A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
Fisioterapia aquática

Pré-visualização | Página 1 de 1

Fisioterapia aquática
Faltas: 2
PRINCÍPIOS E PROPRIEDADES DA ÁGUA
Densidade relativa: determina se objeto afunda ou não) 
= 1 (afunda logo abaixo da superfície)
> 1 (afunda)
< 1 (flutua)
Depende também da composição do corpo, pois tecido adipose pesa menos que massa magra na água (0,8 para 1)
Também a estrutura óssea (bebes e osteoporose)
Empuxo: corpo imerso experiment uma força debaixo para cima, contra a gravidade
Quanto mais fundo, mais empuxo e menos ação da gravidade
MAR: SAL DEIXA ÁGUA MAIS SALGADA, AUMENTA DENSIDADE E FLUTUAR FICA MAIS FÁCIL 
FLUTUAÇÃO (BOIAR): EQUILIBRIO ENTRE A FORÇA DA GRAVIDADE E O EMPUXO
Requer alinhamento entre centro de flutuação (L2) e centro de gravidade do corpo (esterno)
Alterada por espasticidade, limitação de ADM, fraqueza muscular, deformidades/amputações
EMPUXO 
Diminui ação da gravidade
Diminui carga articular (destrava articulação) 
Diminui a dor e espasticidade
Permite marcha
Pode ser:
ASSISTIVO: LENTO E AUXILIADO PELO EMPUXO (BAIXO PARA CIMA);
RESISTIVO: RÁPIDO E RESISTIDO CONTRA O EMPUXO (CIMA PARA BAIXO); 
SUPORTE: REALIZADO NA LINHA DA SUPERFÍCIE, EQUILIBRIO ENTRE EMPUXO E GRAVIDADE
PROFUNDIDADE x PESO
Mais usado, porém pode tornar paciente taquicardio se usada por muito tempo 
Indicado para pacientes com FC ou PA baixa
CERVICAL: 10% de carga nos MI
TÓRAX: 20% de carga nos MI
CINTURA (EIAS) : 50% de carga nos MI
COXA: 60% de carga nos MI
JOELHO: 80% de carga nos MI
TORNOZELO: 90% de carga nos MI
MOVIMENTO NA ÁGUA
FLUXO LAMINAR: Em linha reta, resistência menor
FLUXO TURBULENTO: Turbulência no líquido, resistência maior
Quanto mais rápido, maior a resistência; Quanto mais devagar, menor
VISCOSIDADE, PRESSÃO HIDROSTÁTICA E TEMPERATURA
VISCOSIDADE: Fricção ou atrito que ocorre entre o corpo e o líquido (água é 790x mais viscosa que o ar) 
PRESSÃO HIDROSTÁTICA: Pressão exercida no corpo de acordo com a profundidade: Quanto mais profundo, maior a pressão. TERAPEUTICAMENTE, auxilia na diminuição de edemas, na estabilização de articulações, no retorno venoso e na expiração/inspiração (fortalecimento)
TEMPERATURA: Quente para relaxamento muscular, extensibilidade do colágeno que auxilia nas articulações, adequação do tônus e analgesia. De 32°c a 34°c -> Termoneutra
Abaixo disso: vasoconstrição (hipertonia, tremor)
Acima disso: vasodilatação (fadiga mais rápida, taquicardia)
INDICAÇÕES
Gestantes
Idosos
Obesos
Osteoartroses
AVE
Poliomelite (paralisia infantil)
Paralisia cerebral
Plégicos
CONTRAINDICAÇÕES e CUIDADOS
Infecções de pele
Fobia
Cardiopatias severas
Quimioterapia
Dificuldade cognitiva
Cuidado com: labirintite, Síndrome de Down (hipotônicos), crianças
AÇÃO SISTEMICA 
PRIMEIRAS REAÇÕES FISIOLÓGICAS:
Menor efeito da gravidade causa menor propriocepção articular, em contrapartidas outras propriocepções aumentam 
Relaxamento causa menor controle motor
Menor equilíbrio 
Hipertonia por tensão/adaptação 
Alargamento da base de apoio 
AÇÃO SISTEMICA
CARDIOVASCULAR
Normalmente coração tem facilidade em mandar sangue para MI por auxilio gravitacional e dificuldade no retorno venoso; Na piscina, variando ao nível de imersão a gravidade + pressão podem gerar até 700ml de sangue de retorno a mais para a região tóraco-abdominal >> Aumenta DC
Nível EIAS: O mais confortável pois não causa taquicardia para o paciente; 
Nível Cervical: Taquicardia e aumento de contrações; 
CARDIOPATAS: Não colocar a nível cervical e evitar contrações isométricas; 
DIFICULDADE RESPIRATÓRIA: Não colocar a nível cervical.
