A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Avaliação da Vitalidade Fetal [RESUMO]

Pré-visualização | Página 1 de 1

Obstetrícia Thomás Rocha Campos 
Avaliação da Vitalidade Fetal Medicina - UFOB 
 
 
AVALIAÇÃO DA VITALIDADE FETAL 
 
A avaliação da vitalidade fetal tem como objetivo diagnosticar o sofrimento fetal. 
Sofrimento fetal: é a resposta que o produto conceptual apresenta frente a hipoxia que, caso 
não corrigida, culmina em acidemia fetal. 
Indicações de se fazer avaliação da vitalidade fetal: 
 
 
 
Métodos de avaliação da vitalidade fetal: 
 
Nessa aula, serão abordados os mecanismos clínicos e biofísicos. 
Simbora! 
 
 
Obstetrícia Thomás Rocha Campos 
Avaliação da Vitalidade Fetal Medicina - UFOB 
 
Métodos Clínicos 
Aferição de AU: se não houver aumento da AU, sugere CIUR. 
BCF: 
 Normal: 110-160bpm 
 Taquicardia: >160bpm/10min 
 Bradicardia: <110bpm/10min 
Estímulo sônico ou mecânico  verifica se altera a frequência cardíaca com o estímulo. 
 
Mobilograma: é o registro dos movimentos fetais. 
 Paciente em decúbito lateral esquerdo 
 Registrar 3x ao dia (30 minutos) 
 Sinal de alarme: <10 movimentos em 1h 
 É orientado que a paciente faça isso após refeições, porque aumenta o aporte de 
nutrientes para o feto 
 
Amnioscopia: avaliação do líquido amniótico. Pode ser feito pela amniocentese ou com pelo 
amnioscópio. 
 
Quando o bebê está normal (sem sofrimento) ele tem movimentos de respiração com a glote 
fechada, aí não aspira o mecônio. Quando ele está em sofrimento, mantém a glote aberta. 
Nem todo paciente com mecônio tem indicação absoluta de cesárea! 
É preciso avaliar paridade da paciente, dilatação, cardiotoco... 
 
 
Obstetrícia Thomás Rocha Campos 
Avaliação da Vitalidade Fetal Medicina - UFOB 
 
Métodos Biofísicos 
Cardiotocografia: estuda a frequência cardíaca fetal (FCF), as contrações uterinas e a 
movimentação fetal. É o método primário de avaliação da vitalidade em gestação de alto risco. 
 Tem altos índices de falsos-positivos, principalmente porque a movimentação fetal é 
registrada pela mãe (apertando um botão), mas aí ela pode esquecer. 
 Em toda situação suspeita, deve-se fazer o perfil biofísico fetal 
 
Linha de base: 
 
Variabilidade da linha de base: 
 
Um feto com oligoâmnio vai ter variabilidade ausente, ou seja, está em sofrimento. 
Se tiver acentuada, também pode sugerir alguma alteração. 
Obstetrícia Thomás Rocha Campos 
Avaliação da Vitalidade Fetal Medicina - UFOB 
 
Acelerações transitórias 
 <32 sem. >10bpm e >10s 
 >32 sem. >15bpm e >15s 
 
Se não tem acelerações por estímulos ou o bebê está dormindo ou está com rebaixamento do 
SNC. 
Desacelerações 
 
DIP-0 
 
DIP-1 
É em espelho 
O mais característico da DIP-1 é associar 
com oligoâmnio. 
Então TP com bolsa rota e oligoamnio, por 
compressão do cordão. 
 
 
 
Obstetrícia Thomás Rocha Campos 
Avaliação da Vitalidade Fetal Medicina - UFOB 
 
DIP-2 
É o marcador que melhor se relaciona com 
hipóxia. 
60% se relaciona com líquido meconial. 
Tem mortalidade perinatal de 20% 
Decalagem= DIP-2 > 20s 
 
 
 
 
DIP-3 
Não tem relação com a contração 
uterina 
Compressão funicular 
Queda abrupta da FCF 
Queda DEVE ser >15 bpm 
Duração >15s e <2min 
 
 
No final, tu vai somar tudo isso aí que avaliou na Cardiotoco: 
 
Entre 4-5: ativo 
Entre 2-3: hipoativo 
Entre 0-1: inativo 
 
 
 
Obstetrícia Thomás Rocha Campos 
Avaliação da Vitalidade Fetal Medicina - UFOB 
 
Perfil biofísico fetal: avalia os movimentos fetais, frequência cardíaca, movimentos respiratórios, 
tônus e volume de líquido amniótico. 
 
Líquido amniótico 
 
 
 
Obstetrícia Thomás Rocha Campos 
Avaliação da Vitalidade Fetal Medicina - UFOB 
 
Dopplervelocimetria: avalia a função placentária (A. Umbilical) e resposta fetal à hipóxia (ACM e 
ducto venoso) 
 
Aí a prof explica a sequencia de alterações da centralização 
Não interrompe gestação na diástole zero 
Não interrompe na centralização 
Interrompe se houver alteração no ducto venoso ou diástole reversa!

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.