A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
102 pág.
BLOCO 2 PDF

Pré-visualização | Página 6 de 13

162. O tripulante responsável pela operação e segurança da aeronave e que exerce a autoridade 
que a legislação aeronáutica lhe atribui é o: 
 a) co-piloto 
 b) comandante 
 c) comissário 
 d) mecânico de voo 
 
163. Para a obtenção da licença de comissário, o DAC exige o cumprimento de alguns 
pré-requisitos, entre estes, tem-se: 
 a) estágio em empresa homologada. 
 b) instrução prática com 15 horas de voo. 
 c) conclusão do curso homologado com aproveitamento 
 d) frequência obrigatória em curso na área de segurança de voo. 
 
164. Em termos de segurança de voo, torna-se necessário o cumprimento das normas 
estabelecidas nos anexos da: 
 a) ONU 
 b) OMI 
 c) IATA 
 d) OACI 
 
165. Juntamente filosóficos e conceitos do SIPAER, encontra-se a recomendação de: 
 a) considerar os acidentes como inevitáveis. 
 b) comparar um acidente aeronáutico a outros já havidos. 
 c) reportar incidentes, ou ao menos preencher um formulário chamado relatório de perigo 
 d) considerar o comandante como sendo o único responsável pelas medidas de segurança a 
bordo. 
 
166. Com relação a estrutura do SIPAER, dos órgãos abaixo descritos, o que está diretamente 
ligado a estrutura do SERAC, é o(a): 
 a) CIAA 
 b) CNPAA 
 c) DIPAA 
 d) SIPAA 
 
167. Os militares credenciados pelo CENIPA designados para o desempenho das atividades de 
prevenção e investigação de acidentes aeronáuticos, denominam-se: 
 a) ASV 
 b) ESV 
 c) OSV 
 d) MSV 
 
168. Uma aeronave acidentada poderá ser removida sem autorização da autoridade aeronáutica 
investigadora, quando o objetivo for: 
 a) a recuperação da mesma. 
 b) salvar vidas humanas 
 c) iniciar investigação. 
 d) terminar a investigação. 
 
169. Um acidente aeronáutico ocorrido com aeronave pertencente à empresa de Transporte 
Aéreo Regular, terá como órgão investigador: 
 a) Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos. 
 b) Divisão de investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos 
 c) Comando Aéreo Regional em cuja jurisdição haja ocorrido o acidente. 
 d) Serviço Regional de Aviação Civil em cuja jurisdição haja ocorrido o acidente. 
 
170. Investigar os incidentes aeronáuticos de uma empresa aérea é de responsabilidade do: 
 a) CNPAA 
 b) SERAC 
 c) DSV da empresa envolvida. 
 d) ASV da empresa envolvida 
 
171. Na ocorrência de um acidente aeronáutico, o certificado de capacidade física dos tripulantes 
envolvidos: 
 a) perde a validade automaticamente 
 b) permanece válido, dependendo do parecer da CIAA. 
 c) será passível de revogação, por decisão da junta de saúde. 
 d) perde a validade se o acidente causar lesões ao portador. 
 
172. Das convenções abaixo a que unifica regras relativas ao transporte aéreo internacional, é a 
de: 
 a) HAIA 
 b) PARIS 
 c) CHICAGO 
 d) VARSÓVIA. 
 
173. Na Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) inúmeros países fazem-se representar, 
inclusive o Brasil, através de seus (suas): 
 a) governos 
 b) embaixadas 
 c) sindicatos 
 d) empresas aéreas. 
 
174. As publicações da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI), que tratam das normas 
internacionais e práticas recomendadas, são chamadas de: 
 a) anexos 
 b) emendas 
 c) boletins 
 d) portarias 
 
175. Criar os meios necessários para colaboração entre empresas de transporte aéreo 
internacional, é um dos objetivos do(a): 
 a) DAC (Departamento de Aviação Civil) 
 b) OIT (Organização Internacional do Trabalho) 
 c) OACI (Associação Internacional de Transporte Aéreo) 
 d) IATA (Associação Internacional de Transporte Aéreo) 
 
176. A licença, o CHT e o CCF dos tripulantes, são concedidos na forma de regulamentação 
especificas, pelo(a): 
 a) autoridade aeronáutica competente 
 b) empresa aérea pela qual forem contratados. 
 c) escola, empresa aérea e médico de sua confiança. 
 d) IAC, aeroclube e médicos credenciados pelo DAC. 
 
