A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Estudo Dirigido Pra Ap1 de Bio Cel 1

Pré-visualização | Página 1 de 3

Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna 
Estudo Dirigido de Biologia celular I para AP1 
 
Aula 1 - Microscopia óptica 
 
1) Quando surgiu o primeiro microscópio ? 
No século XVII, mesma época que Robert Hook observou pela primeira vez uma 
célula em lâminas de cortiça. 
 
2) Quem foi Robert Hook ? 
Um inglês, pioneiro na microscopia, hoje conhecido como o Homem dos 7 
instrumentos. Deu sua contribuição em vários ramos da ciência, como a Física, a 
Astronomia, Química, Biologia, Geologia, Arquitetura, etc. 
Hook desenvolveu um microscópio composto que usava para examinar insetos, 
esponjas e finas lâminas de cortiça, onde descobriu a existência das células. 
 
3) Qual é a importância de cada um dos itens citados a seguir pra a observação ao 
microscópio óptico: fonte de luz, espessura e contraste da amostra ? 
♦ Fonte de luz: atravessar a amostra pra formar a imagem na retina do 
observador; 
♦ Lente condensadora: concentrar a luz, aumentando a intensidade do feixe; 
♦ Espessura e contraste da amostra: quanto mais espessa a amostra, menos a luz 
irá atravessa-la, maior será o contraste e menor a visibilidade dos detales. 
 
4) Quem foi Antony Van Leeuwenhoek ? 
Outro pioneiro no ramo da microscopia. Ele fez descobertas fundamentais no ramo 
da Biologia, como as bactérias e os protozoários. Ele não era um cientista convencional 
como os de sua época, pois era filho de comerciantes, sem fortuna e sem educação 
universitária, ainda assim, com sua habilidade extraordinária para polir lentes de 
microscópio e sua grande curiosidade e mente aberta, livre dos dogmas científicos, foi o 
primeiro a descrever as hemácias, os espermatozóides e muito mais. Seus microscópios, 
embora com uma única lente, eram capazes de aumentar até 200 vezes o objeto. 
 
5) Como funciona um microscópio óptico? 
Uma fonte de luz concentrada sobre a lente é condensada sobre a amostra. O 
feixe de luz vai atravessar a amostra e ser captado por uma das lentes objetivas do 
revolver. Essa lente objetiva irá produzir a primeira imagem ampliada, que será captada 
pela lente ocular que irá projetar a imagem final na retina do observador. O aumento no 
microscópio óptico é resultado da multiplicação dos valores da lente objetiva pelo 
aumento da lente ocular. 
 
6) O que é e do que depende o poder de resolução de um microscópio? 
Limite de resolução é a menor diatânca em que 2 pontos podem ser distinguidos 
como individuais. Esse poder de resolução depende das lentes, da intensidade da luz e 
de outros fatores mais. 
 
7) Uma hemácia mede 8 micrômetros. Quando observada sob um aumento total de 
1.000 vezes, quanto medirá ? 
8.000 micrômetros. 
 
8) Uma célula foi fotografadacom 2.000x de aumento no microscópio óptico. Uma 
estrutura que tenha na realidade 2 micrômetros, aparecerá com quanto cm ? 
2000 X 2 = 4000 micrômetros = 4 mm = 0,4 cm. 
 
Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna 
9) Por que em geral o núcleo é a única estrutura claramente visível dentro de uma célula 
observada ao microscópio óptico ? 
Devido ao seu tamanho e localização. As outras estruturas ou são muito pequenas 
ou aparecem como túbulos ou vesículas dentro da célula. 
 
10) Quando chamamos um aumento de aumento vazio ? 
Quando há um aumento, mas sem resolução. 
 
