A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
66 pág.
ESTRUTURAS METÁLICAS - APOSTILA LABORATORIO PUC GO

Pré-visualização | Página 5 de 5

ações que tem uma probabilidade não desprezível de atuar 
sobre a estrutura, durante o período estabelecido para o projeto. Os coeficientes 
de ponderação são retirados da ABNT NBR 8800:2008 nas tabelas 1 e 2 conforme as 
figuras 22 e 23. 
 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
53 
 
 
Figura 22 - Tabela com coeficientes de ponderação da ABNT NBR 8800:2008 
 
 
 
 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
54 
 
 
 
Figura 233 - Tabela com fatores de combinação da ABNT NBR 8800. 
 
 
De acordo com a NBR 8800 para cada combinação se aplica a seguinte 
expressão: 
 
F
d 
=Σ(γ gi FG k i, ) + γ q1 F +Σ(ψ γ 0j Fk Qj, ) 
 
 
 
onde: 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
55 
 
FGi,k representa os valores característicos das ações permanentes; 
FQ1,k é o valor característico da ação variável considerada principal para a 
combinação; 
FQj,k representa os valores característicos das ações variáveis que podem 
atuar concomitantemente com a ação variável principal. 
Para o nosso exemplo será utilizado as seguintes combinações: 
1° 1,25 x PP + 1,35 x CP + 1,5 x SC + 1,4 x 0,6 x V0 
2° 1,25 x PP + 1,35 x CP + 1,5 x SC + 1,4 x 0,6 x V90 
3° 1,25 x PP + 1,35 x CP + 1,4 x V0 + 1,5 x 0,8 x SC 
3° 1,25 x PP + 1,35 x CP + 1,4 x V90 + 1,5 x 0,8 x SC 
5° PP + CP + 1,4 x V0 
6° PP + CP + 1,4 x V90 
7° 1,25 x PP + 1,35 x CP + 1,5 x SC 
 
Para as combinações será utilizada os esforços de maiores valores para cada 
peça. Gerando os seguintes resultados: 
 
 
Tabela 2: Resultados das combinações para os esforços normais. 
 
 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
56 
 
 
 
Tabela 3: Resultados das combinações para os esforços cortante. 
 
 
 
Tabela 4: Resultados das combinações para os esforços demomento fletor. 
 
 
 
 
 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
57 
 
14 Resumo dos Esforços 
 
Abaixo tabela com o resumo dos esforços críticos que serão utilizados para o 
dimensionamento. 
 
 
Tabela 5: Resumo dos esforços para dimensionamento. 
 
15 Dimensionamento 
 
Para o dimensionamento será utilizado o software visual metal. 
 
Figura 24 - Interface do software. 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
58 
 
 
 
Figura 25 - Escolha do aço. 
Clique em aço e escolha o aço desejado. 
 
15.1 Terças 
 
Primeiro escolha o perfil desejado para cálculo. 
 
 
 
 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
59 
 
 
 
Após a entrada de dados, aperte a tecla calcular e verifique a mensagem. 
 
15.2 Banzo Superior e Inferior 
 
 
 
 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
60 
 
Para os banzos o ideal e testar o perfil tanto para tração como para compressão, no exemplo 
será testado somente para compressão, pois os efeitos da compressão tendem a serem mais 
críticos. 
 
15.3 Montantes e Diagonais 
 
Foi escolhido o perfil em dupla cantoneira. 
 
 
 
15.4 Pilar do Pórtico 
 
Lflx= Kx . Lx 
Lflx= 0,8 . 6 
Lflx= 4,8 m 
 
Lfly= Ky . Ly 
Lfly=0,8 . 6 
Lfly= 4,8 m 
 
 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
61 
 
 
 
 
15.5 Viga do Mezanino 
 
15.5.1 Viga Secundaria do Mezanino 
 
 
 
 
 
 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
62 
 
 
15.5.2 Viga Principal do Mezanino 
 
 
 
 
15.6 Viga de Coroamento 
 
 
 
 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
63 
 
16 Resumo dos Materiais 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
64 
 
17 Referências 
 
ABCEM. Revista Construção Metálica (2009). 92.ed. Disponível em 
<http://abcem.org.br/revista-construcao-metalica/edicao92/RCM92.pdf> Acesso em: 19 maio 
de 2015. 
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. Projeto de 
Estruturas de Aço e de Estrutura Mistas de Aço e Concreto de Edifícios - NBR-8800. Rio 
de Janeiro: ABNT, 2008. 237p. 
 
