A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
PERIGOS E RISCOS EM UMA COZINHA INDUSTRIAL DDS UMA FERRAMENTA EFICAZ

Pré-visualização | Página 3 de 10

acidentes. O 
desenvolvimento de doenças no local de trabalho é um elemento-chave da prevenção. 
Essencialmente, a natureza preditiva do risco enfatiza o uso de medidas preventivas 
para buscar Sua eliminação e mitigação em situações impossíveis. Identificação de riscos 
Fatores-chave para o gerenciamento bem-sucedido dos riscos. Risco irreconhecível pode levar 
a um processo inadequado de gerenciamento de riscos, levando a violações atingir objetivos 
organizacionais. 
O processo de análise de risco na ordem da metodologia, desenvolvida em três etapas: 
a) Nas circunstâncias dadas, identifique ou detecte a possibilidade de os trabalhadores 
sofrerem danos devido ao trabalho; b) Estimar o mais objetivamente possível e medir o risco e 
11 
 
sua gravidade; c) No processo de comparar a magnitude do risco com os padrões de referência 
de segurança e saúde, avalie o risco para determinar se o risco é aceitável e, se aceitável, qual 
é o risco? O grau de aceitabilidade que deve ser concedido. 
A análise preliminar de riscos - APR, também conhecida como análise de perigos - 
APP, pode determinar qualitativamente os possíveis acidentes em uma determinada 
instalação. A tecnologia aplicada possui uma metodologia estruturada, na qual para cada 
perigo identificado são apresentadas suas possíveis causas e consequências. Em seguida, 
realize uma avaliação qualitativa dos riscos associados à cena do acidente, avalie a frequência 
de ocorrência do evento, a causa e a gravidade da cena do acidente. 
É uma técnica que realiza uma avaliação preliminar dos riscos existentes na execução 
de uma atividade. É uma análise que pode identificar acidentes, suas causas, consequências e 
medidas de proteção. A análise visa determinar os riscos de pessoas, meio ambiente, ativos, 
continuidade operacional e imagem da empresa. 
Ao elaborar a Análise Preliminar de Risco deveremos também planejar como o serviço 
deverá ser executado, quanto tempo à rede elétrica deverá ficar desenergizada, respeitar 
programação de dia e horário para execução, avisar com antecedência os setores envolvidos, 
quantas equipes e colaboradores serão necessários para execução da tarefa. 
Por se tratar de uma técnica aplicável a todas as atividades, a técnica de Análise 
Preliminar de Risco é o fato de promover e estimular o trabalho em equipe e a 
responsabilidade solidária. O objetivo da Análise Preliminar de Risco – APR é criar o hábito 
de verificar os itens de segurança antes de iniciar as atividades, auxiliando na prevenção dos 
acidentes e no planejamento das tarefas, enfocando os aspectos de segurança no trabalho. 
Será preenchida de acordo com as regras de Segurança do Trabalho. A Equipe 
somente iniciará a atividade, após realizar a identificação de todos os riscos, medidas de 
controle e após concluir o respectivo planejamento da atividade. 
 
 
 
 
12 
 
Planilha da APR 
Perigo 
Eventos/Ce
nários 
Acidentais 
Causas Consequências 
Avaliação do Risco 
Recomendações 
 
Freq. 
Sev. 
Classifi
cação 
do 
Risco 
 
 
 
Fonte: adaptado da FEPAM (2016) 
A Análise Preliminar de Risco – APR é um documento que deve ser preenchido na 
presença de todos os colaboradores da equipe e por eles assinados, a fim de comprovar que 
estão cientes dos riscos que correm das medidas de controle a serem tomadas e do 
planejamento de execução dos serviços, conforme dita a NR10 que estabelece as condições 
mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalhem nas diversas 
etapas de instalações elétricas, incluindo elaboração de projetos, execução, operação, 
manutenção, reforma e ampliação, bem como a segurança de usuários e de terceiros em 
qualquer das fases de geração, transmissão, distribuição e consumo de energia elétrica, 
observando-se, para tanto, as normas técnicas oficiais vigentes e, na falta destas, as normas 
técnicas internacionais. 
Análise preliminar de riscos, incluindo implementação, pesquisa durante a fase de 
concepção ou desenvolvimento do sistema, Para determinar os possíveis riscos na fase de 
operação. A Tabela 1 mostra o breve resumo do autor sobre tipos e aplicativos. Metas, 
princípios, benefícios e observações da APR. 
 
