A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
207 pág.
Topicos em Gestao da Producao - vol1

Pré-visualização | Página 3 de 50

segurança, análise de vulnerabilidade e análise de 
confiabilidade. Considerando negócios, finanças e 
economia industrial podem ser citados exemplos de 
simulação aplicados à modelagem de fluxos de 
negócios, análise financeira e planejamento 
estratégico. 
Aplicações da simulação em engenharia de produção 
incluem a emulação do arranjo físico de fábrica, do 
fluxo de processo, dos sistemas de manuseio de 
material, do planejamento da capacidade produtiva, 
da utilização de mão-de-obra, entre outras. 
Segundo Gramigna (1993) citado por Pantaleão, 
Oliveira e Antunes Júnior (2003), o chamado Jogo 
Simulado, é uma atividade planejada previamente 
pelo facilitador, na qual os jogadores são convidados 
a enfrentar desafios que reproduzem a realidade de 
10
Tópicos em Gestão da Produção - Volume 1
seu dia-a dia. Segundo os autores, no jogo simulado 
pode-se identificar todas as características do jogo 
real: regras definidas, presença do espírito 
competitivo, possibilidades de identificar vencedores 
e perdedores, ludicidade, fascinação e tensão. Por 
sua vez, o Jogo de Empresa tem a mesma estrutura 
do jogo simulado, porém retrata situações específicas 
da área empresarial. Nos Jogos de Processo, as 
equipes passam por processos simulados nos quais 
devem executar atividades como: planejar e 
estabelecer metas, negociar, administrar tempo e 
recursos, estabelecer métodos de trabalho, organizar 
processos de produção e tomar decisões acerca 
deste processo. 
Objetiva-se, através deste trabalho, desenvolver um 
jogo digital com fins educacionais envolvendo 
conceitos relacionados à Engenharia de Produção 
caracterizado como um “Jogo de Processo”. 
Objetiva-se mais especificamente simular (emular) de 
forma simplificada e lúdica o ambiente industrial, 
sendo o público alvo constituído por estudantes dos 
primeiros períodos. Os benefícios esperados 
compreendem um melhor entendimento por parte dos 
alunos com relação às atribuições, responsabilidades 
e campo de ação de um engenheiro de produção. 
2 Referencial teórico 
2.1 Conceito e classificações de jogos digitais 
Afinal, surge a pergunta: o que é um jogo? Um jogo é 
uma atividade espontânea, realizada por uma ou mais 
pessoas, regida por regras (onde estão incluídas o 
tempo de duração, o que é permitido e proibido, 
valores das jogadas e indicadores sobre como 
terminar a partida) que determinam quem o vencerá. 
Vários autores salientam o papel psicopedagógico 
dos jogos definindo-os como instrumentos que 
permitem a construção de conhecimentos e a 
superação de erros. Existe também uma valiosa 
oportunidade para a resolução de incapacidades e 
aquisição de autoconfiança. Cabe ainda ressaltar as 
características socializadoras dos jogos, ao entendê-
los como espaço para a transmissão de costumes por 
meio de trocas interindividuais e arranjos coletivos 
(CAIADO; ROSSETTI, 2009) 
O jogo digital, elemento da chamada “indústria 
cultural” constitui-se como um instrumento de lazer e 
entretenimento, cujo alcance é cada vez mais amplo 
nas brincadeiras infantis. Isso significa que o 
conteúdo desses jogos e a identificação com seus 
personagens são vetores importantes de referência 
para analisar a constituição da identidade infantil e a 
emergência de valores na sociedade atual 
(ZANOLLA, 2007).Segundo Hoff e Wechsler (2002), a 
dinâmica de jogos resgata o contexto de interações 
diretas no qual o computador deixa de ser oponente 
para colocar-se como mediador de interações 
humanas. 
Schell (2014) enumera várias sensações 
potencialmente vivenciadas através dos jogos como 
por exemplo a possibilidade de se imaginar como um 
personagem inserido em um mundo hipotético. O 
mesmo autor cita ainda os sentimentos de 
companheirismo, amizade e cooperação. 