11) Como é feito o preparo de amostras para o microscópio óptico de campo claro ? 
Para que possam ser guardadas por muito tempo, as amostras de células e tecidos 
precisam em geral de um tratamento químico que garanta sua preservação. Esse 
tratamento inclui várias etapas: 
a) Fixação: é o tratamento da amostra com substâncias químicas, como o formol, 
que preservem sua forma original. 
b) Desidratação: é a substituição da água presente dentro e fora das células por um 
solvente orgânico, como o etanol ou metanol. Esse solvente tanto pode ser removido, 
deixando a lâmina secar, quanto pode ser substituído por parafina ou outra resina que 
torne o tecido rígido, permitindo que seja fatiado. 
c) Microtomia: é a fatiação dos tecidos, pois alguns tecidos como fígado ou músculo 
são muito espessos apenas fatiados eles permitem a passagem parcial da luz. Para 
isso, devem ser embebidos em parafina, e quando solidificado pode ser cortado 
(fatiado). 
d) Coloração: como a maioria das células e seus componentes não são naturalmente 
coloridos, são usados uma série de corantes que tem afinidade química por 
determinados componentes celulares, assim, pode-se identificar os diferentes 
compartimentos celulares. O azul de metileno é um desses corantes. 
 
12) Em que tipo de microscópio podemos observar amostras vivas e sem a adição de 
corantes? 
Nos microscópios de contraste de face e no de contraste interferencial. 
 
13) O que vc pode entender sobre microscopia de Fluorescência? 
No microscópio de4 fluorescência a amostra é tratada comum corante fluorescente 
e iluminada com uma fonte de luz ultravioleta, capaz de fazer com que apenas as áreas 
onde o corante se fixou apareçam na imagem. 
 
14) Em que tipo de amostra e em qual situação deve-se usar os seguintes 
microscópios ópticos: 
a) Microscópio de campo claro Æ (amostra morta e fina) esse microscópio não 
permite visualizar uma amostra viva. Requer que a amostra seja preparada com 
corantes e fatiada, ficando fina o suficiente para que a luz consiga ultrapassa-la; 
b) Microscópio de contraste de faceÆ (amostra viva e fina) esse microscópio permite 
a visualização de amostras vivas, pois não precisa de corante, mas se a amostra não 
pode ser muito espessa, senão terá que ser fatiada e morta; 
c) Microscópio de contraste interferencialÆ(amostra viva e espessa) tb permite 
observar células vivas, mas nesse, não importa se a amostra é mais espessa, ela não 
precisa ser fatiada. 
d) Microscópio de fluorescênciaÆ esse requer o uso de corantes fluorescentes. Em 
algumas situações a célula pode ser observada viva, outras não; 
e) Microscópio confocal de varredura a laserÆ fornece imagens tridimensionais na 
trela de um computador, podendo ser observadas as organelas intercelulares. 
 
Aula 2 – Princípios de funcionamento dos microscópioseletrônicos 
Isabel Titoneli – Pólo Itaperuna 
 
15) Comente sobre o microscópio eletrônico? 
Esse tipo de microscópio utiliza um feixe de elétrons para produzir uma imagem 
ampliada de um objeto. Essa família é composta por dois tipos de microscópios: os 
microscópios eletrônicos de transmissão e os microscópios eletrônicos de varredura. Os 
de transmissão se baseiam na capacidade do feixe de elétrons de atravessar a amostra, 
enquanto nos de varredura o feixe de elétrons percorre a superfície da amostra gerando 
um sinal que será visualizado num monitor. 
 
16) Quais são as diferenças do Microscópio eletrônico de transmissão para o óptico? 
O microscópio eletrônico de transmissão é idêntico ao microscópio óptico na 
montagem de seus itens básicos apenas é maior e invertido. As principais diferenças são: 
‰ a fonte: luz visível no microscópio óptico e feixe de elétrons no microscópio 
eletrônico de transmissão; 
‰ o vácuo na coluna do microscópio eletrônico de transmissão. É necessário não 
apenas para impedir a combustão do filamento na presença de oxigênio como 
também para impedir a colisão do feixe de elétrons com moléculas do ar. 
‰ as lentes: de vidro no microscópio óptico e eletromagnetos no microscópio 
eletrônico de transmissão. As lentes magnéticas desviam e orientam o feixe de 
elétrons da mesma forma que as lentes de vidro desviam e orientam o feixe de luz; 
‰ a espessura da amostra: a amostra precisa ser cortada em fatias muito finas para 
ser atravessada pelos elétrons. 
 
17) Como é feito o preparo de amostras para ser observadas num microscópio 
eletrônico ? 
1– Fixação: Em geral é feita mergulhando as células ou tecidos em soluções que 
estabilizam as membranas e os constituintes celulares na forma o mais próxima possível