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. Ações e Segurança nas 
Estruturas – Procedimento - NBR-8681. Rio de Janeiro: ABNT, 2003.15p. 
 
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. Dimensionamento de 
Estruturas de Aço Constituídas por Perfis Formados a Frio - NBR-14762. Rio de Janeiro: 
ABNT, 2010.87p. 
 
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. Projeto de Estruturas de 
Aço e de Estruturas Mistas de Aço e Concreto de Edificações com Perfis Tubulares - NBR-
16239. Rio de Janeiro: ABNT, 2013.90p. 
 
BASTOS, M.A.R..2004. Avaliação de sistemas construtivos semi e/ou industrializados de 
edifícios de andares múltiplos através da perspectiva de seus usuários. 458f. Dissertação 
(Mestrado em Construções Metálicas) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, 
Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2004. 
BELLEI, I. et. al. 2008. Edifícios de Múltiplos Andares em Aço. 2ª ed. São Paulo: PINI. 
BELLEI, Ildony Hélio. 1998. Edifícios Industriais em Aço. 2ª ed. São Paulo: PINI. 
BRANCO, R. H. F. Automação de Projetos de Estruturas Planas Treliçadas Tubulares de 
Aço com Estudo Comparativo Entre Treliças Constituídas por Barras com Ligações 
Rotuladas e Rígidas. Dissertação (Mestrado em Estruturas) – Faculdade de Engenharia Civil, 
Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2006. 
COSTA, C. T DA. O sonho e a Técnica - A arquitetura de ferro no Brasil. 2 ed. São Paulo: 
Edusp, 2001. 
 
MALITE, M.; SÁLES, J.J.; GONÇALVES, R. M. (1998). Algumas considerações sobre a 
nova norma brasileira de estruturas de aço em perfis formados a frio. Artigo Técnico, 
Revista Construção Metálica, n.33, p.22-26, 1998. 
MARGARIDO, Aloizio. 2008. O Uso do Aço na Arquitetura. Módulo 3. Ed. CBCA 
NOGUEIRA, Gilcimar Saraiva. (2009). “Avaliação de soluções estruturais para galpões 
compostos por perfis de aço formados a frio”. Ouro Preto. 161p. Dissertação (Pós-
Graduação) – Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto. Disponível em: 
http://www.propec.ufop.br/upload/tese159.pdf. Acesso em 03 mai 2015. 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
65 
 
PFEIL, Walter, PFEIL, Michèle. 2009. Estruturas de aço: dimensionamento prático. 8ª ed., Ed. 
LTC. 
PORTAL METÁLICA. Treliças espaciais – aspectos gerais, comportamento estrutural e 
informações para projeto. Disponível em <http://wwwo.metalica.com.br/trelicas-espaciais> 
Acesso em: 26 de outubro de 2015. 
PRAVIA, Zacarias M. Chamberlain. et. al. 2010. Galpões para usos gerais. 4ª ed. Rio de 
Janeiro: IABr/CBCA. 
SCHULTE, H., YAGUI, T., PITTA, J.A.A. 1978. Estruturas Metálicas para Coberturas. 
Informações Construtivas para Projetos Escolares. São Carlos: SET/ESSC/USP. 
 
SÜSSEKIND, José Carlos. 1991. Curso de Análise Estrutural:Estruturas Isostáticas. 11ª ed. 
São Paulo: Ed. GLOBO. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Apostila: Laboratório de Estruturas Metálicas 
 
66

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.