A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
199 pág.
Enviando por email Livro Gestão e Análise de Custos

Pré-visualização | Página 23 de 41

inventariáveis. Isto é, o estoque “absorve” todos os 
custos de fabricação”. 
Para Lopes de Sá (1990, p.109) o custeio por absorção é a “expressão 
utilizada para designar o processo de apuração de custos que se baseia em dividir 
ou ratear todos os elementos do custo, de modo que, cada centro ou núcleo absorva 
ou receba aquilo que lhe cabe por cálculo ou atribuição”. Deste modo o custeio 
por absorção é aquele em que são atribuídos todos os custos de fabricação, sejam 
eles diretos ou indiretos, fixos ou variáveis.
Tradicionalmente, no Brasil, o método de custeio utilizado pela 
Contabilidade Financeira é o Custeio por Absorção, no qual os custos indiretos 
são alocados aos produtos e serviços por meio de rateios. As leis societárias 
brasileiras (com relação aos custos) se mantêm, praticamente, imutadas desde 
o advento da Lei nº 6.404, em 1976.
FONTE: Disponível em: <http://www.etecnico.com.br/paginas/mef15761.htm>. Acesso em: 
29 set. 2015.
As principais vantagens e desvantagens do método de custeio por 
absorção são:
UNIDADE 2 | SISTEMAS DE CUSTEIO E FORMAÇÃO DE PREÇOS
100
Principais vantagens:
• Atende à legislação fiscal e deve ser usado quando a empresa busca o uso do 
sistema de custos integrado à Contabilidade.
• Considera o total dos custos por produto.
• Forma custos para estoques.
• Permite a apuração dos custos por centros de custos, quando os custos 
forem alocados aos departamentos de forma adequada, possibilitam o 
acompanhamento do desempenho de cada área.
Principais desvantagens:
• Pode elevar artificialmente os custos de alguns produtos.
• Não evidencia a capacidade ociosa da entidade.
• Os critérios de rateios são sempre arbitrários, portanto nem sempre justos.
IMPORTANT
E
No custeio por absorção os custos fixos são rateados entre os produtos, incluindo 
os custos variáveis referentes a cada um.
Exemplo:
Vamos supor que a empresa XVC têxtil fabrica dois produtos A e B, 
sabendo que em determinado mês foram produzidas 100 peças do produto A e 
200 peças do produto B. Os custos indiretos somam o montante de R$ 1.000,00, 
já os custos diretos referentes à matéria-prima são respectivamente R$ 5,00 e R$ 
7,00 e os custos diretos de mão de obra são R$ 3,00 e R$ 2,00. Tal empresa rateia 
os custos indiretos proporcionalmente ao custo direto. Se ela utilizar o custeio por 
absorção, qual será o custo unitário do produto A e do produto B?
Resolução:
O primeiro passo é descobrir o custo direto de cada produto:
Produto A: R$ 5,00 + R$ 3,00 = R$ 8,00
Produto B: R$ 7,00 + R$ 2,00 = R$ 9,00
Em seguida multiplicamos o custo de cada produto pela quantidade 
produzida:
TÓPICO 2 | MÉTODOS DE CUSTEIO
101
Produto A: R$ 8,00 * 100 = R$ 800,00
Produto B: R$ 9,00 * 200 = R$ 1.800,00
Somamos os custos diretos totais de produção:
R$ 800,00 + R$ 1.800,00 = R$ 2.600,00
E dividimos então o valor encontrado por cada produto para descobrirmos 
o percentual proporcional:
Produto A: R$ 800,00/R$ 2.600,00 = 0,31 * 100 = 31%
Produto B: R$ 1.800,00/R$ 2.600,00 = 0,69 * 100 = 69%
Encontramos então o percentual proporcional para calcularmos o rateio 
dos custos indiretos.
Produto A: R$ 1000,00 * 31% = R$ 310,00 
Produto B: R$ 1000,00 * 69% = R$ 690,00
Dividimos então o valor encontrado do custo indireto pelas unidades 
produzidas.