177. Dos princípios abaixo mencionados, assinale o que não faz parte da filosofia SIPAER: 
 a) todo acidente tem um precedente. 
 b) todos os acidentes podem ser evitados. 
 c) segurança de voo não é um ato egoísta. 
 d) segurança de voo não é responsabilidade de todos 
 
178. Toda ocorrência relacionada a operação de uma aeronave, com intenção de voo, mas que 
não implique em danos graves a aeronave, nem lesões das pessoas envolvidas, caracteriza um(a): 
 a) acidente aeronáutico. 
 b) incidente aeronáutico 
 c) falha operacional de comando. 
 d) falha operacional de tripulação. 
 
179. A legislação referente às atividades do SIPAER, é regulamentada através de: 
 a) acordos internacionais 
 b) portarias do Comando da Aeronáutica 
 c) normas do sistema do Comando da Aeronáutica 
 d) boletins da Organização de Aviação Civil Internacional 
 
180. O relatório de caráter ostensivo onde são divulgadas as conclusões, referente a acidente 
ocorrido com aeronave civil, é denominado relatório: 
 a) final 
 b) de perigo 
 c) preliminar 
 d) de incidentes 
 
181. A CERNAI é órgão de assessoramento do Comando da Aeronáutica, que tem por finalidade: 
 a) coordenar os estudos relativos à navegação aérea nacional 
 b) elaborar as estatísticas relativas à Aviação Civil Internacional 
 c) estudar, planejar, orientar e coordenar os assuntos relativos a Aviação Civil internacional 
 d) estudar, planejar e organizar as atividades necessárias ao funcionamento da Aviação Nacional 
 
182. A organização responsável pela instalação, operação e manutenção de órgãos e 
equipamentos para controle de tráfego aéreo, estabelecendo regras e procedimentos de trafego 
aéreo, é o (a): 
 a) Departamento de Aviação Civil 
 b) Serviço Regional de Aviação civil 
 c) Serviço Regional de Proteção ao voo 
 d) Departamento de Controle do Espaço Aéreo 
 
183. No caso de pouso forçado, a autoridade do comandante sobre a aeronave, se encerra: 
 a) 24 horas após o pouso. 
 b) imediatamente após o pouso. 
 c) após o desembarque de pessoas e coisas transportadas. 
 d) quando as autoridades competentes assumirem tal responsabilidade 
 
184. A afirmativa “todo acidente tem um precedente” faz parte dos princípios filosóficos e 
conceitos do(a): 
 a) OACI 
 b) IATA 
 c) CERNAI 
 d) SIPAER 
 
185. Dentre os órgãos abaixo citados, indique os que fazem parte da estrutura do SIPAER: 
 a) CIAA, CAC e DIRSA. 
 b) CELMA, DEPV e DIRENG 
 c) CENIPA, DIPAA e CNPAA 
 d) SERAC, CERNAI e SIPAA 
 
186. O documento formal de extrema importância na prevenção de acidentes aeronáuticos, que 
contém, de forma simplificada, informações detalhadas sobre um acidente aeronáutico, 
denomina-se: 
 a) RP 
 b) RELIN 
 c) RELPER 
 d) RELIAA 
 
187. A pesquisa de fatores em potencial de perigo é uma técnica de prevenção de acidentes 
denominada: 
 a) programas educativos. 
 b) análise de relatórios. 
 c) análise de tendências. 
 d) vistorias de segurança 
 
188. O Comando da Aeronáutica, através do DECEA e do DAC, adota normas internacionais e 
práticas recomendadas pela: 
 a) ENA 
 b) OIT 
 c) OACI 
 d) IATA 
 
189. Com a finalidade de organizar atividades necessárias ao funcionamento e ao 
desenvolvimento da aviação civil no Brasil, foi instituído o Sistema de: 
 a) Aviação Civil 
 b) Segurança de voo. 
 c) Telecomunicações Aeronáuticas. 
 d) Investigação e Prevenção de Acidentes. 
 
190. A Divisão de Habilitação do DAC, responsável pela emissão e controle de licenças e 
certificados, pertence ao Subdepartamento: 
 a) Técnico-Operacional – STE 
 b) Planejamento e Controle – SPCON 
 c) Serviços Aéreos – SSA 
 d) infraestrutura – SIE 
 
191. Na constituição da infraestrutura aeroportuária brasileira, o Serviço de Busca e Salvamento 
pertence ao Sistema de: 
 a) Proteção ao voo 
 b) Segurança de voo. 
 c) Coordenação da infraestrutura Aeronáutica. 
 d) Investigação

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.