Quadro 1 – Aspectos Gerais da APR 
TIPO Análise inicial; qualitativa. 
APLICAÇÃO 
Fase do projeto ou desenvolvimento de qualquer processo, produtos 
ou sistema. 
OBJETIVOS 
Determinação de riscos e medidas preventivas antes da fase 
operacional. 
PRINCÍPIOS 
Revisão geral de aspectos de segurança por meio de um formato 
padrão, levantando causas e efeitos de cada risco, medidas de 
prevenção ou correção e categorização dos riscos para priorização de 
http://www.adolphoeletricista.com.br/nr-10-seguranca-no-trabalho-com-eletricidade/
13 
 
ações. 
BENEFÍCIOS 
Elenco de medidas de controle de riscos desde o início operacional do 
sistema. Permite revisões de projeto em tempo hábil no sentido de dar 
maior segurança. Definição de responsabilidade no controle de riscos. 
OBSERVAÇÃO 
De grande importância para novos sistemas e sistemas inexistentes. É 
muito útil como revisão geral de segurança, relevando aspectos 
muitas vezes não percebidos. 
Fonte: Tavares (2004). 
 
Contudo, de acordo com Faria (2011), a APR também pode ser usada como 
Ferramenta geral de revisão de segurança para avaliar riscos periodicamente O processo pode 
não ter sido proposto antes. 
Primeiro, descreva todos os riscos, Descreva o desenvolvimento do APR. Com a 
descrição Prepare riscos, determine suas causas e consequências e realize buscas E formular 
medidas e medidas para prevenir e corrigir possíveis falhas detectadas. Finalmente, é 
necessário depender de Caracterizar o risco, ou seja, quanto maior o risco ou maior o risco, 
Deve ser resolvido rapidamente. 
Para dar prioridade às ações preventivas, Fruhauf et al (2005) criaram a classificação 
de risco na avaliação de risco À gravidade é dividida em quatro categorias, listada de acordo 
com a Tabela 2. 
 
Quadro 2 – Categoria de Severidade 
Categoria Denominação Descrição/Características 
IV Catastrófica 
Com potencial para causar várias vítimas fatais. Danos 
irreparáveis ou impossíveis (custo/tempo) às instalações. 
III Crítica 
Com potencial para causar uma ou algumas perguntas vitimas 
fatais ou grandes danos ao meio ambiente ou às instalações. 
Exige ações corretivas imediatas para evitar seu desdobramento 
em catástrofe. 
II Marginal 
Com potencial para causar ferimento ao pessoal, pequenos 
danos ao meio ambiente ou equipamentos/instrumentos. 
Redução significativa da produção. Impactos ambientais 
restritos ao local da instalação, controlável. 
I Desprezível 
Incidentes operacionais que podem causar indisposição ou mal 
estar ao pessoal e danos insignificantes ao meio ambiente e 
14 
 
equipamentos (facilmente reparáveis e de baixo custo). Sem 
impactos ambientais. 
Fonte: Fruhauf et al (2005). 
 
Em relação à categoria de risco envolvendo frequência, Queiroz (2013) propuseram 
cinco níveis dessa categoria, como mostra a Figura 3. 
 
Quadro 3 – Categorias de Frequências 
Categoria Denominação Descrição 
A Muito Improvável 
Cenários que dependam de falhas múltiplas de sistemas de proteção ou 
ruptura por falha mecânica de vasos de pressão. Conceitualmente 
possível, mas extremamente improvável de ocorrer durante a vida útil da 
instalação. 
B Improvável 
Falha múltipla no sistema (humanas e/ou equipamentos) ou rupturas de 
equipamentos de grande porte. Não esperado de ocorrer durante a vida 
útil da instalação. Sem registro de ocorrência prévia na instalação. Sem 
registro de ocorrência prévia na instalação. 
C Ocasional 
A ocorrência do cenário depende de uma única falha (humana e/ou 
equipamento). 
D Provável Esperada uma ocorrência durante a vida útil do sistema. 
E Frequente 
Pelo menos uma ocorrência do cenário já registrado no próprio sistema. 
Esperando ocorrer várias vezes durante a vida