Produto A: R$ 310,00/100 = R$ 3,10 por unidade
Produto B: R$ 690,00/200 = R$ 3,45 por unidade
Em seguida, para descobrir o custo total por unidade, somamos o custo 
direto e o custo indireto por unidade, ou seja:
Produto A: R$ 8,00 + R$ 3,10 = R$ 11,10 por unidade
Produto B: R$ 9,00 + R$ 3,45 = R$ 12,45 por unidade
3 MÉTODO DE CUSTEIO VARIÁVEL (DIRETO)
Para Viceconti (2001) esse sistema também é chamado de custeio direto, 
onde os custos fixos são lançados como despesa e os custos variáveis são aplicados 
aos produtos, são aqueles que variam proporcionalmente conforme a produção. 
Tal método é indicado para elaboração de controles gerenciais.
O critério do custo variável (ou direto) é aquele que só inclui no 
custo das operações, dos produtos, serviços e atividades, os custos 
diretos e variáveis. Para que um custo (ou uma despesa) detenha 
as condições necessárias para compor o custo de um produto, por 
exemplo, é necessário que esse custo seja facilmente identificado 
com o produto, isto é, seja direto (onde não haja a necessidade de 
rateio) e que seja variável diante da variabilidade de um indicador 
que represente o produto, a operação, o processo, o componente ou 
a atividade. A finalidade principal do critério é a determinação da 
UNIDADE 2 | SISTEMAS DE CUSTEIO E FORMAÇÃO DE PREÇOS
102
contribuição marginal total ou unitária de cada objeto de custeio. Essa 
informação tem um poder extraordinário, principalmente porque não 
é poluída pelo trabalho de rateio, perigoso, porque às vezes inútil e até 
enganador (LEONE, 2000, p. 405).
No método de custeio variável são excluídos os custos fixos. Segundo 
Megliorini (2001, p.137) em relação aos custos fixos, “enquanto no custeio por 
absorção eles são rateados aos produtos, no custeio variável, são tratados como 
custos do período, indo diretamente para o resultado igualmente às despesas”. 
Aplicações do Custeio Variável (direto)
a) Uma vez que os custos variáveis são inevitavelmente necessários, sua dedução 
da receita identifica a Margem de Contribuição do produto, sem nenhuma 
interferência de manipulação devido aos critérios de rateio dos custos fixos;
b) Identificações da quantidade de unidades a serem vendidas, para que um 
projeto seja viabilizado;
c) Fornecimento de informações gerenciais, por haver relação entre o lucro e o 
volume de produção.
Principais vantagens:
• Destaca o custo fixo (que independe do processo fabril);
• Não ocorre a prática do rateio, por vezes errônea;
• Evita manipulações;
• Fornece o ponto de equilíbrio;
• Enfoque gerencial;
• Os dados necessários para a análise da relação custo/volume/lucro são 
rapidamente obtidos;
• É totalmente integrado com o custo padrão e orçamento flexível.
Principais desvantagens:
• No caso dos custos mistos (custos que têm uma parcela fixa e outra variável), 
nem sempre é possível separar objetivamente a parcela fixa da parcela variável.
• Não é aceito pela auditoria externa das entidades que têm capital aberto e nem 
pela legislação do imposto de renda, bem como por uma parcela significativa de 
Contadores, pois fere os princípios fundamentais de contabilidade, em especial 
aos princípios de realização de receitas, de confrontação e da competência. 
Estes princípios estabelecem que os custos associados aos produtos só podem 
ser reconhecidos na medida em que são vendidos, já que, somente quando 
reconhecida a receita (por ocasião da venda), é que devem ser deduzidos todos 
TÓPICO 2 | MÉTODOS DE CUSTEIO
103
os sacrifícios necessários à sua obtenção (custos e despesas). Como o custeio 
variável admite que todos os custos fixos sejam deduzidos do resultado, 
mesmo que nem todos os produtos sejam vendidos, ele violaria tais princípios.
• O valor dos estoques não mantém relação com o custo total.
• Isoladamente, não se aplica para formação do preço de venda. De acordo 
com o que foi apresentado, observa-se que por não atender às exigências da 
legislação, este método somente é aceito para fins gerenciais. Desta forma, age 
como instrumento gerador de informações para melhor orientar o processo 
gerencial.
IMPORTANT
E
Lucro bruto  É a diferença entre a receita com vendas menos o custo total 
apurado no custeio por absorção.
Margem de contribuição  É a diferença entre a receita com vendas menos os custos 
apurados no método de custeio variável e as despesas variáveis com vendas.
Curva ABC ou curva ABC de custos  Demonstra a representatividade dos custos, os que 
gastam maior e menor valor na composição do