renais, embora mais leves do que sua Irma, o médico não liberou o processo de doação, mesmo elas sendo compatíveis. A decisão do médico está pautado no Princípio:
	
	
	
	Da dissociação
	
	
	Do doador
	
	
	Da totalidade
	
	
	Da remoção
	
	
	Da terminologia
	
Explicação: 
O princípio da totalidade, acredita que sendo o corpo um todo, cada parte do mesmo deve ser avaliada de acordo com o todo.
 
	
	
	
	 
		
	
		6.
		Necessitando de um transplante de fígado Sr. José colocou um anúncio no Jornal oferecendo R$ 10.000,00 para quem se oferecesse como doador. Esta prática é: 
	
	
	
	Ilegal visto que o Diário Oficial do estado deveria ser utilizado pois é o único veículo autorizado para este tipo de anúncio.
	
	
	Legal, desde que os valores estejam dentro de uma tabela estipulada pelo SUS.
	
	
	Ilegal. Sem saber a origem do órgão o cidadão pode receber órgão de animais.
	
	
	Ilegal porque existe uma legislação própria que versa sobre transplantes no Brasil. Venda de órgãos é considerado crime.
	
	
	Legal, desde que o caso seja de estrema urgência.
	
Explicação: 
 
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
LEI Nº 9.434, DE 4 DE FEVEREIRO DE 1997.
	 
	Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências.
 
	
	
	
	 
		
	
		7.
		A doação de órgãos realizada através da vontade expressa do doador quando em vida é denominada:
	
	
	
	Religiosa.
	
	
	Voluntária.
	
	
	Involuntária.
	
	
	Compulsória.
	
	
	Sentimento Humanitário.
	
Explicação: 
As formas de obtenção de órgão são comumente distribuídas pelas seguintes modalidades: Doação voluntária; Consentimento presumido e Manifestação compulsória. A doação voluntária é aquela realizada através da vontade expressa do doador quando em vida. Até 1997, no Brasil, os órgãos só poderiam ser utilizados se a pessoa tivesse assim procedido. A partir daquele ano, a legislação brasileira substituiu a doação voluntária pelo consentimento presumido.
	
	
	
	 
		
	
		8.
		A doação de órgãos realizada através da vontade expressa do doador quando em vida é denominada:
	
	
	
	por Consentimento Presumido.
	
	
	Religiosa.
	
	
	Compulsória.
	
	
	Voluntária.
	
	
	Involuntária.
	
Explicação: 
As formas de obtenção de órgão são comumente distribuídas pelas seguintes modalidades: Doação voluntária; Consentimento presumido e Manifestação compulsória. A doação voluntária é aquela realizada através da vontade expressa do doador quando em vida. Até 1997, no Brasil, os órgãos só poderiam ser utilizados se a pessoa tivesse assim procedido. A partir daquele ano, a legislação brasileira substituiu a doação voluntária pelo consentimento presumido. Por esta últimsa, presume-se que todo cidadão é um doador em potencial, a menos que tenha expressado vontade contrária. Assim, se não há manifestação explícita da negativa de doação, as equipes de saúde podem proceder à retirada dos órgãos.