Existem vários tipos de jogos. A classificação 
proposta por Wolf (2010) considerada aventura, vida 
artificial, jogos de tabuleiro, combate, corrida, 
educacional e simulação de gerência. 
Existem outras formas de classificação dos jogos 
digitais com relação à tecnologia gráfica utilizada. 
Considerando jogos digitais projetados em ambientes 
gráficos em duas dimensões (2D), a movimentação 
dos personagens é realizada apenas horizontalmente 
e verticalmente. Nos jogos projetados em ambientes 
em três dimensões (3D) existe a possibilidade de 
introdução de elementos mais realistas. 
Normalmente, os softwares utilizados para 
desenvolvimento de jogos possibilitam a simulação 
de fenômenos físicos tais como colisão, interação 
entre corpos rígidos, dinâmica de fluidos, gravidade, 
atrito, entre outros (ERICSON , 2005; GREGORY, 
2014). O comportamento de personagens autônomos 
é usualmente definido através de lógicas de 
programação baseada em inteligência computacional 
(BOURG.; SEEMANN, 2004). 
2.2 Aplicações de jogos digitais educacionais 
A potencialidade educacional de jogos digitais é 
apontada internacionalmente. Destacam-se as 
habilidades relacionadas à coordenação de variáveis 
dinâmicas em interação simultânea como 
antecipação, planejamento e elaboração de 
estratégias ( HOFF; WECHSLER,2002) 
Existe a possibilidade de desenvolvimento e 
utilização de jogos digitais independente do público 
alvo considerando. Caiado e Rossetti (2009) 
realizaram um estudo sobre a inserção de jogos de 
regras na escola primaria como estratégia facilitadora 
do desenvolvimento de relações cooperativas. A 
literatura reporta também estudos envolvendo jogos 
voltados para ciências sociais. Por exemplo, Hoff e 
Wechsler (2002) conduziram um estudo com caráter 
exploratório tendo como objetivo averiguar os hábitos 
de adolescentes brasileiros na sua prática de jogos 
computadorizados. 
No processo de transferência tecnológica de 
conceitos de Engenharia de Produção, a utilização de 
jogos pode ser muito produtiva no sentido de 
imprimir, sob o ponto de vista do participante, 
11
Tópicos em Gestão da Produção - Volume 1
significado aos conceitos. Exemplos de modelagem e 
simulação de sistemas no ambiente industrial 
abrangem as áreas de produção, logística, controle 
de qualidade, análise de riscos e segurança, análise 
de vulnerabilidade e análise de confiabilidade. 
Considerando negócios, finanças e economia 
industrial podem ser citados exemplos de simulação 
aplicados à modelagem de fluxos de negócios, 
análise financeira e planejamento estratégico 
De acordo com o estudo bibliométrico desenvolvido 
por Chiroli, Samed e de Paula (2014) sobre aplicação 
de jogos a Engenharia de Produção, pode-se afirmar 
que o maior número de publicações trata de Jogos 
de Empresas e Simulação. 
Queiroz e Lucero (2000) reportam a experiência que 
se originou do projeto e implementação de uma 
fábrica virtual no âmbito do Departamento de 
Engenharia Mecânica da UFSC. O Jogo emula 
situações reais de produção com vários produtos de 
fluxo longo (processos encadeados) e configurações 
de produto complexas. O jogador é um Engenheiro 
Trainee passando por um Departamento de 
Planejamento da Produção para assumir todo o 
planejamento e programação de uma unidade fabril 
que está em plena atividade. Nos níveis mais básicos 
do jogo, por razões pedagógicas, evitou-se colocar o 
aluno diante de estados transientes na fabricação, já 
que o nível de decisão deste estado é bem mais 
complexo na manufatura de lotes. Quando inserido na 
produção em regime permanente, há uma vantagem 
para o aprendizado que é a oportunidade de 
examinar as programações anteriores, os níveis de 
estoque, as interrupções e atrasos de produção, os 
índices de refugo e as flutuações de pedidos. Nos 
níveis mais avançados o aluno é exposto à situações 
mais realísticas de clientes que cancelam pedidos, 
de máquinas que quebram e de novos produtos que 
são introduzidos na produção. Para jogar exige-se 
que o aluno tenha conhecimentos básicos