AÇÃO SISTEMICA 
RESPIRATÓRIA
Aumento do volume sanguíneo 
Aumento da pressão na parede torácica
Aumento da altura do diafragma
Aumento da resistência das vias aéreas 
Menos eficiência
Aumento do trabalho pulmonar em 60%
AÇÃO SISTEMICA
RENAL
Aumento do volume sanguíneo renal
Aumento da atividade simpática renal
Ativação do sistema renina-angiotensina
Aumento da diurese
Alta perda de sódio e íons em geral (desidratação e fome)
AÇÃO SISTEMICA
Aumento de sangue e do sistema linfático
Auxilia em diminuir a viscosidade de edemas e sua liberação
Relaxamento muscular
Hipotonia
Auxilia no alongamento e ganho de força (porém não se compara com solo)
HALLIWICK
Desenvolvido primeiramente para ser recreacional, atualmente é utilizado para terapêutica entre fisio e educador físico principalmente com pacientes deficientes; 
Principal objetivo: Fornecer confiança para que paciente se torne mentalmente ajustado e fisicamente equilibrado dentro da água; 
Efeitos fisiológicos: Diminuição da hipertonia/espasticidade, redução de edema, aumento de ADM, relaxamento muscular;
Efeitos terapêuticos: Inibição de padrões patológicos, facilitação do movimento, aumento da resistência muscular, reeducação postural;
Não se usa flutuadores nesta técnica pois suporte pode atrapalhar a independência do paciente na piscina; 
PRIMEIROS PASSOS: Posição de segurar (sentado/cubo) onde terapeuta é suporte do paciente e controle respiratório (ensinar a soltar bolhas)
HALLIWICK – 10 PONTOS
ADAPTAÇÃO: Contato físico com a água, acostumar-se; 
DESLIGAMENTO: ... Entre paciente e fisioterapeuta, menos contato ou troca;
ROTAÇÃO TRANSVERSAL: Posição de flutuação para sentado; 
ROTAÇÃO LONGITUDINAL: Parafuso, em decubito ou sentado; 
ROTAÇÃO COMBINADA: Duas em um só movimento; 
EMPUXO: Testar a força, posição de cogumelo, pulinhos;
EQUILIBRIO: Flutuação com ou sem turbulência; 
TURBULÊNCIA E DESLIZE: Paciente é puxado pelo terapeuta em flutuação; 
PROGRESSÃO COM NADO SIMPLES: Atravessar piscina sozinho
WATSU
Desenvolvida na década de 80 por Harold Dull, é a pratica dos princípios do Shiatsu na água
Deve ser feita em temperatura média de 34°C
Totalmente passiva, apenas o terapeuta movimenta o paciente, oferecendo suporte com seus braços
Pés do paciente não podem tocar o chão 
Deve haver uma sincronia energética entre paciente e terapeuta, por meio da respiração igualada
Indicado para paciente neurológicos, fibromialgicos e com distúrbios emocionais
Efeitos promovidos: Adequação do tônus, alongamento passivo, reeducação postural vertebral, 
BAD RAGAZ
Ou Método dos Anéis, é uma coleção de técnicas em que o paciente se mantem sempre em flutuação; Máximo = 30 min 
Desta forma, não sofre nem efeito do empuxo ou da pressão ortostática
Objetivo: Fortalecimento muscular
Cuidados: flutuadores cervicais, lombares e em tornozelo; Profundidade na cintura para terapeuta, não pode chegar a nível axilar (evitar fadiga de membros superiores), terapeuta com meias e pesos se necessário, base alargada, quadril e joelhos flexionados. 
Efeitos Fisiológicos: Relaxamento por modo passivo, fortalecimento muscular por exercício ativo resistido, irradiação de esforço muscular para outro membro, ativação de musculos profundos pela fadiga dos superficiais;
BAD RAGAZ 
Adapta Kabat (FNP) para meio aquático,
Utilização de padrões diagonais de movimentos ligado a AVD
Busca ADM máxima para promover alongamento
Imposição de resistência
Pegada inicialmente em proximal e posteriormente em distal para dificultar
Repetições até a tolerância do paciente
Comando verbal
Resistência progressiva e diferenciada ( + turbulência, + velocidade ou estimulo do terapeuta)
BAD RAGAZ
INDICAÇÕES: 
Evitar atrofia em AVC, plegias ou paresias
Mobilização sem descarga de peso 
Cardiopatas
Facilitar reações de balanço
Trabalhar controle postural de tronco
Atraso do desenvolvimento neuropsicomotor
Pós cirúrgico de mastectomia
CONTRA INDICAÇÕES: 
Doenças progressivas (neuromuscular) 
Doenças do aparelho vestibular
Fibromialgia (excesso de contrações causa fadiga) 
3 TÉCNICAS:
Isocinetica – Paciente se move e terapeuta permanece estático (serve como fixador)
Isotonica – Ambos de movem (serve como facilitator/dificultador) 
Isometrica – Paciente realiza contração isométrica, terapeuta se move